24.4 C
Vitória
quarta-feira, 29 maio, 2024

ArcelorMittal mantém plano de R$ 25 bilhões até 2027

Investimentos serão voltados para modernização de plantas e aumentar processo de descarbonização.

Por Gustavo Costa

A despeito do “efeito China”, com o país asiático batendo recorde de importação de aço para o Brasil, a ArcelorMittal reafirma o seu posto de principal produtora brasileira e anunciou que seguirá com com o plano de investir R$ 25 bilhões até 2027.

- Continua após a publicidade -

O montante mais expressivo foi utilizado na compra da Companhia Siderúrgica de Pecém junto à Vale por R$ 11,4 bilhões. Com a integração da operação localizada no Ceará concluída em março, a ArcelorMittal adicionou 3 milhões de toneladas por ano de capacidade de produção ao seu portfólio com potencial para aumentar para 5 milhões ao ano.

Outros R$ 9,3 bilhões serão destinados para a modernização das unidades operacionais no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Santa Catarina e Rio de Janeiro. O principal aporte será na unidade mineira de João Monlevade (MG), com cerca de R$ 4 bilhões. A informação foi dada em entrevista do presidente da ArcelorMittal no Brasil, Jefferson De Paula, em conversa com o IM Business. De Paula aproveitou para defender um aumento de tributação sobre o aço vindo da China dos atuais 10% para 25% por pelo menos um ano. O pedido ganha respaldo na disparada de 58% das importações de aço da China no acumulado do ano até setembro, enquanto a produção nacional caiu 8,4%.

Parceria no Espírito Santo

Entre os investimentos previstos e mantidos está o acordo no Espírito Santo com a EDP para avaliar a viabilidade técnica de uma planta-piloto para a produção e uso de hidrogênio verde no processo de fabricação do aço na planta da empresa em Tubarão. A unidade de produção integrada de aços planos segue investindo em iniciativas para produzir aço com baixo teor de carbono. A primeira etapa, de viabilidade preliminar, servirá para avaliar os aspectos técnicos, econômicos e ambientais do projeto. Também serão definidos o escopo e os requisitos para a execução, para subsidiar as decisões relacionadas às próximas fases do empreendimento.

Os grupos de trabalho das áreas como engenharia, financeiro, desenvolvimento de projeto, ambiental e utilidades começaram os estudos em agosto, identificando modelos de negócios com retornos interessantes para as duas empresas.  A viabilidade de instalação de uma planta-piloto será avaliada de acordo com os resultados obtidos nas diversas etapas do estudo, principalmente no Estágio de Definição do Projeto. O estudo deverá ser concluído em 2024. “O estudo em parceria com a EDP representa mais um passo significativo nessa jornada. Com essa colaboração, exploraremos a possibilidade e viabilidade de, futuramente, incorporar e aplicar o hidrogênio como parte do nosso processo produtivo contribuindo, juntamente, com alternativas para nos tornarmos no futuro uma empresa carbono neutro”, disse o CEO ArcelorMittal Aços Planos América Latina, Jorge Oliveira durante o evento em que a parceria foi firmada. Ele aproveitou para dizer que se trata apenas do projeto-piloto e que, após a sua conclusão no Estado, poderá ser replicado para outras unidades da empresa no país.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA