23.3 C
Vitória
sábado, 25 maio, 2024

Seminovos respondem por 44,5% das compras via consórcio

Tíquete médio de R$ 63 mil é insuficiente para comprar um carro zero

Por Kikina Sessa

A participação dos seminovos no segmento de automóveis e comerciais leves saltou de 19,4% para 45,5% em 10 anos – de 2014 para 2023 -, aproximando-se, assim, da metade dos negócios propiciados pela modalidade. Os dados são da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio (Abac).

- Continua após a publicidade -

“No ano passado, do total de 682 mil veículos leves negociados com crédito de contemplação, 303,1 mil tinham de um a três anos de uso caracterizando-se, assim, como seminovos”, revela a Abac com base na pesquisa realizada pela Kantar.

Dentre as vantagens do consórcio, o economista da entidade, Luiz Antônio Barbagallo, diz que os pesquisados destacaram “um jeito de guardar dinheiro”, a possibilidade de compra planejada e a flexibilidade na hora de escolher o bem. Ou seja, quando da contemplação, o consorciado pode dar uma destinação ao dinheiro diferente da originalmente planejada.

Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac, diz que muitos consorciados hoje já optam diretamente por planos que objetivam a compra de um seminovo: “Mas outros vislumbram essa oportunidade na hora da contemplação”.

Um indicativo de que o consorciado já pensa em um usado na hora de contratar o consórcio é o tíquete médio no segmento de leves. Apesar da alta de 10% em um ano, de R$ 57,3 mil para R$ 63 mil, o valor é insuficiente para se adquirir um modelo 0 km, que hoje está na faixa de R$ 70 mil no caso dos modelos de entrada, como Fiat Mobi e Renault Kwid.

Balanço 

A Abac também divulgou o balanço do sistema de consórcio no Brasil no primeiro bimestre deste ano. Considerando todos os segmentos veiculares, os negócios atingiram mais de R$ 26 bilhões, com alta acima de 10% sobre o mesmo período de 2023.

As contemplações avançaram 6,9%, atingindo 250,8 mil entre janeiro e fevereiro de 2024. Dos 8,21 milhões de consorciados ativos em veículos automotores, 55,4% participavam dos grupos de veículos leves, 35% nos de motocicletas e 9,6% nos de veículos pesados. A venda de novas contas no primeiro bimestre manteve-se estável, na faixa de 494 mil.

No segmento de leves, o número de participante ativos cresceu 8,5% no comparativo interanual, chegando a 4,55 milhões em fevereiro, e o volume de créditos comercializados teve alta de 11,7%, para R$ 16,2 bilhões.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA