Por que o superávit da balança comercial caiu em janeiro?

Apesar do recuo no saldo da balança comercial, as exportações bateram recorde para meses de janeiro (Fotografia - CNI)

Apesar do recuo no saldo da balança comercial, as exportações bateram recorde para meses de janeiro

O crescimento das importações em ritmo maior que o das exportações fez o superávit da balança comercial cair em janeiro. No mês passado, o país vendeu para o exterior US$ 2,192 bilhões a mais do que comprou, recuo de 22,4% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Apesar da retração, esse é o terceiro melhor resultado para o mês, só perdendo para janeiro de 2006 (US$ 2,83 bilhões) e de 2018 (US$ 2,82 bilhões). No mês passado, o país exportou US$ 18,579 bilhões e importou US$ 16,387 bilhões.

Apesar do recuo no saldo da balança comercial, as exportações bateram recorde para meses de janeiro, tendo crescido 9,1% em relação ao mesmo mês do ano passado pelo critério da média diária. As importações, no entanto, aumentaram em ritmo maior, tendo subido 15,4% na mesma comparação, impulsionadas pela recuperação da economia.

As vendas de produtos básicos cresceram 10,1% na comparação entre janeiro de 2019 e janeiro de 2018 pelo critério da média diária. Os destaques foram milho em grão (crescimento de 56,6%) e algodão bruto (alta de 44,5%). As exportações de produtos semimanufaturados subiram 11,1%. As vendas de produtos industrializados aumentaram 15,2%, também pela média diária, puxadas por uma plataforma de extração de petróleo e por motores e turbinas para aviação.

Em janeiro, os preços médios das mercadorias exportadas caíram 4,27%. A quantidade exportada, no entanto, aumentou 19,41%, compensando a retração nas cotações das commodities (mercadorias primárias com cotação internacional).

Importações

Puxadas pelas mudanças no Repetro, que prevê a entrada no país de plataformas exportadas pela Petrobras, as importações de bens de capital (máquinas e equipamentos usados na produção) aumentaram 156,2% em relação a janeiro do ano passado. Também contribuíram para o crescimento as compras de veículos de carga, helicópteros e máquinas de impressão.

As importações de bens intermediários aumentaram 3,6%. Por outro lado, as compras de combustíveis e lubrificantes caíram 12,5% e a de bens de consumo, 3,5%.

Por causa do Repetro, regime especial de tributação para equipamentos da extração de petróleo, as estatísticas foram infladas por uma plataforma de petróleo, exportada por US$ 1,3 bilhão e importada por US$ 2,1 bilhões. Segundo o diretor do Departamento de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, sem a plataforma, as exportações teriam crescido 1,5% em janeiro, mantendo o recorde. As importações, informou o técnico, teriam subido 0,7%.

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2018 em US$ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019 motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 52 bilhões para este ano. Brandão informou que o Ministério da Economia não fará projeções oficiais para o saldo da balança comercial em 2019.

*Da redação com informações da Agência Brasil

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!