22.7 C
Vitória
sábado, 2 julho, 2022

GERALDO
SCHULLER

Desconectado?

Leia Também

Interessante o momento em que vivemos. Estamos cada dia mais conectados com as novas tecnologias, sistemas de informação que ampliam as possibilidades do nosso conhecimento e nos aproximam do universo.

Entretanto o uso desenfreado desta tecnologia acaba por nos afastando de um convívio mais harmonioso com as pessoas, e com nós mesmos. De repente somos por demais dependentes destes aparelhos que há bem pouco tempo eram apenas pra falar. Hoje, parece que já nascemos agarrados a um smartphone e que a vida sem um destes aparelhos não faz sentido.

 Cena Um
Chegamos a um restaurante para um jantar especial, o qual se encontrava quase lotado em sua maioria casais ou grupos de até seis pessoas. Ao fundo um som ambiente bem suave ampliava o clima para uma noite romântica.

Entre uma taça de vinho, um bom vinho tinto, e as deliciosas entradinhas eis que o meio ambiente me chama atenção pelo movimento frenético dos smartphones, é claro que num restaurante deste padrão as pessoas não portavam celular e sim seus smartphones e eles é que davam o tom do “diálogo”.
Casais frente na frente cada um teclando sua poderosa máquina de integração. Mal se olhavam. Será que estavam enviando mensagens para si próprios?

E lá vem o maravilhoso prato principal lá na mesa de 6 pessoas. Assim que dispostos o primeiro ato de todos foi o fotografar os pratos e enviar pela “instagram”, só depois, bem depois é que foram saborear o alimento. Eu me senti um estranho, afinal estava ali apenas saboreando um delicioso vinho harmonizado com as melhores iguarias da culinária contemporânea, totalmente desconectado do mundo. Apenas conectado na presença da minha mulher amada.

Cena Dois
Reunião de 04 empresários. Todos chegam e colocam sobre a mesa seus poderosos smartphones e a reunião inicia. Quase que simultaneamente dois telefones tocam e a reunião é interrompida e, já que dois atenderam ao telefone, os demais foram checar mensagens e responde-las o mais breve possível. Um dos presentes começa a falar e os demais quase lhe dão atenção, pois vários foram os chamados e mensagens que não poderiam esperar para serem respondidas, afinal tempo é dinheiro e devemos estar conectados sem chance de perder um minuto sequer.

E lá foi a “reunião” com um interlocutor tentando falar em meio a toques, os mais indiscretos possíveis, e os olhares fixos nas telas brilhantes pela qual o mundo chega até nós. Lá pelas tantas se levantam e saem cada qual para um lado, mas todos falando em seus poderosos smartphones.
E você, leitor, onde se encaixa?

 

 Pra Refletir:

“Dizem que a vida é pra quem sabe viver, mas ninguém nasce pronto. A vida é para quem é corajoso o suficiente para se arriscar e humilde o bastante para aprender”

“Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento”

“Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato… Ou toca, ou não toca”

Clarisse Lispector

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Mais Modus Vivendi

Blogs e colunas