21.8 C
Vitória
quinta-feira, 13 agosto, 2020

É hora de brigar com a China?

Mais Artigos

Baixa da Selic: duas novas realidades

Em tempos de economia normal, a queda do preço do dinheiro básico permite que todos tenham maior acesso ao crédito, e com isto, compram, vendam e produzam mais.

As escolhas de Guedes

A pandemia da covid-19 explicitou a precariedade da estrutura das políticas sociais do País Por Arilda Teixeira O Ministério da Economia enfrenta situação singular: precisa garantir...

Quando a autofalência é a melhor opção

É preciso destacar que no Brasil uma empresa não pode simplesmente deixar de funcionar. Deve haver o “correto encerramento” das atividades.

Iluminação pública: Vila Velha saiu na frente!

Com essa conquista Vila Velha torna-se o primeiro município do Estado a ingressar num seleto grupo de cidades brasileiras que já viram ser este o melhor caminho para uma modernização estrutural

Confira o que mostram os dados do Ministério da Economia sobre nossas exportações

Por Clóvis Vieira

A globalização e a internacionalização das cadeias globais de valor sofreram um revés com a pandemia. E o quadro considerado para os próximos dois ou três anos é o de comércio mundial menos dinâmico do que o visto até 2018/2019.

As dificuldades de compras imediatas de aparelhos, equipamentos e outros produtos hospitalares trouxeram à tona discussões sobre a sustentação de diversificação de fornecedores e da sustentação de indústrias locais, ainda que menos eficientes.

E em meio a essa séria demanda, o mundo testemunha uma busca dos Estados Unidos por algum refreamento do poderio geopolítico e econômico da China. A onda de sentimentos anti-China liderados pelos Estados Unidos e outros países foi tamanha que se chegou a especular um pior cenário possível de confronto armado entre as duas potências globais. E não são poucos aqui no Brasil os defensores da ideologia de boicotar produtos chineses, como forma de “conter o comunismo”.

Mas basta uma rápida olhada nos números para entender o tamanho dessa bobagem. Fato é que a chamada “guerra comercial” é um instrumento desta tentativa de realinhamento de forças por parte dos Estados Unidos.

Brigar com a China?

A balança comercial neste ano tem um saldo de US$ 26,9 ante US$ 27,7 no mesmo período do ano anterior. Dados do Ministério da Economia apontam dados sobre as exportações brasileiras no primeiro semestre que merecem atenção. Tivemos uma grande dependência da China, nosso maior parceiro Comercial, como também dos países asiáticos. Um volume bem maior que os EUA e a Zona do Euro. Vamos aos números:

Para cada US$ 1 que o Brasil exportou para os EUA, foram exportados US$ 3,4 para a China. Temos um déficit comercial com os EUA de US$ 3,13 bilhões. E um superávit comercial com a China de US$ 17,65 bilhões.

Por outro lado, o Brasil importou mais de EUA e Argentina juntos (US$ 16,8 bi) do que da China (US$ 16,7 bi). Ao mesmo tempo, a gigante asiática tem com o Brasil seu quarto maior déficit comercial (atrás apenas de Taiwan, Austrália e Coreia do Sul).

E tem mais: o Brasil exportou mais para Hong Kong (US$ 1,2 bi) do que para o Reino Unido inteiro (Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e Gales, US$ 1,1 bi). As exportações para Cingapura (US$ 2 bi) foram o dobro do que para a França (US$ 1 bi).

Exportamos mais para a Coreia do Sul (US$ 1,65 bi) do que para França e Suíça juntas (US$ 1,6 bi). Mais para Bangladesh (US$ 914 milhões) do que para Suécia, Noruega e Dinamarca juntas (US$ 854 milhões). E ainda mais para Malásia e Tailândia somadas (US$ 2,6 bi) do que para Alemanha e Suíça juntas (US$ 2,5 bi).

Nesse ranking, exportamos mais para Turquia (US$ 1,39 bi) do que para Colômbia e Equador somados (US$ 1,33 bi). E Indonésia, Malásia e Tailândia, individualmente consideradas, são destinos maiores de nossas exportações do que Reino Unido e França individualmente considerados, ou do que os países escandinavos (Suécia, Noruega e Dinamarca) juntos.

Agora cabe a pergunta: Dá para brigar com o “Gigante Adormecido” ?

Clóvis Vieira é economista e diretor de Vieira e Rosenberg

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Setores mais afetados pelo distanciamento social seguem deprimidos, diz BC

Ao avaliar o futuro da atividade econômica, o BC repetiu a ideia de que "a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual

Safra deste ano deve ser 3,8% superior à de 2019, prevê IBGE

A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2020 em 250,5 milhões de toneladas. Com informações da Agência BrasilCaso a...

211 vagas de emprego em Cariacica

Os munícipes têm a ajuda da Agência do Trabalhador, que esta semana está divulgando 211 vagas, sendo 55 são destinadas à Pessoa com Deficiência...

Estimativa para Selic no fim de 2020 permanece em 2,00% ao ano no Focus do BC

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020. O Relatório de Mercado...

Vida Capixaba

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...

31ª Dez Milhas Garoto é adiada para 2021

Com a insegurança em relação a propagação do vírus do Covid-19 pelo Brasil, os principais players do mercado de eventos, feiras e congressos do...

Mostra on-line de arte e cultura em Vitória

A distância dos palcos não impediu que os alunos dos espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) se apresentassem ao público em 2020. Durante...