28 C
Vitória
quinta-feira, 21 janeiro, 2021

2020: Quando a educação parou

Mais Artigos

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

Quando um pouco de solidariedade faz muita diferença

Num país com tantas desigualdades sociais, contribuir para a manutenção e a sobrevivência de projetos e ações que, no dia a dia, auxiliam pessoas com maior vulnerabilidade tornou-se indispensável

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

As diferentes gerações que viveram o ano de 2020 jamais imaginaram que poderia ocorrer uma pandemia com tão fortes impactos em suas vidas

Por Haroldo Corrêa Rocha

Todas as atividades humanas foram afetadas, mas a educação foi, talvez, a mais delas. As escolas tiveram suas atividades presenciais paralisadas em todo o Brasil, impactando cerca de 48 milhões de estudantes da educação básica. O impacto foi profundo, pois as crianças e jovens necessitam da escola presencial, tanto para o desenvolvimento de competências cognitivas, como de competências socioemocionais.

Na convivência presencial fora do núcleo familiar é que melhor se desenvolve a capacidade de relacionamento, a afetividade, a tolerância com os diferentes e a auto-regulação emocional.

A paralisação das atividades presenciais afetou os três principais grupos envolvidos na educação: estudantes, professores e pais/responsáveis. As aulas presenciais foram substituídas por aulas remotas. As escolas passaram a funcionar utilizando a mediação tecnológica. Este novo modelo de escola foi implementado em todo o país e em todos os ciclos educacionais, mas teve resultados diferenciados nos diferentes territórios e ciclos. Os estudantes da educação básica, cujas vidas estão sujeitas a alta vulnerabilidade, tiveram maior dificuldade de se conectar a acompanhar as atividades educativas. Assim, pode-se dizer que a pandemia aprofundou as desigualdades educacionais.

Há um contingente significativo de crianças e jovens, entre 20 e 50%, dependendo da região, que não dispõe de equipamentos e de conectividade. Os sistemas educacionais públicos já empreendiam esforços de conexão das escolas e a partir de agora precisam garantir equipamentos e conectividade para todos os estudantes, especialmente os mais pobres. Neste aspecto tivemos um avanço que foi o entendimento de que o acesso dos estudantes à internet será uma alavanca fundamental para ampliar os níveis de aprendizagem nos próximos anos.

Não foi fácil implementar a escola virtual, mas ficam importantes legados que terão forte impacto transformador na educação ao longo do século XXI.

Antes da pandemia, segundo pesquisa do Instituto Península, apenas 12% dos professores tinham vivido a experiência das aulas remotas e ao final de 2020 todos já operam a escola digital.

E, o mais importante, 94% dos professores acreditam que a tecnologia entrou na educação de forma irreversível, será um facilitador do trabalho docente e possibilitará a melhoria da aprendizagem dos estudantes.

Os estudantes, por sua vez, em sua grande maioria, já utilizavam o celular para entretenimento e comunicação pelas redes sociais. Com a pandemia, o celular passou a ser o dispositivo mais utilizado para participar das aulas remotas, seja pelos Centros de Mídias ou por aplicativos de videoconferência. Esta nova experiência desenvolvida pelos estudantes será de grande valia para potencializar a aprendizagem.

A pandemia criou as condições objetivas para que os pais vivenciassem mais de perto as dificuldades dos seus filhos no processo de aprendizagem, o que os levou a reconhecer mais o trabalho dos professores. Pesquisa do Data Folha indica que 51% dos responsáveis por alunos dizem participar mais da educação dos estudantes e 71% valorizam mais o professor. A visão dos pais sobre a escola se tornou muito mais positiva, o que daqui para a frente poderá reforçar a parceria entre escola e famílias.

O ano de 2020 foi um marco na história da educação e seus aprendizados permitem afirmar que a partir de agora a educação básica brasileira vai trilhar novos caminhos para garantir maiores níveis de aprendizagem a todas as crianças e jovens do nosso país. A luta continua, mas agora com novas alavancas a impulsionar a aprendizagem. Que venha 2021!

Haroldo Corrêa Rocha é Secretário Executivo de Educação do Estado de São Paulo e Ex-Secretário de Estado de Educação do Espírito Santo

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Série histórica mostra ocupação hoteleira durante a pandemia

Já estão disponíveis no Observatório do Turismo os dados relativos à taxa de ocupação hoteleira relativa ao ano de 2020, nos municípios de Vitória, Vila Velha e Serra

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Vida Capixaba

Queijos: segunda maior agroindústria capixaba

Queijos com adição de especiarias e ervas finas, com recheio de geleias de frutas, doce de leite e embutidos, ou até defumados, são algumas versões de queijos capixabas que demonstram a potencialidade do setor

Prêmio de fotografia ‘As belezas que Anchieta viu’

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) divulgou, nesta terça-feira (19), o resultado do prêmio de fotografia “As belezas que Anchieta viu”

Novas espécies de insetos são descobertas no Espírito Santo

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região norte do Espírito Santo