25.6 C
Vitória
terça-feira, 29 setembro, 2020

O Brasil é “Rododependente”

Leia Também

4.500 oportunidades de conquistar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH)

Na manhã desta segunda-feira (28), o governador do Estado, Renato Casagrande, lançou a 2ª fase do programa CNH Social, desenvolvido pelo Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES).

STF tem 4 ministros a favor da reserva de verbas para candidaturas negras

"A conquista da igualdade do voto, no mundo todo, foi essencial e necessária para o combate e a diminuição de todas as formas de discriminação, porém não suficiente", disse Moraes

Aulas presenciais para o Ensino Médio da Rede Estadual retornam no próximo dia 13

Revezamento, inquérito sorológico e sinalização de ambientes estão entre as medidas adotadas pelo Governo do Estado no retorno às aulas, previsto para o dia 13 de outubro. 

A paralisação de parte considerável dos caminhoneiros e as consequências para a sociedade brasileira revela duas dimensões distintas, mas complementares: a estrutural e a conjuntural. Vejamos.

Estruturalmente, o país optou, há uns 50 anos, pela prioridade do modal rodoviário. Tal escolha deixou em patamares inferiores a possibilidade de construção e utilização de ferrovias e hidrovias. Privilegiar a rodovia em detrimento do modal ferroviário ou hidroviário nos tornou “rododependentes”, quase tudo, tudo mesmo, necessita do petróleo – gasolina e diesel – e  do asfalto para ser transportado no Brasil. Investimos pouco em infraestrutura e em melhoria da logística e, quando investimos, só reforçamos a “rododependência”. O já conhecido “custo Brasil” é elevadíssimo, sobretudo, pela ineficiência de nosso modais, encarecendo os preços ao consumidor final. Deveríamos aproveitar o ano eleitoral para questionar os postulantes ao Planalto quais seus planos, suas metas, mas, não, o quadro político é assaz apequenado, para não dizer medíocre. Os interesses econômicos da indústria automobilística, das transportadoras, das empreiteiras que constroem estradas conjugadas à estreiteza de visão de nossa classe política bate, hoje, à nossa porta. E voltará a bater.

Em termos conjunturais o cenário não poderia ser pior. Caminhoneiros autônomos – que muitos indicam ter iniciado o movimento – são, realmente, uma classe de trabalhadores que merece respeito, admiração e melhores condições de laborar. No entanto, não se deve, em nada, esquecer da marca indelével dos interesses da classe patronal que, aproveitando-se da fraqueza do governo Temer, usou mais de chantagem do que de negociação. Parece que o foco está, no momento, na política de preços da Petrobras, que tem foi adotada por Pedro Parente, para acompanhar as flutuações do mercado, sem intervenções políticas e populistas. Parente e os demais executivos da Petrobras empreenderam um homérico esforço para sinalizar ao mercado que os tempos da ingerência política se foram e conseguiram sanear uma organização que se encontrava arrebentada. O governo, no dia 24 de maio, anunciou acordo com as principais lideranças do movimento, mas, no dia 25, nada se apresenta como melhora do quadro de crise e angústia. Temer, há pouco, aventou a possibilidade de intervenção das forças armadas e policiais para garantir a liberação das estradas que, por si só, é parte do problema, pois os caminhoneiros liberam a passagem, mas podem continuar a paralisação e não transportar comida, combustível, remédios e oxigênio para os hospitais. Frotas de ônibus e viaturas das polícias e ambulâncias estão diminuindo sua frequência nas ruas. Os políticos, muitos meros aproveitadores da desgraça, querem, neste ano político, pisotear a população, colocando, como de costume, seus interesses acima dos interesses de toda uma sociedade. Não nos enganemos: se o combustível está caro, o frete aumenta de valor e isso chega ao consumidor, sempre. Se o governo diminuir impostos para uma categoria, cobrará, depois, de todos os contribuintes. Não tem solução mágica ou simplista. O governo Temer se curvou e atendeu às postulações e, ainda assim, o temor não cessa.

Não faz muito, em resposta à jornalista que me questionou como deveria um pai se comportar com a falta de comida para um filho, ou remédios, tive que respirar e responder: devemos ter paciência, buscar a manutenção de nossos direitos na Justiça, se for o caso;  agir com inteligência, não usar de violência. Não podemos, por legítimo que seja a reinvindicação de uma categoria, qualquer que seja, ficarmos reféns, cerceados, desprovidos de nossas liberdades, de nossos direitos. Mas, sabemos, a paciência pode acabar.

Rodrigo Prando é cientista político da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP)

- Publicidade -

Matérias relacionadas

4.500 oportunidades de conquistar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH)

Na manhã desta segunda-feira (28), o governador do Estado, Renato Casagrande, lançou a 2ª fase do programa CNH Social, desenvolvido pelo Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES).

STF vai julgar ação do PT que obriga governo a adotar medidas contra queimadas

De 1.º de janeiro a 31 de agosto deste ano, foram registrados pelos satélites do instituto um total de 10.153 focos de incêndio na região

STF tem 4 ministros a favor da reserva de verbas para candidaturas negras

"A conquista da igualdade do voto, no mundo todo, foi essencial e necessária para o combate e a diminuição de todas as formas de discriminação, porém não suficiente", disse Moraes

Aulas presenciais para o Ensino Médio da Rede Estadual retornam no próximo dia 13

Revezamento, inquérito sorológico e sinalização de ambientes estão entre as medidas adotadas pelo Governo do Estado no retorno às aulas, previsto para o dia 13 de outubro. 

Estado de São Paulo volta a ter queda de mortes por covid-19

Nesta segunda-feira, 28, o Estado de São Paulo contabiliza no total 35.125 mortes por covid-19 e 973.142 casos confirmado

Fogo atinge lado brasileiro da Serra do Amolar e pode chegar à Bolívia

Agora, o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul está disponibilizando aeronaves grandes para atuarem em conjunto", contou Letícia

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Economia: pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Broadcast

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

O 3º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado hoje (22), em Brasília, pela Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), foi estimado em 61,6 milhões...

Valor Bruto da Produção Agropecuária deve ser recorde de R$ 823 bi, diz CNA

Outros fatores que podem influenciar o indicador do setor são o aumento de 4,3% na produção, a alta de 18,7% nos preços

Vida Capixaba

Retorno de cirurgias eletivas impulsiona crescimento das plásticas

O aumento da procura por cirurgias atinge todas as faixas etárias e principalmente os jovens.

Doenças tireoidianas no idoso e a associação entre Covid-19 e a tireoide fazem parte de evento científico

De 30 a 31 de outubro ocorrerá o 19º Encontro Brasileiro de Tireoide (EBT), pela primeira vez online, em razão da pandemia da covid-19....

Cirurgia inédita no Estado para tratar tumores de pulmão

O procedimento é inovador! Chamado de lobectomia uniportal por vídeo, o procedimento será realizado no dia 26 de setembro. 

Farol Santa Luzia e Igreja do Rosário são reabertos com novas regras de visitação

A reabertura dos pontos turísticos capixabas acontece aos poucos e na última quarta feira (23) mais dois, localizados em Vila Velha, reabriram para visitação depois de ficarem fechados por meses, em consequência da pandemia do novo Coronavírus.
Continua após publicidade