23.3 C
Vitória
terça-feira, 16 abril, 2024

Exportações capixabas em outubro somam US$ 628,16 milhões

As exportações capixabas caíram 34,46% na variação mensal, minério de ferro (-19,86) foi responsável por 57% do resultado negativo

Por Amanda Amaral

As exportações capixabas totalizam US$ 628,16 milhões em outubro, uma queda de 34,46% com relação a setembro. Mesmo sendo responsável por maior parte das exportações (20,65%) no período, a retração na comercialização de minério de ferro (-19,86) corresponde a uma participação de 57% na contração mensal.

- Continua após a publicidade -

Desta forma, o Espírito Santo passou de 11º lugar para o 12º lugar entre os estados brasileiros que mais exportam. As informações foram divulgadas por meio da Resenha de Conjuntura elaborada pelo Instituto Jones Santos Neves (IJSN).

Participação capixaba

No acumulado de 2022, as exportações no Espírito Santo variaram -1,97%. Na comparação com outubro de 2021, a retração foi de -19,54%. O Brasil também registrou queda (-4,75%) na variação mensal, e a participação capixaba no total exportado pelo país caiu para 2,62% no período.

Minério de Ferro e celulose

Entre setembro e outubro, houve retração na exportação dos produtos básicos (-19,16%), produtos semimanufaturados (-10,34%) e produtos manufaturados (-4,96%).

Na variação mensal, minérios de ferro e seus concentrados apresentaram a maior contribuição relativa para a contração do período (-19,865), o que implica uma participação na retração de mais de 57%, mesmo continuando no topo do ranking dos mais exportados, com a maior participação (+ 20,65%) no total de outubro de 2022.

exportações capixabas
A equipe do IJSN analisou os dados referentes às exportações e importações do Estado. Foto: Divulgação

Em termos de valor, a queda foi de 59,48%. Já com relação ao volume, a redução foi de 52,23%. Isso implicou, segundo a análise do IJSN, na redução dos preços relativos em 15,17%.

“O minério de ferro e seus concentrados, atingiram valor máximo em julho de 2021, após o qual entrou em declínio, sobretudo devido às restrições impostas pela China no tocante à sua política de Covid Zero, que tem apresentado efeito contracionista nos preços de algumas commodities como o minério de ferro, dado que a China é o maior importador mundial do produto”, destaca a divulgação do Instituto.

O segundo pior desempenho entre outubro e setembro foi o da celulose (-8,22%). De acordo com o IJSN, neste caso, a queda maior se deu em termos de volume (-63,96%), o que implicou numa valorização do produto de +6,15%, sendo o único entre os principais itens da pauta do período a apresentar aumento nos preços relativos.

Países parceiros

Os Estados Unidos (33,12%) foi o principal destino das exportações capixabas em outubro de 2022. Em segundo lugar, a Malásia (13,05%). Em terceiro lugar, o Canadá apresentou participação de 8,39%, e em quarto lugar, a Argentina (7,77%).

Importações capixabas

Em outubro de 2022, as importações capixabas alcançaram US$ 801,32 milhões, crescimento de +5,02% frente ao mês anterior e +47,60% comparada a outubro de 2021. O crescimento foi puxado pela categoria de bens de capital (+12,56), de acordo com a análise do IJSN.

Entre os produtos importados pelo Espírito Santo, o crescimento observado na variação mensal foi em grupos veículos, partes e acessórios (+8,12%) e aeronaves, aparelhos espaciais e partes (+5,56%).

A China foi a primeira do ranking das origens das importações em outubro, com 25,02% de participação. Em seguida, Estados Unidos (+ 16,24%), Argentina (+ 14,72%) e Austrália (+7,93%).

Exportações capixabas em outubro de 2022:

Total – US$ 628,16 milhões
Comparação com setembro – -34,46%
Comparação com outubro de 2021 – -19,54%
Acumulado de 2022 – -1,97%.
Participação nas exportações brasileiras – -2,62%

Fonte: Instituto Jones Santos Neves.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA