Produção da indústria capixaba acumula alta

Industria_Capixaba

A produção física da indústria do Espírito Santo registrou alta de 3% de janeiro a setembro de 2017, em relação ao mesmo período do ano passado.

Com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo (Ideies) analisou o cenário local do setor e sinalizou o crescimento.

No acumulado dos 12 meses, a expansão é de 0,4%, primeiro resultado positivo desde janeiro de 2016. O desempenho foi o quarto melhor do país, ficando abaixo apenas dos estados do Pará, do Paraná e de Santa Catarina. “Após um ano muito ruim para a economia, o Espírito Santo mantém um ritmo consistente de recuperação. Há um fortalecimento de diferentes setores, traduzido no resultado positivo acumulado neste ano”, disse o primeiro vice-presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), José Carlos Zanotelli.

Embora no acumulado do ano o resultado tenha sido positivo, a produção física diminuiu 3% em relação ao mês de agosto.

José Carlos Zanotelli
“Após um ano muito ruim para a economia, o Espírito Santo mantém um ritmo consistente de recuperação.” José Carlos Zanotelli, primeiro vice-presidente da Findes

Em comparação com setembro de 2016, a retração foi de 2,7%. Segundo o IBGE, o recuo em setembro foi ocasionado pelo desempenho dos setores de metalurgia (-11,3%) e da indústria extrativa (-3,6%), afetados, especialmente, pelos itens “bobinas a quente de aços ao carbono e tubos flexíveis e tubos trefilados de ferro e aço” e “óleos brutos de petróleo”.

“A análise mensal é sujeita a esse tipo de variação, especialmente depois de um crescimento tão expressivo como o registrado em agosto, quando a produção subiu 7,5%. Isso pode ser explicado, por exemplo, por contratos firmados naquela ocasião, que impactaram resultado. Por isso, é mais importante avaliar o desempenho acumulado do ano e em 12 meses”, ponderou Zanotelli.

Outro dado que sinaliza uma retomada do crescimento da indústria capixaba é o faturamento. No acumulado até setembro, em relação ao mesmo período de 2016, o faturamento da indústria de transformação cresceu 0,7%. Por setores, a alta chegou a 11,3% na metalurgia, 5,8% entre as indústrias de alimentos e 1% na indústria de celulose e papel. Na indústria extrativa, o faturamento real acumulou alta de 12,9% até setembro.

Mercado de trabalho e salários

Os dados de emprego também tiveram melhora no Espírito Santo no acumulado de 2017 até setembro. Na indústria de transformação, o saldo entre admissões e demissões ficou positivo, totalizando 1.830 vagas. Na indústria da construção civil, alcançou 385. Apenas na indústria extrativa mineral, as dispensas superaram as contratações em 71 postos de trabalho.

Industria Capixaba
Dados: Ideies/IBGE

No acumulado de janeiro a setembro de 2017, o segmento industrial foi responsável pelos maiores salários pagos no Espírito Santo, com média de R$ 1.401, sendo que na indústria extrativa mineral o valor foi de R$ 2.214; na indústria de transformação, de R$ 1.643; e na construção civil, de R$ 1.608. No segmento de serviços e comércio, os ganhos foram de R$ 1.435 e R$ 1.233, respectivamente.