20 artistas | 20 anos de história

O Museu Vale ganhou coloridos e detalhes com os trabalhos de 20 artistas capixabas e residentes no Espírito Santo

Museu Vale se transfigura na mostra que comemora os 20 anos da instituição

O Museu Vale completou 20 anos no último mês de outubro. Duas décadas dedicadas a cultura, formação de jovens e preservação da memória ferroviária. Ao todo, nesse período, o espaço abrigou 48 importantes exposições de arte contemporânea, entre mostras coletivas e individuais, de 215 artistas, nacionais e internacionais.

Desde a inauguração até o momento, foi contabilizada a presença de mais de 1,7 milhão de pessoas, entre integrantes de grupos escolares e visitantes espontâneos, além de outros. Como parte da programação em comemoração à data, foi aberta ao público no dia 31 de outubro a exposição “20/20” – mostra coletiva com artistas plásticos que fazem parte da cena atual da arte contemporânea do Estado Espírito Santo. Em destaque, a produção de nomes tanto da nova geração quanto dos veteranos. Nesse contexto plural, os criadores das obras, nascidos ou residentes no Estado, foram selecionados pelos curadores Ronaldo Barbosa, diretor do Museu desde a sua abertura, e Neusa Mendes, curadora institucional e membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte.

A mostra oferece uma discussão que permeia e dialoga entre artes visuais, literatura, tradição, diáspora, territorialidade, arquitetura, urbanismo, afetos, história da arte e ecologia. Características marcantes na trajetória do Museu, que se consolidou como aparelho cultural de destaque no Espírito Santo ao longo dessas duas décadas e como um dos mais importantes territórios de valorização da arte contemporânea do país.

A exposição, com entrada gratuita, traz trabalhos inéditos em múltiplas técnicas: instalações, fotografias, bordados, gravuras, grafite, pinturas, site specific e desenhos.
“A escolha privilegiou a potência, os processos e os contextos criativos de obras de 20 artistas que compartilham inquietudes conceituais e estéticas”, afirma Neusa Mendes. “As experiências artísticas das obras selecionadas propõem uma temporalidade expandida, procurando estabelecer um diálogo do momento contemporâneo, abrindo portas para que se levantem possibilidades inéditas e cambiáveis, em suas complexas e sofisticadas interligações”, completa Ronaldo Barbosa.

A fachada do galpão de exposições do Museu Vale recebeu novas cores pelas mãos do artista plástico e grafiteiro Fredone Fone

Os autores selecionados têm articulado colaborações e firmado estratégias comuns à produção e divulgação dos seus trabalhos por meio de editais, residências artísticas, bolsas de estudos, curso de graduação em artes visuais e mestrado teórico. “É perceptível a renovação que vem fortalecendo e fomentando a produção das últimas gerações. Através das formas de se relacionar e habitar o mundo pelo viés estético, os artistas incorporam e comentam a vida em suas grandezas e pequenezas, compartilham inquietudes conceituais e estéticas, configuram uma reinvenção da paisagem, na escala de suas ocupações poéticas, e por um itinerário correspondente à arte contemporânea”, diz Neusa Mendes.

Andréia Falqueto, Bruno Zorzal, Elton Pinheiro, Fernando Augusto, Fredone Fone, Gabriel Borém, Helio Coelho, Jocimar Nalesco, Juliana Pessoa, Leo Benjamim, Luciano Feijão, Luis Filipe Pôrto, Miro Soares, Poliana Dalla, Rafael Pagatini, Re Henri, Rick Rodrigues, Sandro Novais, Thiago Arruda e Vilar são os artistas que compõem “20/20”.

“Através dessa exposição, pretende-se contextualizar a produção contemporânea articulando arte, cultura e comportamento, assim como manter atualizado um diálogo entre a instituição museu e uma nova geração de artistas. A atualização dos museus em relação à produção contemporânea é fundamental na garantia de sua própria manutenção como órgão vital e contínuo, atento às mudanças que ocorrem no panorama nacional e internacional”, conclui Ronaldo Barbosa.

Com um calendário de exposições e a realização de um evento anual com temática voltada à discussão da arte contemporânea, o Museu Vale vem se destacando como um instrumento ativo no estímulo à multiplicidade, à diversidade de tendências e ao aprimoramento da produção artística local.

O museu por escrito

Durante a exposição, ocorreu o lançamento do livro “Museu Vale: 20 Anos”. Com tiragem de 1.500 exemplares, a publicação será distribuída gratuitamente para bibliotecas públicas do país e outras instituições. Seu conteúdo pretende preservar a memória corporativa centenária da história da construção da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), que se desdobrou eficazmente, pouco a pouco, nos vieses da arte contemporânea e da arte educação. Nessas duas décadas, baseado nesses três pilares em seu eixo norteador – memória patrimonial, arte contemporânea e arte educação –, o Museu Vale tornou-se uma das experiências mais notáveis no Brasil em termos de impacto social.

Gerido pela Fundação Vale, o espaço foi além de sua vocação inicial, direcionando a atuação também para a arte contemporânea, tornando possível que toda a sociedade capixaba tivesse acesso – e sem qualquer custo – a mostras de qualidade comparável aos melhores museus brasileiros e internacionais. Após a exposição inaugural, “Múltiplos”, de Joseph Beuys (1999), o prédio histórico que abrigava a antiga Estação Pedro Nolasco recebeu artistas como Antônio Manuel, com “Fantasma” (1999); Cildo Meireles, com a exposição “Babel” (2006); Waltercio Caldas, com “Salas e Abismos” (2009/2010); Irmãos Campana, com “Anticorpos” (2011); OsGêmeos, com “Fermata” (2011/2012); Vik Muniz, com mostra homônima (2015/2016), entre vários outros nomes de grande importância na arte contemporânea brasileira.

O Programa Aprendiz, criado em 2005, é um dos destaques da instituição: beneficia jovens das comunidades do seu entorno, capacitando-os em funções relacionadas à montagem de exposições, bem como aproveitando sua mão de obra durante a montagem das mostras que realiza anualmente. Até o momento 120 jovens foram beneficiados por meio do projeto. Hoje, o Museu Vale detém o Certificado de Excelência do site TripAdvisor pela qualidade do serviço prestado no âmbito cultural.

Ativos culturais

Os espaços artísticos patrocinados pela Vale refletem a diversidade da cultura brasileira: tradicional e contemporânea. As quatro estruturas estão distribuídas em três das cinco regiões brasileiras e foram concebidas de forma a promover e preservar as identidades culturais e manifestações artísticas de seus territórios. São elas: Museu Vale (Vila Velha-ES), Memorial Minhas Gerais Vale (Belo Horizonte-MG), Centro Cultural Vale Maranhão (São Luís-MA) e Casa da Cultura de Canaã dos Carajás (Canaã dos Carajás-PA).

Museu Vale
Exposição 20/20 e Lançamento do livro Museu Vale 20 anos
De 30/10/2018 a 25/02/2019
Endereço: Pátio da Antiga Estação Pedro Nolasco, s/n, Argolas, Vila Velha, Espírito Santo. CEP 29114-670Telefone: 55 (27) 3333-2484
www.museuvale.com
Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!