24.7 C
Vitória
domingo, 24 janeiro, 2021

70% das empresas de pequeno porte vendem por canais digitais

Whatsapp, Instagram e Facebook são as plataformas mais usadas pelos pequenos negócios para se manterem no mercado

Por Leulittanna Eller Inoch

O comércio eletrônico foi a forma que a grande maioria das empresas encontrou para enfrentar a crise gerada pela pandemia de Covid-19. De acordo com a 9ª edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus”, elaborada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), sete em cada dez empresas já atuam nas redes sociais, aplicativos ou internet para impulsionar suas vendas. Em maio, bem no início da pandemia, esse percentual era de 59%.

Em algumas atividades, o número de negócios atuando no ambiente virtual teve um incremento superior a 20%, como é o caso dos segmentos de energia, que apresentou aumento de 37%; beleza, com 27%; bem como educação e construção civil, que viram o número de empresas ativas nesse ambiente crescer em 20%. “Com as restrições de abertura e com o isolamento, os pequenos negócios tiveram que inovar e mudar a forma de vender e de divulgar seus produtos e serviços. A internet tem sido uma grande aliada na sobrevivência de inúmeros negócios no país”, afirma o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

A plataforma Whatsapp é a preferida pelos empreendedores que inseriram o mundo virtual nas suas vendas, com 84% de adeptos. Cerca de 90% das empresas que exercem atividades como Artesanato, Beleza e Moda, e que digitalizaram sua comercialização, usam esse recurso para vender seus produtos e serviços. Instagram e Facebook são as próximas opções, com 54% e 51%, respectivamente. Apenas 23% dos negócios vendem por sites próprios. “Isso demonstra que plataformas já conhecidas e com grande capilaridade são mais procuradas pelos empreendedores, que levam em consideração custos de manutenção e a confiabilidade do meio”, frisou Carlos Melles.

Outro dado interessante apresentado pela pesquisa é que as micro e pequenas empresas usam a digitalização de forma mais profissional do que os microempreendedores individuais (MEI), pois utilizam ferramentas mais voltadas para a gestão dos seus negócios.

Entre as micro e pequenas empresas, 55% usam ferramenta de gestão, já entre os MEI, esse número cai para 25% (menos da metade). A diferença também é confirmada quando o assunto é ferramentas para gestão de clientes (CRM), que são utilizadas por 25% dos donos de micro e pequenas empresas, mas por apenas 12% dos microempreendedores individuais.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Estudante brasileira descobre asteroide

Imagens do corpo celeste foram captadas no dia 7 de janeiro

Anvisa aprova lote de Coronavac do Butantan para uso emergencial

Anvisa aprova lote de Coronavac do Butantan para uso emergencial Por unanimidade, o órgão liberou o uso emergencial; solicitação se estende a 46 mi de doses já acordadas com o ministério

Professores dão dicas para o segundo dia de provas do Enem

Provas de matemática e ciências da natureza serão aplicadas domingo

Padrão de beleza imposto pela sociedade pode gerar distúrbio

Em tempos de redes sociais e culto à aparência em alta, o chamado Transtorno Dismórfico Corporal encontra terreno fértil para crescer

Enem: Confira o reforço nas linhas de ônibus

Estudantes que farão a prova do Enem nesse fim de semana terão reforço nas linhas de ônibus

Programação especial para a criançada curtir as férias com segurança

Pista de patinação no gelo e arena Sonic são duas das novidades que fazem a alegria da garotada neste verão

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Série histórica mostra ocupação hoteleira durante a pandemia

Já estão disponíveis no Observatório do Turismo os dados relativos à taxa de ocupação hoteleira relativa ao ano de 2020, nos municípios de Vitória, Vila Velha e Serra

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Vida Capixaba

Mucane e Circuito Cultural de Vitória retomam aulas na próxima segunda-feira

Oficinas presenciais de percussão, cavaquinho, dança afro brasileira na modalidade “Tribal” e capoeira

TOTVS Espírito Santo foi eleita a melhor unidade do Brasil em 2020

A TOTVS é conhecida como a maior empresa de tecnologia do Brasil, e sua unidade do ES foi eleita a melhor unidade do Brasil em 2020

Queijos: segunda maior agroindústria capixaba

Queijos com adição de especiarias e ervas finas, com recheio de geleias de frutas, doce de leite e embutidos, ou até defumados, são algumas versões de queijos capixabas que demonstram a potencialidade do setor
Continua após publicidade