Situação em Moçambique continua dramática, diz cônsul

O ciclone Idai destruiu a cidade de Beira, em Moçambique, e seguiu para o imbábue e Malaui. - Foto: Adrien Barbier/AFP

A ONU já considera que o ciclone pode ter sido o “pior desastre climático que se abateu sobre o hemisfério sul”

Quatrocentos e trinta pessoas morreram em Moçambique, Zimbábue e Malaui pelo ciclone Idai, segundo os dados oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU). Até o momento, foram computados 1.432 feridos no desastre climático.

O pastor e cônsul de Moçambique no Brasil, Adilson Neves, cuja atuação no Espirito Santo, no Paraná e em Santa Catarina, disse que é uma tragédia. “A situação é dramática. Ainda é difícil saber com exatidão os danos do ciclone em toda a extensão”, afirmou.

Ciclone Idai passou no distrito de Buzi, perto de Beira, em Moçambique — Foto: Reuters/Siphiwe Sibeko

O cônsul reforçou que a destruição foi tamanha e que o esforço também será enorme. “Temos uma destruição de Beira, a cidade mais atingida, em 90%, o que exigirá de um país pobre, um sacrifício muito grande nas próximas semanas, meses e até anos. Estamos acompanhando e observando diversas igrejas do Brasil ajudando, através das missões que atuam no país. Hoje, as ajudas internacionais maiores estão sendo enviadas pela ONU e pala Cruz Vermelha. Há ajudas dos governos Britânico, da Alemanha, de Portugal e do Brasil, que se manifestaram em colaborar, enviando recursos humanos, materiais e liberação de recursos financeiros”, relatou.

Tragédia

O ciclone Idai passou no Moçambique na última quinta-feira (14). Ele destruiu a cidade portuária de Beira, a segunda maior de Moçambique, com ventos de mais de 177 km/h, seguidos de chuvas torrenciais. Várias localidades ficaram inundadas. Depois, o ciclone seguiu para os países vizinhos Zimbábue e Malawi.

O ciclone já é considerado a maior tempestade tropical a atingir a região nas últimas décadas e a pior por ter atingido o sudeste do hemisfério sul.

Mais de 15 mil pessoas aguardam resgate. – Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters
AÇÃO E ORAÇÃO

O pastor reforçou que nesse momento é necessário orar pelo povo de Moçambique. “O que precisamos neste momento é oração e ação. Há diversas igrejas brasileiras que estão se mobilizando, mas é muito importante que haja mais socorro, seja em recursos financeiros, e ainda em ajuda com suprimentos médicos, água e medicamentos. Profissionais de saudê com coração missionário são muito bem vindos”, apelou Neves.

DOAÇÕES

Quem desejar ajudar o país com doações em dinheiro pode enviar qualquer quantia para a conta abaixo:

Banco Comercial de Investimentos
Conta N° 76160424 10 001
Conta Solidariedade
SWIFT CODE CGDIMZMA

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!