Convênio pioneiro visa a implantação de núcleos mediadores de conflitos

A cultura de paz será trabalhada por meio do convênio. - Foto: Divulgação

O convênio firmado entre a Ales e o TJES permitirá que servidores do Parlamento sejam treinados por técnicos componentes do Programa Reconstruir

Um convênio foi firmado entre a Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) e o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES). A assinatura foi realizada nesta quarta-feira (18), e visa a ser um termo inédito no país.

O objetivo do documento assinado pelo presidente da Ales, Erick Musso, e pelo presidente do TJES, Ronaldo Gonçalves de Sousa, é instituir no Parlamento núcleos permanentes que utilizem ferramentas de medidas pacíficas para a solução de conflitos, dentro do conceito da cultura de paz.

Com o convênio, também serão criadas a Mediação Escolar, Mediação Comunitária, Comunicação Não Violenta e Círculos de Construção dentro da Casa Legislativa, com o auxílio do Programa Reconstruir o Viver, do Poder Judiciário, a fim de se tornarem multiplicadores de ações que resgatem a cidadania e a busca da pacificação social em conflitos existentes ou iminentes.

O presidente da Ales, Erick Musso, assinou o convênio com o presidente do TJES, Ronaldo Gonçalves de Sousa. – Foto: Tati Beling / Divulgação

Vale destacar que a implantação dos núcleos e a capacitação dos profissionais, pelo convênio, devem acontecer nos próximos dois anos.

“Mais uma vez saímos na frente, somos pioneiros no país, em cuidar e atender ao capixaba. A previsão de instalação desses núcleos na Assembleia Legislativa que vão trabalhar a cultura da paz na mediação de conflitos é mais um passo para o respeito às relações de convivência. Seremos multiplicadores das ações buscando o resgate da cidadania da nossa gente e a busca da pacificação social”, afirma o deputado Erick Musso.

Já a representante do TJES, a juíza Patrícia Neves destaca que a união com o legislativo estadual é salutar no acolhimento dos cidadãos capixaba.

“Tem sido um sonho primeiro nosso, representantes do Poder Judiciário, responsáveis pelo Programa Reconstruir o Viver nos unirmos ao Poder Legislativo, locus especial de contato e acolhimento com os cidadãos, numa busca conjunta pela transformação do nosso olhar pela multiplicação de uma cultura de paz. De forma pioneira, o Espírito Santo tem esse unir de mãos e intenções entre dois Poderes da República. Servidores da Assembleia Legislativa já começaram a ser capacitados. Quantos quiserem, serão capacitados. Formaremos um enorme ‘batalhão da Paz’,”, conta.

Também assinaram o documento o desembargador supervisor das Varas da Infância e da Juventude, Jorge Henrique Valle dos Santos; a desembargadora coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC), desembargadora Janete Vargas Simões; a juíza coordenadora da Vara Estadual da Infância e da Juventude, Patrícia Pereira Neves, e o presidente da Associação dos Magistrados do Espírito Santo (Amages), Daniel Peçanha Moreira.

Leia Também: