23.8 C
Vitória
domingo, 27 setembro, 2020

Será mesmo um novo normal?

Mais Artigos

Congresso Nacional

O que se observa hoje é que o tempo político, a necessidade de continuidade de posições políticas eleitoreiras de vários membros do Congresso e até da presidência da república

Economia brasileira: vítima dos personalismos de governo

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6 Por Arilda Teixeira Aqueles que acreditam que a combinação de república democrática com economia...

Cuidado com a imagem da sua empresa!

Uma organização, pequena ou grande, está baseada primordialmente naquilo que é o seu objetivo

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus

Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas

Será que após esse período desafiador que estamos passando, as pessoas serão profundamente tocadas e mudarão de fato?

Neste período intenso de reclusão, muitas mudanças nos foram impostas para que pudéssemos sobreviver a esse mundo temeroso diante da pandemia do Covid-19. Muitos falam que quando passarmos pela fase mais crítica, nos depararemos com um “novo normal”: as pessoas serão diferentes, assim como as relações entre elas, com a natureza e o mundo no geral, serão alteradas. Mas será mesmo que isso acontecerá?

Será que após esse período desafiador que estamos passando, as pessoas serão profundamente tocadas e mudarão de fato? Ou será que passado algum tempo, quiçá pouquíssimo tempo, as pessoas voltarão à mesma forma que viviam antes ou até mesmo, com intensidades ainda maiores que os afastem da perspectiva positiva que hoje estamos idealizando?

Penso que no ambiente empresarial algumas coisas de fato vieram para ficar: a relação com a tecnologia e os ambientes digitais, as videoconferências, que certamente provaram que podem gerar uma grande economia de tempo e de recurso, especialmente aquele relacionado às viagens de negócios. Os aspectos educacionais e a forma de se consumir conhecimento, provando que há alternativas para além da presencial que podem se complementar e que se mostraram eficazes. Atividades em home office, que para algumas empresas e para alguns tipos de profissionais, têm se mostrado extremamente eficazes, considerando um alto índice de produtividade e com grandes perspectivas de economias com espaços físicos nas empresas.

Uma atenção especial à esse ponto, entretanto, quero introduzir: há de se olhar com atenção o benefício desse novo formato, considerando as condições da atividade de cada profissional, bem como condições particulares dele e o “preço que ele está pagando” para conseguir de fato ser produtivo. Para alguns, um benefício enorme, e uma grande satisfação! Para outros, um enorme sacrifício, e um preço que não sabemos ainda o resultado que poderá gerar!

Tenho acompanhado de perto executivos, profissionais dos mais diversos segmentos, relatando neste período uma exaustão extrema, uma intensidade ainda maior de trabalho e vários com bastante dificuldade de manter o equilíbrio emocional, em especial por não conseguirem separar as relações e os espaços pessoais, profissionais, por não conseguirem fazer uma autogestão, exigindo de si mesmo uma intensa produtividade e entrega no trabalho, o que tem impactado até mesmo o pouco tempo de qualidade que antes tinham com seus familiares.

Vejo também, em uma proporção menor, talvez pelo público que lido com maior frequência, profissionais fazendo muito bom uso do home office, conseguindo ter uma relação mais próxima com os filhos, sentindo-se mais produtivos por terem um ambiente que consideram mais confortável e com maior aproveitamento do tempo antes utilizado com deslocamentos, por exemplo. É… As pessoas são mesmo muito diferentes e singulares! Há de se ter um olhar muito particularizado para isso!

Tenho minhas dúvidas se de fato, após um tempo em convívio intenso em casa, se as relações afetivas serão mais preservadas e priorizadas. Nessa mesma ordem, tenho dúvidas se haverá uma consciência maior quanto à preservação da natureza, manutenção das belas ações solidárias e valorização das relações pessoais e profissionais.

Apesar de muito se falar sobre uma nova reflexão quanto a forma de se viver, percebo que se não cuidarmos poderemos perder uma grande oportunidade, talvez única, na nossa geração, de mudar de forma significativa a nossa relação com o mundo. Temo que isso não ocorra, mas ao mesmo tempo tenho esperança, que ao menos para algumas pessoas, elas possam perceber que não precisam ser vítimas e sim protagonistas da sua história e que portanto, podem impactar as pessoas que estão ao seu redor, a sua comunidade e por consequência, a sua colaboração por um mundo melhor.

Que tal então aproveitarmos o momento para fazer uma boa reflexão e nos comprometermos em fazer a nossa parte para construir um mundo onde as pessoas possam valorizar mais a espiritualidade, as suas relações afetivas, a sua relação com a natureza, com o consumo, buscando novas alternativas para sermos produtivos, gerando um grande impacto social e econômico que poderá contribuir para as próximas gerações?

Danielle Quintanilha Merhi é Sócia da UTZ Soluções para Empresas Familiares, é Psicanalista, Especialista em Psicologia Organizacional e Mestre em Administração. Atua com desenvolvimento de CEOs, executivos, herdeiros e dedica-se a assessorar empresas familiares em processos de sucessão, conflito e coesão familiar. Atua em todo País como Professora convidada da Fundação Dom Cabral (FDC), é Vice-Presidente do Conselho Deliberativo da ABRH Brasil. Autora do livro: “Família Empresária: vamos dialogar?”.

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Agências da Caixa não abrem neste sábado

Diferentemente das últimas três semanas, as agências da Caixa Econômica Federal não abrirão neste sábado (26) para saques do auxílio emergencial e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Economia: pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Broadcast

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

O 3º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado hoje (22), em Brasília, pela Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), foi estimado em 61,6 milhões...

Vida Capixaba

Cirurgia inédita no Estado para tratar tumores de pulmão

O procedimento é inovador! Chamado de lobectomia uniportal por vídeo, o procedimento será realizado no dia 26 de setembro. 

Farol Santa Luzia e Igreja do Rosário são reabertos com novas regras de visitação

A reabertura dos pontos turísticos capixabas acontece aos poucos e na última quarta feira (23) mais dois, localizados em Vila Velha, reabriram para visitação depois de ficarem fechados por meses, em consequência da pandemia do novo Coronavírus.

Difícil controlar o estresse na pandemia?

Na semana em que se comemora o dia Dia Mundial de Combate ao Estresse (23) resultados de estudos comprovam que nos últimos seis meses, devido à pandemia do COVID, a demanda por medicamentos para estresse, depressão e insônia, aumentou.

Terminam hoje inscrições para II Encontro Capixaba de Pesquisa em Educação Ambiental

Voltado para estudantes, pesquisadores, professores e demais educadores ambientais, o encontro será realizado de quarta-feira (23) a sexta-feira (25) de forma virtual devido às medidas de prevenção ao novo Coronavírus (Covid-19).