23.9 C
Vitória
domingo, 28 novembro, 2021

Ales orienta condutas para o período eleitoral

Regras valem para deputados, diretores e servidores que pretendem se candidatar ao pleito municipal

Para nortear o comportamento de parlamentares, diretores e servidores, durante o período eleitoral, a Assembleia Legislativa de do Espírito Santo (Ales) publicou o Ato 2751/2020. A publicação traz diretrizes de como deve ser utilizados alguns recursos da Casa de leis, entre eles: veículos de comunicação, estrutura da Ales e bens públicos.

De acordo com o procurador da Casa, Vinícius Oliveira, o ato é uma compilação de normas eleitorais, que tem o intuito de direcionar os servidores do Poder Legislativo, bem como os deputados, das condutas proibidas em período eleitoral.

“O ato é voltado para os servidores da Assembleia Legislativa, tanto aos membros, como aos deputados e aos servidores efetivos e comissionados. Sua função é alertar os funcionários sobre as condutas vedadas em época de eleição”, disse o procurador.

Em toda eleição o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza atualizações sobre as condutas proibidas, prazos e procedimentos. “Fazemos então uma análise sobre as resoluções do TSE junto com as outras leis existes, como o Código Eleitoral. Essa compilação pretende explicar ao servidor da Casa, do que pode ou não praticar durante o período eleitoral”, observou Oliveira.

Meios de Comunicação

Em época de pré-eleição, o parlamentar deve tomar cuidado para não se lançar pré-candidato antes do tempo previsto na legislação, que é o prazo de quatro de julho de 2020, noventa dias antes da eleição.

“Ao infringir a lei o deputado poderá receber uma punição, inclusive ter uma candidatura inviabilizada pela justiça eleitoral”, ressaltou Vinícius de Oliveira.

A participação dos deputados na programação da TV Assembleia, inclusive durante as transmissões ao vivo, deverá ser resultado exclusivo do cargo político que exerce no corrente ano, sendo proibido utilizar o meio de comunicação para propaganda eleitoral, direta ou indiretamente.

Também fica vedado ao parlamentar, valer-se do serviço público da TV e do site institucional da Casa, para cobertura de eventos em benefício de pré-candidato, candidato, partido político ou coligação.

Em relação à veiculação de promoções institucionais da Assembleia, a partir do dia quatro de julho, fica proibido à publicação das referidas propagandas em páginas oficias do Poder Público, em redes sociais, placas e outdoors, independentemente de haver em seu conteúdo caráter informativo, educativo ou de orientação social.

Outra proibição prevista no ato refere-se à utilização de doação, cessão ou venda de cadastro eletrônico de pessoas de acesso restrito da Assembleia Legislativa em favor de candidatos, partidos ou coligações.

Proibições para os agentes políticos e servidores

Aos agentes políticos, servidores ou não, fica proibidas possíveis condutas que atrapalhem a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais. Como por exemplo, ceder a candidato ou a partido político, bem móveis ou imóveis que pertencem a órgãos públicos. Usar materiais ou serviços custeados pelos governos ou casas legislativas. Ceder servidor público, durante o horário de expediente normal, com exceção do empregado que estiver licenciado.

Licença para atividade política

Os servidores da Assembleia Legislativa, efetivos e também os comissionados, que pretendem concorrer a cargo político devem observar alguns prazos e procedimentos.

“O servidor efetivo que pretende ser candidato não pode continuar exercendo suas funções, é necessário se licenciar das atividades da Casa para concorrer aos cargos políticos”, esclareceu o Procurador Vinicius.

O afastamento deverá ter início no dia quatro de julho, em obediência ao prazo de três meses para efeitos de desincompatibilização eleitoral, com a comprovação do registro da candidatura confirmado por certidão emitida pela Justiça Eleitoral, com o cargo eletivo a que irá se candidatar e o nome do partido.

Ademais, o servidor ocupante de cargo comissionado deverá requerer exoneração e licenciar-se do seu vínculo, assim como os titulares exclusivos de cargos de provimento.

Vale ressaltar, que diante de suspeita de que eventual servidor tenha se candidatado apenas com vistas a se afastar do cargo, com intuito de receber seus vencimentos integrais, a Administração Pública deverá adotar as providências necessárias à apuração da existência de má-fé do servidor. Caso comprovado à má conduta, este deverá restituir os valores indevidamente recebidos no decorrer do afastamento.

Para regresso das atividades, o servidor deverá retornar ao exercício do seu cargo na segunda-feira após as eleições, dia 5 de outubro.

“Para cargos de prefeito ou vereador não acumulam gratificações, sendo necessário optar pela remuneração do cargo de prefeito/vereador ou de servidor. Já o cargo de vereador, dependendo da Câmara que ele trabalha, ele poderá acumular os dois salários desde que ele consiga conciliar a função de servidor”, explicou.

Uso de materiais ou serviços

Durante campanha eleitoral, é proibido aos parlamentares e servidores, utilizar das estruturas financeira, orçamentária, patrimonial, de bens móveis, de serviços e da estrutura física das dependências da Assembleia Legislativa, com exceção da realização de convenções partidárias.

Também se aplica aos casos de materiais e serviços vedados no ato, a utilização dos carros oficiais, o envio de correspondência, o uso do sistema de telefonia, a concessão de passagens e diárias, aos parlamentares e aos servidores dos seus respectivos gabinetes. Tais serviços são permitidos apenas para o exercício do mandato parlamentar.

O parlamentar deverá ficar atento, sobre a divulgação de propaganda nas dependências da Assembleia, sendo proibida também a gravação de imagens internas com objetivos eleitorais.

O procurador Vinicius de Oliveira também destacou sobre a inauguração de obras públicas. “É permitido ao deputado inaugurar obras públicas, no entanto, a partir do dia quatro de julho é proibido que os candidato às eleições compareçam a essas inaugurações”.

Sanções

Verificados indícios de irregularidade, o caso será encaminhado à Procuradoria Geral da Assembleia para que seja exarado parecer quanto à ilegalidade da conduta e possíveis sanções previstas na lei.

“As sanções são diversas. As principais delas estão previstas principalmente na Lei Eleitoral, onde o candidato terá a candidatura dele impugnada. Por exemplo, ao praticar uma conduta proibida, mesmo ganhando a eleição ele poderá sofrer a sensação de proibição de assumir o cargo. Fora isso, poderá sofrer improbidade administrativa, multa civil e até suspensão dos direitos políticos. Tudo vai girar em torno de sua capacidade eleitoral”.

Denúncia

Em casos de denúncias para apurar possíveis irregularidades, Oliveira orienta os seguintes caminhos: para atos praticados por servidores da Assembleia deve-se procurar a Ouvidoria ou a Administração da Casa, para instauração de processo administrativo. Já em casos praticados por parlamentares, a denuncia pode ser encaminhada à Ouvidoria ou à Corregedoria da Casa.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade