26 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

Educação: existe idade certa para aprender outra língua?

Especialista esclarece mitos e inseguranças sobre a Educação Bilíngue

Atualmente, as empresas por todo o mundo estão em busca de profissionais com perfil dinâmico, versátil, resiliente e facilmente adaptável. E para atender essa demanda, as escolas de educação básica precisam estar preparadas para ajudar os alunos nesta jornada.

Um dos caminhos que agrega a essa preparação e fortalece os diferenciais competitivos é o ensino de uma segunda língua com a Educação Bilíngue. Segundo dados da Abebi (Associação Brasileira do Ensino Bilíngue), em cinco anos, houve uma alta de 6% para 10% no setor, o que significa que há mais escolas oferecendo este diferencial aos estudantes.

- Continua após a publicidade -

Apesar do número parecer pequeno em relação ao número total de escolas atualmente no Brasil, é suficiente para que os pais – especialmente os de crianças menores – fiquem inseguros sobre essa modalidade aplicada nas escolas.

“Existem muitos mitos envolvendo o bilinguismo. É preciso quebrar as inseguranças e barreiras para que a Educação Bilíngue possa avançar no Brasil. Afinal, saber uma segunda língua vai abrir as possibilidades para a construção de uma carreira e para descobrir o mundo como um todo”, comenta Selma Almeida, especialista do High Five Bilingual Program.

A seguir, a especialista esclarece alguns mitos sobre o assunto:

Existe idade certa para aprender?

Não há idade certa, mas quanto antes melhor, explica a especialista. “Há diversos estudos da neurociência que comprovam que, quanto mais jovem a criança, maior será seu progresso e benefícios cognitivos”. Ao nascer, a criança está em pleno desenvolvimento e preparada para receber informações e absorver o que for essencial para a formação como cidadão.

A especialista reforça os inúmeros benefícios e fortalecimento de habilidades cognitivas como criatividade, consciência metalinguística, expansão da memória e até da concentração, além da criança estar exposta a uma outra cultura e ampliar seu senso de pertencimento no mundo entendendo a pluralidade.

Alfabetização em duas línguas?

O processo de alfabetização das crianças menores não é distinto e separado quando se trata da Educação Bilíngue. Eles se complementam e reforçam o senso de assimilação e transferência da língua materna para o inglês.

“É natural que neste processo aconteçam erros. E eles precisam acontecer para que as crianças tenham consciência e consigam progredir. Por isso, nesse processo, os erros não podem ser penalizados. A segunda língua deve ser usada como um meio de aprendizado e não o fim, propriamente dito”, reforça a especialista.

E se a criança confundir as línguas?

Quando se está aprendendo, a criança não precisa da tradução das palavras. Assim sendo, se ela confundir ou trocar na hora da fala, o processo é positivo, uma vez que ela entendeu e consegue inserir isso no seu cotidiano. A especialista reforça que não há motivo para pânico, caso isso aconteça. “É um processo natural, assim como acontece com a Língua Portuguesa. Por isso, a metodologia usada neste processo é tão importante e precisa ser inserida no cotidiano da criança em brincadeiras, leituras e ações do dia a dia”, acrescenta Selma.

E se a criança não falar inglês ao ser perguntado?

Ao tentar acompanhar o aprendizado do filho, muitos pais criam muitas expectativas e acabam pressionando a criança fora de um contexto. Ao sentirem-se pressionadas, as crianças acabam não respondendo e não se sentindo à vontade para falar em inglês. Isso pode gerar um desconforto e insegurança e coloca em questionamento os métodos escolares.

“É fundamental que os pais tenham noção de que nada é um processo imediato. Aprender uma nova língua é uma construção diária e é preciso tempo para internalizar e externalizar o conteúdo. Além disso, é fundamental que haja uma exposição fora dos limites da escola”.

Os reforços externos são importantes para que escola e família caminhem juntas na formação das crianças. “Os pais podem assistir a um filme em inglês, ouvir música, estimular uma leitura. São muitas possibilidades que se tornam positivas e que fazem com que a criança esteja inserida no contexto da segunda língua”, conclui.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA