24.4 C
Vitória
quarta-feira, 29 maio, 2024

R$ 200 milhões para reforçar transporte de cargas para o ES

Novas locomotivas foram adquiridas pela VLI para o transporte de cargas na Ferrovia Centro-Atlântica

Por Amanda Amaral 

Nove locomotivas, modelo ES-43BBI da Wabtec, foram adquiridas para o transporte de cargas na Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), um investimento de cerca de R$ 200 milhões da VLI – companhia de soluções logísticas que opera portos, ferrovias e terminais. A previsão é de que comecem a ser entregues em até 18 meses.

- Continua após a publicidade -

As locomotivas se juntarão à sua frota premium, segundo a companhia. A assinatura do contrato de aquisição aconteceu nesta terça-feira (28). A aquisição das locomotivas atende ao incremento da demanda por transporte de cargas no corredor Centro-Leste da companhia, por onde insumos e produtos da indústria siderúrgica, do agronegócio, carvão, fertilizantes, combustível e celulose são escoados em direção ao sistema portuário do Espírito Santo.

Entre eles, fluxos iniciados recentemente pela companhia, como o transporte de celulose solúvel para a empresa LD Celulose, em um contrato que prevê a movimentação de 500 mil toneladas anuais do material, produzido no Triângulo Mineiro, até o porto de Barra do Riacho, no Espírito Santo. Apenas para o contrato com a companhia mineira, a VLI investiu R$ 400 milhões na compra de vagões e locomotivas.

“A aquisição das locomotivas reforça nosso compromisso com os clientes que transportam suas cargas pela Ferrovia Centro-Atlântica em direção aos portos do Espírito Santo e a capacidade do nosso time de cocriar soluções para gerar eficiência. Este negócio representa mais uma contribuição da VLI para o desenvolvimento da indústria ferroviária nacional, o que também acontecerá uma vez concluído o processo de renovação antecipada da concessão da Ferrovia Centro-Atlântica, em virtude da necessidade do incremento da frota atual para atender ao aumento do volume de carga esperado com a renovação”, afirma Fábio Marchiori, CEO interino da VLI e diretor de Finanças, Supply Chain e Serviços da companhia.

Ampliação de carga no ES

Além dos fluxos iniciados recentemente pela companhia, como o da LD Celulose, a VLI estuda novos investimentos e oportunidades para aumentar os volumes transportados aos portos do Espírito Santo.

transporte de cargas
Na foto, ministro dos Transportes, Renan Filho, Fabio Marchiori, da VLI, e Danilo Miyasato, da Wabtec. Foto: Divulgação

Exemplo disso é o recente anúncio de um memorando de entendimento com a Vports (antiga Codesa) para obras de expansão do novo Porto de Vitória, com o objetivo de aumentar o volume de cargas escoado pelo local. O documento assume que os estudos a serem realizados em conjunto podem concluir pela existência de uma oportunidade para investimentos em ferrovia, porto e terminais que atinjam até R$ 200 milhões.

O estudo estima um aumento de cerca de 5 milhões de toneladas de granéis sólidos minerais e vegetais à matriz de carga atual nos fluxos de importação e exportação do Estado. Para dar vazão a este aumento de volumes transportados, a VLI também analisará oportunamente a necessidade de aquisição de novos vagões e locomotivas. Atualmente, a VLI movimenta cerca de 25 milhões de toneladas anuais nos portos e ferrovias do Espírito Santo, com cargas que trafegam pela Ferrovia Centro-Atlântica, em Minas Gerais, e pela Estrada de Ferro Vitória a Minas, onde a VLI opera por direito de passagem, para acesso aos portos do Espírito Santo.

A operação portuária atual da empresa é concentrada nos terminais de Praia Mole, de Granéis Líquidos e de Produtos Diversos, instalados no Complexo Portuário de Tubarão. No entanto, a empresa acredita no crescimento deste corredor e estuda novas oportunidades portuárias públicas e privadas no Espírito Santo.

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA