A cada 60 minutos, uma criança ou adolescente morre por arma de fogo

Foto: Arte Lunetas

De acordo com levantamento, mais de 145 mil jovens com até 19 anos faleceram em consequência de disparos acidentais ou intencionais

Para ter uma arma de fogo e criança em casa é necessário atenção redobrada. De acordo com um levantamento feito Sociedade Brasileira de Pediatria, a cada 60 minutos, uma criança ou um adolescente morre no Brasil em decorrência de ferimentos por arma de fogo.

Os dados revelaram que entre 1997 e 2016, mais de 145 mil jovens com até 19 anos faleceram em consequência de disparos acidentais ou intencionais, como em casos de homicídio e suicídio.

O levantamento foi realizado com base no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde de 2016, ano mais recente, 9.517 crianças e adolescentes faleceram no país e este número é relativamente o dobro do que foi registrado em 1997.

O levantamento mostra,m ainda, que, a cada duas horas, uma criança ou adolescente dá entrada em um hospital da rede pública de saúde com ferimento por disparo de arma de fogo. Entre 1999 e 2018, foram registradas quase 96 mil internações de jovens com até 19 anos no Sistema Único de Saúde (SUS).

A principal causa de mortes de crianças e adolescentes está relacionada a homicídios (94%). Logo é seguido de intenções indeterminadas (4%), suicídios (2%) e acidentes (1%).

Internações

No caso das internações, embora as tentativas de homicídio continuem na liderança (67%), é bastante expressivo o volume de acidentes (26%) envolvendo arma de fogo.

De acordo com o estudo, as despesas diretas do Sistema Único de Saúde (SUS) com pacientes atendidos após contato com armas de fogo. Nos últimos 20 anos, as internações de crianças e adolescentes provocadas por disparos custaram mais de R$ 210 milhões aos cofres públicos.

As causas consideradas foram morbidade hospitalar e mortalidade identificadas nas bases oficiais do Ministério da Saúde como acidentais, suicídios ou tentativas de suicídio, homicídios ou tentativas de homicídio e intenções indeterminadas.

*Da redação com informações da Agência Brasil

Conteúdo Publicitário