18 C
Vitória
terça-feira, 14 julho, 2020

Empresas capacitadas se adequam a Lei Geral de Proteção de Dados

Leia Também

ES confirma mais de 63 mil infectados pela Covid-19

Chegou a 63.881 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo, de acordo com o “Painel Covid”, da Sesa.

INSS começa teste de prova de vida digital com 550 mil beneficiários

Num primeiro momento, o mecanismo será feito por meio de reconhecimento facial, com o uso da câmera do celular, para quem já tem carteira de motorista ou título de eleitor digital.

Saque emergencial FGTS liberado para os nascidos em março. Como sacar?

O valor do saque é de até R$ 1.045, considerando a soma de todas as contas do FGTS do trabalhador. Nesta etapa, poderão ser pagos até R$ 3,3 bilhões. 

O encontro realizado nessa quarta-feira (24), alertou as empresas de TI do estado sobre a necessidade de ficarem atentas as novas regras

As empresas do setor de Tecnologia da Informação (TI) do Espírito Santo estão sendo capacitadas a fim de se prepararem para a nova regulamentação para uso, proteção e transferência de dados pessoais no Brasil.

O evento Café com TI, promovido pelo Sindicato das Empresas de Informática no Espírito Santo (Sindinfo) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), aconteceu nessa quarta-feira (24), no Salão da Indústria, no Edifício da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

Com o tema “Como Adaptar Sua Empresa à Lei de Proteção de Dados”, teve o objetivo de capacitar as empresas para se enquadrar a nova regulamentação que passa a ser obrigatória a partir de agosto de 2020. Este é o período que encerra o vacatio legis: tempo em que governo, empresas e a sociedade poderão realizar as suas devidas adaptações.

Vale lembrar que o marco regulatório, sancionado em 13 de agosto de 2018, impactará o cotidiano das empresas, em especial, as de TI, como poucas leis fizeram.

Com a regulamentação, o Brasil será inserido no rol dos 100 países considerados adequados para proteger a privacidade e o uso de dados, nos âmbitos privado e público. Além de identificar, claramente, os atores envolvidos e quais as suas atribuições, responsabilidades e penalidades civil, que podem gerar multas que chegam ao patamar de R$ 50 milhões por incidente.

Foram abordados pontos importantes como deveres legais, entre eles, a extorsão, quem vem acontecendo na Europa e, provavelmente, chegará no Brasil. Criminosos invadem os sistemas das empresas para depois extorquirem, com a ameaça da divulgação desses dados. As consequências podem ser desastrosas, uma vez que implicam em responsabilidades jurídicas e indenizações às pessoas ou instituições que tiveram os dados expostos.

Para o coordenador do Laboratório em Segurança da Informação e Perícia Computacional Forence (Labseg), Gilberto Sudre, existem meios das empresas se protegerem, e assim, assegurar os dados de seus clientes. Ele destaca que não só os fatores jurídicos e de segurança da LGPD são importantes, mas as oportunidades para as empresas que se enquadrarem à regulamentação.

“Quando uma empresa consegue se adequar à LGPD, ela está se abrindo para o mundo, é uma oportunidade de negócios, isso porque o resto do mundo têm a necessidade de trabalhar com empresas que estejam em conformidade com a nova regulamentação. Uma grande oportunidade de negócio para as empresas de TI capixabas com organizações internacionais”, observa Sudre.

Advogada, especialista em questões jurídicas da LGPD, Amanda Alves Carvalho, esclarece que o enquadramento na lei pode evitar a imposição de multas, uma vez que existe uma autoridade fiscalizadora destas condutas, além dos órgãos de proteção ao consumidor e o Ministério Público. “Nós sabemos dos custos relativamente altos para a implantação da LGPD nas empresas, mas destacamos os benefícios, sobretudo, comerciais e a competitividade”, afirma.

Para ela, a nova regulamentação vem em um excelente momento para o Brasil que se coloca em um patamar favorável para alavancar negócios e conquistar a confiança do mercado mundial. “Lembro que países vizinhos, como Chile e Argentina, já têm a sua regulamentação e não podíamos perder as oportunidades de negócio em relação a esse tema”, conclui.

Já o diretor-presidente do Sindinfo, Luciano Raizer, destaca que a LGPD está baseada nos direitos fundamentais de liberdade, de privacidade e assegura o desenvolvimento econômico do Estado. “O setor de Tecnologia da Informação é diretamente impactado pela nova regulamentação, nós, como agentes estrategistas do setor, vemos com bons olhos, pois todo caminho amparado por leis regulamentadoras, além de proteger o cidadão, coloca as empresas do nosso segmento na mesma condição das principais empresas mundiais”, observa.

Regulamentação

Publicada em maio de 2018, a Regulamentação Geral de Proteção de Dados da União Europeia (GDPR), foi uma resposta à vulnerabilidade descoberta com os recentes escândalos de vazamento de dados pessoais. Recentemente, um caso mundialmente conhecido reforçou o conceito da Lei. Vazaram várias informações militares de usuários do Facebook para a empresa britânica de big data e marketing político Cambridge Analytica. Não só a União Europeia se apressou em criar leis de proteção, mas diversos países se viram expostos às prováveis situações de risco.

No Brasil, a Lei 12.965 de 2014, que trata do Marco Civil da Internet, sofreu alteração em 2018, por meio da sanção da lei 13.709/18. Assim com outros países, o Governo Brasileiro tratou de regulamentar a lei brasileira de proteção de dados pessoais.

Um ponto importante da regulamentação brasileira é a medida provisória 869/2018, aprovada pelo Senado, no dia 29 de maio de 2019. A MP recria o órgão de Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), antes vetada pelo então presidente Michel Temer.

O objetivo é ampliar a proteção aos dados pessoais e estabelece exceções em que o poder público poderá repassar os dados à iniciativa privada, desde de que o fato seja comunicado antes ao novo órgão.

Em seus principais pontos, destacam-se: dados sensíveis, informação dispensada, Segurança de Estado, revisão por pessoa, correções e informação, entre outros.

Outra mudança na lei é a proibição de o poder público compartilhar, seja com outros órgãos públicos ou com pessoas jurídicas de direito privado, os dados pessoais de requerente que invocou a Lei de Acesso à Informação.

Para as empresas que queiram conhecer o texto final da lei podem acessar o link: https://bit.ly/1eKDwfY

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Chefe ou líder? O que você é?

Entende-se que uma das características mais importantes de um líder é desenvolver uma equipe que seja capaz de funcionar sem ele

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

Vida Capixaba

Desafios do mercado audiovisual será tema de live

No bate-papo virtual também vão estar em pauta os desafios do mercado audiovisual e a experiência de Abel Santana no mundo das artes.

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia Por Letícia Vieira Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia:...

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...
Continua após publicidade