25.5 C
Vitória
quarta-feira, 17 DE julho DE 2024

Lula defende ‘lisura’ das eleições na Venezuela

Em fala a jornalistas durante encontro com o presidente espanhol Pedro Sánchez, Lula saiu em defesa do regime de Nicolás Maduro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 6, que não se pode jogar dúvidas sobre a lisura do processo eleitoral na Venezuela antes que ele ocorra. Segundo o chefe do Executivo, o país vizinho sabe que precisa ter eleição “altamente democrática” para reconquistar espaço no mundo.

“(Presidente da Venezuela, Nicolás) Maduro disse que vai convocar todos os olheiros do mundo que quiserem assistir ao processo eleitoral na Venezuela (…), não pode jogar dúvida antes das eleições acontecerem. Temos que garantir presunção de inocência até que haja as eleições”, disse, após se reunir com o presidente da Espanha, Pedro Sánchez, filiado ao partido socialista.

- Continua após a publicidade -

A autoridade eleitoral da Venezuela informou nesta terça-feira, 5, que as eleições presidenciais ocorrerão em 28 de julho, data em que se celebra o aniversário de Hugo Chávez, ex-presidente do país e que faleceu em 2013. Não houve, no entanto, menção às candidaturas opositoras mais competitivas que foram inabilitadas, especialmente de María Corina Machado. Espera-se que Maduro busque uma reeleição para um novo período de seis anos, embora ainda não tenha formalizado a sua candidatura.

Lula voltou a fazer um paralelo entre o cenário político do país vizinho e o que cahmou de “tentativa de golpe” feita pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores aqui no Brasil. Ele disse que “nem todo candidato que perde eleição aceita resultado”. “Espero que pessoas na eleição venezuelana não tenham o hábito do ex-presidente deste país”, afirmou. Em fala direcionada para Sánchez, Lula relembrou que Bolsonaro convocou embaixadores para insinuar que eleições não eram honestas.

Segundo o presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Elvis Amoroso, o período para postulação de candidaturas será de 21 a 25 de março. Já o período de campanha está previsto para ocorrer de 4 a 25 de julho. O cronograma inclui um período especial para o registro de eleitores, tanto dentro quanto fora do país, que ocorrerá de 18 de março a 16 de abril.

As datas foram definidas três dias depois de os legisladores venezuelanos terem proposto mais de 20 datas possíveis, desde meados de abril até dezembro. O anúncio também foi feito em um dia simbólico: ontem completaram 11 anos que Chávez morreu em decorrência de um câncer.

A ex-deputada María Corina Machado ganhou as primárias da principal coalizão opositora, a Plataforma Unitária, mas o Tribunal Superior de Justiça do país ratificou em 26 de janeiro a inabilitação política da candidata. Ela, porém, insiste em se lançar na corrida. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA