Após comandar oração, aiatolá Khamenei apela para união do Irã

Aiatolá Khamenei: "Trump atingiu “os iranianos com o seu punhal envenenado". - Foto: Anadolu Agency/Getty Images

O aiatolá comandou a oração depois de oito anos e aproveitou para pedir unidade ao país, após desastre aéreo

Aiatolá Ali Khamenei fez um apelo pela união do povo iraniano, nesta sexta-feira (17). O líder religioso se manifestou, após as polêmicas em torno do desastre aéreo que causou a morte de 176 pessoas que estavam a bordo do Boing 747-800, na Ucrânia. Saiba mais aqui!

Como o país vive momentos de tensão, ele apelou pela unidade e também considerou que os países europeus que subscreveram o acordo relativo ao programa nuclear não são “de confiança”.

Khamenei comandou as orações hoje pela primeira vez desde 2012. A presença dele foi necessária por conta das manifestações realizadas no país, por conta da queda do avião no dia 8 de janeiro, da morte do general Qasem Soleimani, entre outras causas.

EUA
Em resposta ao ataque do drone norte-americano que matou Soleimani em 3 de janeiro, os iranianos lançaram vários projéteis contra duas bases no Iraque. O líder religioso afirmou que o contra-ataque dos Estados Unidos foi um “golpe na imagem da América” como superpotência.

Na oração, Khamenei ofereceu condolências às famílias das vítimas e descreveu o desastre como “uma tragédia amarga”, ou ainda “um incidente muito triste” que foi aproveitado “pelos inimigos” do Irã para ofuscar o “sacrifício” da morte do general iraniano.

Traição

Ali Khamenei afirmou, ainda, em seu discurso que os Estados Unidos não oferecem apoio ao Irã com verdade e considera o apoio demonstrado por Donald Trump uma “farsa”. Aiatolá afirma que o presidente norte-americano atingiu “os iranianos com o seu punhal envenenado”.

Leia Também: