Debate econômico aponta ajuste fiscal e reformas para reforço da economia

Debate econômico aponta ajuste fiscal e reformas para reforço da economia
O governador discursou sobre o momento positivo da economia do Estado

Evento reúne o comentarista Gerson Camarotti, o ex-ministro Pedro Malan e o governador Paulo Hartung

O ano de 2018 é promessa de mudanças para o Brasil em nos cenários econômico e político. As eleições presidenciais acontecem em outubro e já vemos a organização de grupos e possíveis chapas para concorrer ao comando do País. Para debater as tendências futuras, o Sincades convidou importantes nomes desses setores em um evento em Vitória, nesta quinta-feira.

Participaram como palestrantes o cientista político e comentarista da Globo News, Gerson Camarotti, o governador Paulo Hartung e o economista e ex-Ministro da Fazenda, Pedro Malan.

O governador capixaba discursou sobre o momento positivo da economia do Estado, que entrou em recuperação e saiu tecnicamente da recessão. “Mas nós não somos uma ilha. Quando o Brasil afundou, levou todos com ele. Agora, se o Brasil não atrapalhar, o Espírito Santo vai ‘bombar’ nos próximos anos”, disparou.

Hartung afirmou que as contas de 2017 estão garantidas e que ele chega ao quarto ano de mandato com uma peça orçamentária equilibrada. O governador falou sobre um momento em que os extremos ganham força e centro da política aparece esvaziado e fora do jogo.

“O centro precisa montar um conjunto de ideias. É preciso um nome que tenha compromisso e saiba conversar com o brasileiros”, declarou. Hartung considera que apesar de polêmicas, são necessárias reformas, como a da previdência. “Impopular é deixar de fazer”.

Ajuste fiscal

Camarotti começou sua fala demonstrando a importância de observarmos o momento do Brasil após a eleição de 2002. Segundo ele, o ajuste fiscal que o governo do ex-presidente Lula prometeu, e assim o fez, deu segurança à economia. Mas, após eleger sua sucessora, Dilma, foi preciso pôr o pé no freio nas contas públicas, o que não aconteceu.

Ele destacou que é o momento de a população participar da discussão sobre as prioridades para o País. “Devemos esquecer o discurso fácil e cobrar a responsabilidade fiscal no debate entre os candidatos à eleição presidencial do próximo ano”, declarou.

Ele observa que o eleitorado brasileiro está desencantado com a política, mas que instituições públicas estariam garantindo o avanço da democracia. “Temos hoje uma nova geração na Justiça, na Polícia Federal e no Ministério Público. Essa ‘meninada’ tem feito pressão”, aponta.

Lideranças e reformas

Ex-ministro da Fazenda do governo Fernando Henrique Cardoso, Pedro Malan afirmou que a sociedade deve definir suas prioridades e entender que o estado não gera recursos.

Para ele, cada vez mais será necessário que os dirigentes políticos, principalmente de estados e municípios, tenham noção das finanças públicas, sem deixar tudo a cargo dos secretários da área econômica.

“Precisamos de lideranças corajosas e de uma opinião pública razoavelmente bem informada”, argumenta. Só assim seria possível para o País passar por reformas importantes. “A reforma da previdência é inevitável”, na visão dele.

10 anos do Sincades

O Sindicato do Comércio Atacadistas e Distribuidor do Espírito Santo (Sincades) comemorou os 10 anos da entidade com o evento Cenários Político e Econômico para 2018. O encontro aconteceu nesta quarta-feira (29), no Vitória Grand Hall, em Santa Luiza.

“É muito especial para nós, do Sincades, comemorarmos essa data e todas as conquistas do segmento atacadista ao lado de figuras que também fizeram a diferença nos últimos anos, tanto em âmbito nacional como para o cenário do nosso Estado”, disse o presidente do Sincades, Idalberto Moro.