23.3 C
Vitória
quarta-feira, 24 abril, 2024

Abel mantém discurso ao ser questionado sobre seleção: ‘O agora é o Palmeiras’

A declaração foi dada durante o lançamento de seu livro “Cabeça Fria, Coração Quente” nesta quarta-feira

Abel Ferreira mais uma vez respondeu sobre a possibilidade de assumir o comando da seleção brasileira O treinador português manteve o discurso de lealdade ao Palmeiras e voltou a dizer que vive o “aqui e o agora”, reforçando a ideia de permanecer no clube paulista, um “dos maiores do mundo”, nas suas palavras.

“Vivo o aqui e o agora. O aqui e agora é o Palmeiras, ser treinador de um dos maiores clubes do mundo. Estou muito feliz e realizado onde estou. Vivo com o aqui e agora. A realidade é esta e é isso em que me foco”, justificou.

- Continua após a publicidade -

A declaração foi dada durante o lançamento de seu livro “Cabeça Fria, Coração Quente” nesta quarta-feira, 28, no Instituto de Oncologia do Porto, em Portugal. Ele curte em sua terra natal os últimos dias de férias antes de retornar ao Brasil e começar a pré-temporada com o Palmeiras em janeiro.

O treinador reiterou que não pensa em novos desafios, seja na seleção brasileira ou em outra equipe por enquanto, porque vive uma relação conjugal com o Palmeiras na qual está tudo bem e não vê “essa necessidade de mudar”.

Ele também foi questionado sobre a chance de treinar a seleção portuguesa e deu uma resposta na mesma linha de raciocínio. “É um orgulho ser português, mas volto a referir: a minha realidade é o Palmeiras”, enfatizou. “Renovamos no início do ano, me proporcionam todas as condições e estou muito feliz”, completou o técnico, citando a extensão de seu contrato, vigente até o fim de 2024.

Em todas as vezes em que respondeu sobre a possibilidade de dirigir a seleção brasileira, Abel manteve uma mesma postura. Primeiro, disse que era muito novo para treinar uma seleção, depois afirmou que não tem “intenção nenhuma” de comandar o Brasil. Perto do fim do Brasileirão, argumentou que só sairia do Palmeiras se o clube lhe mandasse embora e que estava feliz no atual campeão nacional.

O perfil buscado pela CBF para suceder Tite é de alguém vencedor e que tenha identidade com o futebol nacional. Abel se encaixa nessa ideia, mas, segundo apurou o Estadão, não é o primeiro da lista. Outros estrangeiros como o italiano Carlo Ancelotti, multicampeão no futebol europeu, encabeçam a relação dos preferidos.

O presidente Ednaldo Rodrigues vai atrás de um técnico que saiba fazer a seleção jogar bonito e que encante o torcedor. A ideia de romper com o paradigma de sempre ter técnicos brasileiros no comando da CBF e contratar um estrangeiro agrada Ednaldo, desde que esse profissional “tenha competência e realmente um envolvimento com aquilo que o futebol brasileiro necessita”, nas palavras do mandatário.

A procura já começou, mas o sucessor de Tite só será anunciado em janeiro de 2023. As informações de que “emissários” do dirigente haviam sondado o estafe de Pep Guardiola e de alguns treinadores que atuam no País sempre foram negadas com veemência pela entidade.

Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA