23.1 C
Vitória
quarta-feira, 5 agosto, 2020

A economia política das relações internacionais

Leia Também

Faturamento da indústria cresce 9,3% em junho, diz CNI

De acordo com os Indicadores Industriais divulgados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira, 5, o faturamento das fábricas brasileiras cresceu pelo segundo...

Grande explosão causa pânico em Beirute

O ministro da Saúde do Líbano, Hamad Hasssan, disse que mais de 25 pessoas morreram e mais de 2,5 mil ficaram feridas

PIB contraiu 11,2% no 2º trimestre de 2020

Em relação ao segundo trimestre de 2019, a queda na atividade econômica apontada pelo IAE foi de 11,7%

Trump e Xi Jinping: Nessa história não tem vítima nem algoz. Apenas embate por poder. Entenda esse jogo! 

Por traz do embate entre Trump e Xi Jinping está uma questão chave da política internacional: a indissociável convivência entre os domínios do (poder) político e os do (poder) econômico que interpõem a autoridade política e à de mercado.

Nas relações internacionais há uma relação de interdependência entre nações e mercados em que a economia é instrumento de poder político. O problema é que o significado de poder para o estado é diferente daquele que é para o mercado.

Essa interação estruturalmente conflituosa tornou-se potencialmente imprevisível com a internacionalização dos mercados e o subsequente acirramento da competição entre eles e dentro deles.

A começar pelos processos de negociação internacional divididos em três núcleos – entre governos; entre governos e empresas; e entre empresas. Todos pautados pela realidade da interdependência entre os mercados e na necessidade de competitividade para ser parte dele.

Ocorre que essa fixação no protecionismo desconhece ou desconsidera o fato de que nenhum país (mercado) é auto-suficiente. Em todos há setores atrasados e sem competitividade.

Com isso, as convencionais políticas externas, instrumentos para enfrentar a competição internacional, foram substituídas por negociações que aumentassem a atratividade dos mercados domésticos e permitissem que as relações de comércio completassem as ofertas domésticas.

Esse processo, ao mesmo tempo que ampliou o espaço para o multilateralismo, afastou o protecionismo, e nos levou para um sistema multilateral de comércio regulado pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

Contudo, a despeito da perspectiva de um comércio justo e inclusivo que a OMC trouxe, seus membros não conseguiram avançar na institucionalização do multilateralismo. Seja pelos excessos de barreiras não-tarifárias e salvaguardas que adotaram, e que travaram os avanços das negociações; seja pela resistência por respeitar direitos de propriedade.

Gradativamente, enviesaram decisões pró-livre e multilateral comércio, e abortaram outras. Até chegar ao ponto atual em que a eficácia da OMC está sendo publicamente questionada, e os apoios ao protecionismo ganham espaços e adesões. É um retrocesso institucional trazido pelas atitudes erradas dos agentes políticos e econômicos desde a abertura da Rodada do Milênio, em Seatle (EUA).

Ocorre que essa fixação no protecionismo desconhece ou desconsidera o fato de que nenhum país (mercado) é auto-suficiente. Em todos há setores atrasados e sem competitividade. Ao desconsiderar esse fato, incentiva setores tradicionais de baixo ou nenhum potencial para competir e crescer, e perde oportunidade para impulsionar os mais dinâmicos. No fim das contas, o tiro sai pela culatra, pois o viés da escolha limita o potencial de crescimento de seus mercados.

É esse o equívoco das falas e iniciativas protecionistas em curso. Inclusive as de Trump em relação à China. E também as da China em relação a Trump e ao resto do mundo. Ela é igualmente protecionista. Só muda na natureza da proteção.

A China adota acirrada política de subsídios para suas empresas Na realidade, uma prática dissimulada de dumping dentro e fora de seu mercado doméstico. Uma infração às regras da OMC, que está pondo em risco a eficácia do multilateralismo, e alimentando o retrocesso ao protecionismo.

Nessa história não tem vítima nem algoz. Apenas embate por poder. O problema é que, pelas lições da história, todas as vezes que essa corda esticou, uma guerra começou.

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Iluminação de Vila Velha: confira resultado do leilão

O parque de iluminação pública de Vila Velha (ES) será ampliado e modernizado pelo Consórcio SRE – IP Vila Velha, pelos próximos 20 anos.

Auxílio emergencial elevou em 24% renda pré-pandemia, mostra pesquisa

Segundo estudo, dado destaca a pobreza e a desigualdade do país. Saiba mais! As pessoas que recebem o auxílio emergencial, pago pelo governo federal durante...

Top 5 da sobrevivência

Disruptura. Definitivamente essa é palavra de ordem no universo da gestão. Após três meses convivendo com as bruscas mudanças nos processos de trabalho provocadas pela pandemia, proprietários dos setores da indústria e do comércio ainda não são capazes de mensurar o tamanho do estrago final que o novo coronavírus vai deixar

Empresa que vai gerir Parque de iluminação de Vila Velha será conhecida na próxima semana

O leilão que definirá a empresa que vai gerir o serviço nos próximos 20 anos será conhecida na próxima segunda-feira (03), na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), na Bolsa de Valores, em São Paulo.

Vida Capixaba

Programação cheia no Drive-In de Jardim Camburi

Show de rock e apresentação de circo são algumas das atrações que prometem animar a programação neste fim de semana no Drive-In Por Leticia Vieira  Promessa...

Formemus 2020: programação 100% on-line

Conferência que promove debates sobre o segmento musical no Espírito Santo, no Brasil e no mundo, está confirmada para acontecer entre os dias 7...

Golpe pelo WhatsApp: saiba como evitar!

Várias pessoas estão sendo vítimas de golpistas que tem clonado números de WhatsApp de pessoas e mandando mensagens pedindo dinheiro.

Horário de pico muda em Vitória

Em Vitória, por conta da pandemia do novo coronavírus, houve uma redução considerável no fluxo de veículos que passam pelas ruas e avenidas da capital.
Continua após publicidade