23.2 C
Vitória
terça-feira, 25 junho, 2024

Retrospectiva 2022 – Comércio varejista foi melhor no primeiro semestre

Medidas para controle da inflação, essenciais para dar atenuar as taxas de juros, contribuíram para a perda de fôlego das vendas no varejo

A Federação do Comércio do Espírito Santo (Fecomércio-ES), por meio da Gerência de Projetos, informa que o desempenho das vendas do setor, no Estado, foi significativamente positivo no primeiro semestre de 2022 no comparativo com o resultado do ano anterior. A percepção incide sobre as duas modalidades de comércio – restrito e ampliado –, analisadas na Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A partir do segundo semestre, ressalta a Fecomércio, as vendas desaceleraram. Ainda assim, esclarece a gerência, de janeiro a outubro, as compras do consumidor no comércio restrito cresceram 6,4%. Já no comércio ampliado (vendas de veículos, motocicletas, partes e peças e materiais de construção), que em 2021 avançou dois dígitos (+13,6%), a desaceleração foi mais severa na segunda metade do ano, o que resultou em estabilidade no acumulado de janeiro a outubro no confronto com o mesmo período de 2021. Houve leve variação negativa, de 0,3%.

- Continua após a publicidade -

Para os analistas da Fecomércio, certamente, o que contribuiu para a perda de fôlego das vendas foram as medidas para controle da inflação, as quais, mesmo com a trégua no terceiro trimestre, não se mostraram suficientes para produzir baixa nas taxas de juros. Com isso, o crédito ficou mais caro e o endividamento subiu, pois os débitos já adquiridos também registraram mais custos. Os segmentos mais dependentes desse recurso, especialmente, foram mais impactados.

Avanço

Retrospectiva 2022 - Comércio varejista foi melhor no primeiro semestre
No Espírito Santo, o ambiente de negócios permanece favorável, sendo foco de investimento e desenvolvimento – Foto: Jhonatan Blendon

Apesar desse cenário, a Fecomércio acredita que o comércio capixaba feche o ano de 2022 com um avanço importante em relação a 2021, continuando a sequência de resultados anuais positivos. O último trimestre é um período que costuma registrar maiores vendas, pois concentra datas de grande movimento, como Black Friday e Natal. Neste ano, ocorreu também a Copa do Mundo, que impulsionou as compras do consumidor. As previsões de vendas na Black Friday e com o Mundial de futebol foram de R$ 95 milhões e R$ 33 milhões, respectivamente.

Apesar da dinâmica do setor em 2022, as vendas do comércio do Espírito Santo permaneceram em nível bem acima do patamar pré-pandemia: comparando com fevereiro de 2020, o indicador de outubro subiu 14,1%. Mesmo diante de um cenário desafiador, destaca a gerência, a performance deverá, portanto, ser positiva no fechamento do exercício. Para esse resultado, as medidas de incremento à renda, assim como a retomada do mercado de trabalho, foram fundamentais.

No entanto, a alta da inflação, provocada pelos desdobramentos do pós-pandemia e da guerra no continente europeu, e o consequente aumento dos juros arrefeceram o crescimento no segundo semestre.

Apesar de ter dado trégua no terceiro trimestre, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – a inflação oficial – voltou a subir em outubro. Essas variáveis influenciam diretamente o poder de compra e o nível de endividamento da população.

Mais e menos vendidos

Retrospectiva 2022 - Comércio varejista foi melhor no primeiro semestre
Segmentos mais dependentes de recurso de crédito foram mais impactados – Foto: Jhonatan Blendon

Nesse contexto, de acordo com a Gerência de Projetos da Fecomércio, em relação ao impacto específico nos segmentos, no acumulado de janeiro a outubro de 2022, dos 10 analisados na PMC, os que mais cresceram em relação ao mesmo período do ano passado foram: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (50,5%) e combustíveis e lubrificantes (15,6%). Por outro lado, os que mais se destacaram negativamente foram: veículos, motocicletas, partes e peças (-8,4%) e móveis e eletrodomésticos (-4,6%).

Empresas e empregos

O comportamento do mercado, obviamente, reverberou no número de empregos no setor. Em 10 meses de 2022, o Espírito Santo registrou a criação (saldo líquido entre admissões e demissões) de 48.117 postos de trabalho com carteira assinada. Os setores de serviços (+26.212) e comércio (+7.023), juntos, foram responsáveis por cerca de 70% da geração de empregos formais no período.

Segundo a Junta Comercial do Espírito Santo (Jucees), de janeiro a outubro de 2022, o número de empresas abertas, em todo o Estado, chegou a 7.555, resultado de uma movimentação de 15.937 constituições contra 8.382 extinções. Os dados referentes somente a lojas não tinham sido consolidados até o fechamento desta matéria.

Mudança de hábito

Uma das tendências que foram aceleradas na pandemia e que continua na pauta dos lojistas é a compra digital. A modalidade mostrou que a conexão e a comodidade passaram a fazer parte das novas relações entre os consumidores e vendedores, não só com um e-commerce mais estruturado, mas também com soluções simples, como fazer a compra por WhastApp, pagar por Pix e receber a entrega do produto.

A praticidade dos meios on-line, adquirida numa época em que não se podia ir até as lojas físicas, veio para ficar. Partindo desse contexto, os setores de vendas aprimoraram também as formas de interagir com o seu cliente no modelo virtual para entender o perfil e as preferências desse consumidor, já que a leitura presencial dessas características ficou comprometida. Os recursos das mídias sociais então passaram a ser também mais utilizados para promover essa interação.

As experiências de atendimento e compra ficaram ainda mais valorizadas. Além disso, antes de comprar em lojas físicas, a maioria dos consumidores, hoje, busca informações sobre o produto na internet. As vendas físicas continuam representando o maior volume, mas o recurso digital se tornou imprescindível para complementar e valorizar a experiência do consumidor.

Serviços

Retrospectiva 2022 - Comércio varejista foi melhor no primeiro semestre
Antes de comprar em lojas físicas, a maioria dos consumidores busca informações sobre o produto na internet

O setor de serviços capixaba, mesmo com os altos e baixos, de janeiro a setembro de 2022 acumulou crescimento de 9,4% em relação ao mesmo período de 2021. Além disso, encontra-se 19,5% acima do patamar de fevereiro de 2020, mês pré-pandêmico.

Observa-se que 2022 está sendo um ano de readequação do nível da atividade e, por isso, permanece com mais volatilidade nas variações mensais. Mesmo apresentando recuo em julho e agosto, o setor voltou a subir em setembro. A expectativa é que o consumo de serviços continue avançando com as festividades e os eventos de final de ano.

Expectativa para 2023

O terceiro vice-presidente do Sistema Fecomércio/ES, Sesc e Senac, José Carlos Bergamin, aponta expectativas otimistas para o setor em 2023. “O Brasil tem alguns desafios e decisões importantes relacionados a investimentos, que irão pautar sua capacidade de contornar essas questões.

Um exemplo é a continuidade das medidas para o controle da inflação, que são essenciais para dar condições de atenuar as taxas de juros e permitir um crescimento com maior ritmo, tanto dos investimentos quanto do consumo das famílias, promovendo um maior dinamismo e o crescimento da atividade econômica”, salientou.

No Espírito Santo, complementou, o ambiente de negócios capixaba permanece favorável, sendo foco de investimento e de desenvolvimento. “Esse contexto traz um ambiente de boas perspectivas para 2023.”

Supermercados

Além da inconstância nos preços dos produtos, provocada pela inflação, outro fator marcou os supermercados do Espírito Santo, em 2022: o retorno da Acaps Trade Show, feira realizada entre 20 e 22 de setembro, no Pavilhão de Exposições de Carapina, na Serra. Para o reeleito presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), Fábio Dalvi, a intensa agenda, mais uma vez, cumpriu o papel do evento.

“É uma oportunidade única para conhecer as novidades do varejo, fazer networking e ainda fechar negócios. A feira é fruto do trabalho de uma equipe empenhada, dedicada e altamente profissional, que busca sempre reunir o que há de melhor para permitir atualização e conhecimento. Estamos felizes com o resultado do evento e com tudo o que ele propiciou aos participantes”, pontuou o dirigente. Fábio Dalvi adianta que, em 2023, a Acaps Trade Show será entre os dias 26 e 28 de setembro.

Ele enumera como prioridades para os próximos dois anos à frente da Acaps o investimento, o apoio e o desenvolvimento da equipe de gestão; o aumento da participação da diretoria nas decisões estratégicas; e o relacionamento com o associado. “É preciso buscar um entendimento de que a entidade não é algo alheio ao nosso negócio, e sim que faz parte dele. A associação é nossa, é do associado.”

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA