26 C
Vitória
quinta-feira, 11 agosto, 2022

Ipea eleva previsão de alta do PIB de 2022 para 1,8%

Na projeção publicada em 31 de março, as estimativas do PIB eram de aumento de 1,1% em 2022 e de 1,7% em 2023. Foto: Reprodução

Na projeção publicada em 31 de março, as estimativas do PIB eram de aumento de 1,1% em 2022 e de 1,7% em 2023

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou nesta quinta-feira, 30, sua estimativa para o desempenho da economia brasileira, que deve ter crescimento um pouco maior que o previsto neste ano, mas menor no próximo. A alta esperada no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2022 é de 1,8%, seguida de avanço de 1,3% em 2023. Na projeção publicada em 31 de março, as estimativas eram de aumento de 1,1% em 2022 e de 1,7% em 2023.

“Acreditamos que a economia tenderá a desacelerar ao longo do segundo semestre de 2022, devolvendo parte do crescimento observado na primeira parte do ano”, apontou o Ipea, na Carta de Conjuntura desta quinta-feira, 30.

Para este ano, o Ipea prevê estabilidade no PIB agropecuário (0,0%) e no industrial (0,1%), mas uma expansão de 2,8% nos serviços. Pela ótica da demanda, a expectativa é de alta de 1,6% no consumo das famílias e de 1,5% no consumo do governo. Por outro lado, a Formação Bruta de Capital Fixa (FBCF, medida dos investimentos no PIB) tombaria 2,8%. Quanto ao setor externo, é esperada uma elevação de 2,7% nas exportações, e queda de 2,6% nas importações.

“Em termos desagregados, pelo lado da oferta, esperamos que o crescimento do PIB em 2022 seja liderado pelo setor de serviços, cuja previsão de crescimento é de 2,8%. Acreditamos que o processo de fechamento do hiato dos segmentos mais fortemente atingidos pela crise sanitária continuará. A recuperação do setor de serviços deverá sustentar o bom desempenho dos indicadores de ocupação, gerando um efeito positivo na demanda doméstica”, escreveram os pesquisadores responsáveis pela Carta de Conjuntura do Ipea. “Pelo lado da demanda, mantemos a avaliação de que a absorção doméstica será determinante em 2022. A melhora significativa dos indicadores de mercado de trabalho, aliada ao impacto do Auxílio Brasil e outras medidas que estimulam a renda, acarreta impactos positivos sobre o consumo de bens e serviços”, completou o documento.

Quanto às projeções para 2023, o Ipea prevê avanços em todos os componentes da oferta: agropecuária (2,5%), indústria (1,0%) e serviços (1,4%). Pelo lado da demanda, a expectativa é de alta de 1,0% no consumo das famílias e de 1,5% no consumo do governo. A FBCF cresceria 3,0%. As exportações subiriam 3,8%, e as importações, 4,0%.

O Ipea espera que a taxa básica de juros, a Selic, atinja um pico de 13,75% ao ano na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, permanecendo nesse patamar até o final de 2022. Na projeção anterior, o instituto imaginava que a Selic terminal seria de 12,75%.

“A partir de 2023, a expectativa é que a taxa de juros seja reduzida e feche o ano em 10,00%”, prevê agora o Ipea, justificando que os juros acompanhariam “o movimento de queda nas taxas de inflação”.

O Ipea prevê que a inflação oficial no País, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE, encerre este ano em 6,6%, descendo a 4,7% em 2023.

O órgão projeta ainda que a taxa de câmbio fique estável entre o fim de 2022 e de 2023 em R$ 5,15.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade