21 C
Vitória
quinta-feira, 25 DE julho DE 2024

RCN: objetivo do BC é combater inflação com “pouso suave”

Campos Neto voltou a dizer que o aperto monetário foi necessário para controlar a inflação

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu na última sexta-feira (11) que o objetivo da instituição é fazer um “pouso suave” no combate à inflação.

“Nosso objetivo é trazer a inflação para baixo, criando o mínimo possível de decréscimo em crescimento, emprego e crédito. Poucos países conseguiram trazer a inflação para baixo como o Brasil trouxe, com revisão de crescimento do PIB para cima, redução de desemprego e recuo pequeno no crédito”, reiterou, em palestra na Associação Comercial do Paraná, em Curitiba.

- Continua após a publicidade -

Luta contra inflação não acabou

O presidente do Banco Central reafirmou que o Brasil é um dos poucos países que está dentro das bandas de suas metas de inflação para os próximos anos. Segundo ele, o mercado vê queda mais forte de juros em países que anteciparam aperto, como Brasil.

“Os países que fizeram um trabalho mais rápido e mais intenso são os países em que o mercado começa a enxergar uma queda de juros mais consistente, como o Brasil e o Chile”, repetiu, em palestra na Associação Comercial do Paraná, em Curitiba.

Campos Neto repete a apresentação feita quinta (10) no plenário do Senado e sexta (11) pela manhã em outro evento em Curitiba. “Estamos em processo de desinflação, mas luta contra inflação não acabou. Queremos ter certeza de que vamos ter condições de estabilizar a inflação em nível baixo”, voltou a alertar.

Gasto público

O presidente do Banco Central disse que, mesmo a aprovação do novo arcabouço fiscal, o crescimento do gasto público previsto no Brasil nos próximos anos é bem maior que a média da América Latina.

“Em 2023 o crescimento real da despesa no Brasil é de 7,5% contra 1% na América Latina. Para o período entre 2024 e 2028, está projetado para ter um (aumento de) gasto muito maior que a média do mundo emergente. Mesmo com o arcabouço fiscal, existe um desafio adicional para termos gastos em termos reais mais compatíveis com o resto do mundo”, afirmou, em palestra na Associação Comercial do Paraná, em Curitiba. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA