27.2 C
Vitória
sexta-feira, 14 agosto, 2020

5 razões para realização da reforma da previdência

Leia Também

SP registra 686.122 casos confirmados da covid-19 e 26.613 óbitos pela doença

Segundo Gorinchteyn, o índice de ocupação dos leitos de UTI é de 57,8% no Estado e de 56,4% na região metropolitana da capital

Planos de saúde vão cobrir exames para detecção do novo coronavírus

Os exames poderão ser feitos nos pacientes com síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave (SRAG)

Virou lei: Síndicos terão que enviar denúncias de agressões às autoridades

Mais um passo importante no enfrentamento à violência contra os mais vulneráveis na Capital. A lei nº 9.653/2020, de autoria do vereador Wanderson Marinho (PSC), ...

Para CNI, quanto mais o país adia as mudanças no sistema de aposentadorias, maiores são os prejuízos para a população

Nos próximos dias, o governo deve apresentar ao Congresso Nacional uma nova proposta de reforma da Previdência. A expectativa é que as mudanças sejam aprovadas ainda no primeiro semestre deste ano. A urgência se justifica: quanto mais o país adia a reforma, maiores são os custos para a população. Só no ano passado, o rombo nas contas da Previdência atingiu R$ 290,3 bilhões, valor 8% superior ao de 2017, sem considerar a inflação.

Se o Brasil tivesse feito a reforma em junho de 2017, teria economizado até a terça-feira, 5 de fevereiro, mais de R$ 6,2 bilhões, o que contribuiria para reduzir o rombo das contas públicas e abriria espaço para investimentos em outras áreas. Com a economia, seria possível, por exemplo, construir 1.497 escolas, 249 hospitais ou, ainda, 98.845 moradias populares, informa o Previdenciômetro, ferramenta da Confederação Nacional da Indústria (CNI) atualizada a cada segundo e que mostra ao país a importância da reforma.

Para a CNI, as mudanças na Previdência são cruciais para garantir o equilíbrio das contas públicas, assegurar o pagamento das aposentadorias no futuro e promover o crescimento da economia e a criação de empregos. Veja 5 motivos que tornam a reforma da Previdência inadiável:

1. A população envelhece rapidamente
Com o aumento da expectativa de vida e a queda da taxa de fecundidade, a população brasileira está envelhecendo muito rapidamente e, em pouco tempo, haverá mais pessoas recebendo benefícios do que contribuindo com a Previdência. Isso inviabilizará o sistema e ameaçará o pagamento das pensões e aposentadorias. Cálculos do governo mostram que, em 2016, 52,1 milhões de brasileiros contribuíram para a Previdência e havia 33,2 milhões de aposentados. Para cada pessoa que recebia a aposentadoria, havia pouco mais de 1,5 contribuinte. Mas as projeções indicam que, sem a reforma da Previdência, em 2050, o número de contribuintes cairá para 43,9 milhões de pessoas e haverá 61 milhões de aposentados. Ou seja, haverá mais pessoas recebendo aposentadorias do que contribuindo com a Previdência.

2. Os brasileiros se aposentam cedo
A expectativa de vida no Brasil subiu de 69,8 anos, em 2000, para 76 anos, em 2017, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo com o envelhecimento acelerado da população, os brasileiros se aposentam mais cedo que nos demais países. Por aqui, a idade média de aposentadoria dos trabalhadores homens da iniciativa privada é de 59,4 anos. No Chile, é de 70,9 anos e, no México, de 72 anos.

3. O rombo nas contas não para de crescer
Com o rápido envelhecimento da população, o dinheiro arrecadado dos contribuintes é insuficiente para cobrir os gastos com o pagamento das aposentadorias e pensões. Em 2018, o déficit da Previdência Social somou R$ 290,3 bilhões.

4. Os gastos se multiplicam
Os gastos com Previdência e assistência representam aproximadamente metade das despesas da União. As projeções indicam que, sem a reforma, em 2026, os gastos serão equivalentes a 82% das despesas públicas e sobrará pouco para o governo aplicar em outras áreas, como saúde e educação. Neste ano, conforme o orçamento da União, os gastos do governo federal com a Previdência devem alcançar R$ 767,8 milhões, ou 53,4% das despesas totais. Isso representa o triplo das despesas previstas com educação, saúde e segurança pública, que somarão R$ 228 bilhões, ou 15,86% do total orçado.

5. O prejuízo é de todos
O crescimento explosivo dos gastos com a Previdência desequilibra as contas públicas. Para fazer frente às despesas, o governo é obrigado a reduzir os investimentos em outras áreas, como infraestrutura e pesquisa, ou aumentar os impostos. Além disso, o desequilíbrio das contas públicas aumenta a desconfiança dos investidores sobre a capacidade de o país honrar com o pagamento da dívida. Assustados, eles adiam projetos, o que prejudica o crescimento da economia e a criação de empregos.

*Da redação com informações da Confederação Nacional da Indústria

Matéria AnteriorFalácias
Próxima MatériaFoletto assume secretaria de Agricultura
Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Com pandemia, Brasil tem queda recorde da atividade no 2º trimestre

Os dados do BC já levam em conta os ajustes sazonais, o que permite a comparação de um trimestre com os três meses imediatamente anteriores

Idaf realiza ação educativa na Ceasa/ES

Com o objetivo de conscientizar produtores rurais e compradores sobre a importância do Serviço de Inspeção Oficial nos produtos de origem animal, o Instituto...

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Setor de serviços cresce 5% de maio para junho, diz IBGE

O volume de serviços no país cresceu 5% em junho na comparação com o mês anterior. A alta veio depois de quatro quedas consecutivas...

Vida Capixaba

Novas passarelas de pedestres em Viana

A Eco101 iniciou as obras para a implantação de mais três passarelas de pedestres na BR-101/ES/BA, totalizando 19 estruturas ao longo da rodovia. Atualmente, existem...

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...
Continua após publicidade