E agora?

Competitividade: a agenda da economia mundial
Arilda Teixeira é economista e professora da Fucape

O presidente foi eleito e já está articulando a equipe de governo. Agora o que interessa é o que efetivamente será feito

O Presidente eleito prepara equipe de governo sinalizando que suas prioridades em relação à economia estão alinhadas com a responsabilidade fiscal, estabilidade monetária, e a segurança jurídica.

Até atentou para uma necessidade específica, mercado de trabalho qualificado, trazendo antiga proposta de colocar o ensino superior sob responsabilidade do Ministério da Ciência e Tecnologia, e o ensino básico do Ministério da Educação. Separação para melhorar a qualidade do ensino básico e ampliar as possibilidades de o ensino superior ser um locus para avanço de progresso técnico, imprescindível para melhorar o parque produtivo de um País.

Todas na direção do que precisa ser feito, e são obrigação de Governo. O que interessa é o que efetivamente será feito.

Reduzir número de ministério apenas segue a liturgia da responsabilidade. E, será inócuo, se não eliminar os cargos comissionados – cabides de empregos que oneram os gastos com pessoal e sustenta uma casta de Aspones improdutivos.

Na verdade, cumprir responsabilidade fiscal neste momento é aprovar uma reforma fiscal ampla, abrangendo a previdência, sistema tributário, e estrutura administrativa.

A primeira corrige entraves à sustentabilidade da seguridade social trazidos pelos fatores demográficos e pelo desalinhamento entre os regimes de aposentadorias dos setores privado e público. A segunda reformula a caótica legislação tributária brasileira que, contaminada pela regressividade e cumulatividade reproduz um sistema tributário burocrático e punitivo para a atividade econômica e o contribuinte pessoa física. A terceira reformula a estrutura organizacional do setor público para torná-la mais eficiente e ser capaz de prestar serviços de melhor qualidade.

Nenhuma delas esta assegurada haja vista dependerem de decisão do parlamento.

Não estando, há risco de o equilíbrio fiscal ser buscado no aumento de tributação – já houve menção do retorno da CPMF.

Opção que não resolve os determinantes estruturais do desequilíbrio fiscal e seus efeitos deletérios sobre a economia.

Quanto a estabilidade monetária, mesmo que a sinalização esteja na direção correta – autonomia para Banco Central e controle da inflação – acendeu a luz amarela ao indicar que pensa em utilizar reservas internacionais para reduzir dívida pública interna. Ou seja, propõe resolver um desequilíbrio interno abrindo um flanco de vulnerabilidade externa. Corremos o risco de adquirir uma vulnerabilidade externa e manter um desequilíbrio interno.

E para a segurança jurídica pouco ou nada se falou. Outra luz amarela.

Nossa regulação está enviesada – as agências reguladoras estão reféns de feudos políticos.

Se esse viés não for eliminado a retomada do investimento permanecerá adiada. Sem ele não adquiriremos o fôlego necessário para seguir as tendências da economia mundial e muito menos para retomar a trajetória do crescimento sustentável.

Falar o que precisa ser feito não garante que se fará o que precisa ser feito.

A economia precisa de atitudes que a libertem da paralisia que está.

O Parlamento também ajudaria muito o Executivo se também tiver atitude de Estado ao invés do fisiologismo habitual.


Arilda Teixeira é economista e professora da Fucape


Leia mais
Empresas de Alto Crescimento no Brasil (EACs) – 1ª Parte
Empresas de Alto Crescimento (ECAs) – 2ª parte

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!