18.2 C
Vitória
quinta-feira, 28 maio, 2020

Três em cada dez brasileiros conhecem uma pessoa que morreu pelo novo coronavírus

Leia Também

Mais de 11 mil casos confirmados do novo coronavírus no ES

Segundo o “Painel Covid”, administrado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), destes 6.334 já estão curados.

Golden Tulip Porto Vitória inaugura espaço exclusivo para lives

O objetivo é disponibilizar infraestrutura tecnológica de ponta para encontros virtuais, como shows e transmissões corporativas, além de ensaios de grupos musicais. 

“Blitz do Bem” entrega kits de limpeza e máscaras, na Serra

Nesta quarta-feira (27), uma equipe do Departamento de Operações de Trânsito (DOT), em parceria com a Guarda Civil Municipal e a Secretaria de Saúde do município, distribuiu kits de limpeza e máscaras de proteção.

Observatório online ajuda a fortalecer a gastronomia regional

Com coordenação e execução da instituição, o Observatório busca realizar ações de pesquisa e de documentação sobre as cadeias produtivas, os sistemas alimentares, e demais temas referentes à culinária.

O dado é da segunda edição de uma pesquisa sobre o impacto do coronavírus no Brasil. O trabalho foi realizado entre 18 e 21 de abril, quando as medidas de isolamento social já completavam um mês para algumas pessoas

Paula Felix (AE)

No fim de março, a analista de mercado Sandra Ratnieks, de 57 anos, acompanhou o desfecho mais extremo do novo coronavírus em sua família: um caso grave que acabou em morte. O marido de uma prima de segundo grau foi infectado e outros familiares acabaram pegando a doença. Ele, que tinha 58 anos, chegou a ser internado e parecia que se recuperaria, mas acabou morrendo após dez dias no hospital.

Um levantamento da Demanda Pesquisa e Desenvolvimento de Marketing apontou que três em cada dez brasileiros conhecem uma pessoa que morreu após ser infectada pela covid-19. O dado é da segunda edição de uma pesquisa sobre o impacto do coronavírus no Brasil. O trabalho foi realizado entre 18 e 21 de abril, quando as medidas de isolamento social já completavam um mês para algumas pessoas. O levantamento apontou ainda que apenas 10% dos entrevistados estão ficando em casa.

Sandra tem lembranças difíceis do momento que a família enfrentou nos últimos meses. “Foi uma situação bem triste. A família não podia vê-lo no hospital, só conseguia contato com o médico. O pior dessa doença é que você acha que a pessoa está melhorando e isso pode não ser verdade. Ele estava mal e ficou estável. A gente começou a ter esperança. Depois, veio a notícia de que ele tinha morrido. Isso dá uma angústia grande”, atesta.

Ela diz que, na família do marido, também houve a morte de um primo. Por causa do avanço da doença, a analista de mercado se mudou para Itatiba, no interior paulista, para ficar mais perto do pai, que tem 84 anos. “Meu marido e meus dois filhos estão em São Paulo. Vim para não deixar meu pai completamente sozinho. Já estava preocupada, mas, com essa morte, a ficha cai claramente. Se eu pegar, não sei se vai ser leve, grave ou se vou morrer. Não dá para vacilar.”

O dado sobre óbitos presente na pesquisa se refere a casos que foram confirmados. “Muita gente já tem conhecido que foi infectado ou, pior, que acabou morrendo. A pesquisa mostrou que 33% dos entrevistados conhecem alguém que morreu da doença.

Nós não tínhamos essa informação na outra verificação, de março. Esse novo dado veio em abril. Isso mostra que o coronavírus chegou perto das pessoas”, analisa Silvio Pires de Paula, presidente da Demanda.

Outros 8% afirmaram conhecer pessoas que morreram com suspeita de contaminação pelo vírus, mas que não foram confirmados. A primeira morte pela doença no Brasil ocorreu no dia 16 de março, de um homem de 62 anos, em São Paulo, e foi confirmada um dia depois.

Em relação aos casos da doença, 34% afirmaram que amigos tiveram confirmação de infecção pela doença por exames. Em relação a membros da família, esse número é de 7%. Outros 27% disseram que amigos e 9% que familiares receberam diagnóstico clínico, sem a realização de testes. Entre os que foram infectados, 1% disse ter recebido diagnóstico laboratorial e 2% tiveram diagnóstico clínico. Para a pesquisa, foram ouvidas 1.045 pessoas de todas as regiões do País. Elas responderam questionário online. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

A agente de viagem Paola Armelin Degaspari, de 38 anos, perdeu uma colega de trabalho, também agente de viagem. Aos 37 anos, a vítima tinha acabado de dar à luz no mês de abril. Ela ajudou em uma campanha para arrecadar fraldas, roupas e itens de enxoval para a recém-nascida, que não foi infectada, mas nasceu prematura e está internada na UTI.

“Ela precisou ser internada, porque estava grávida e tinha pressão alta. Dois dias depois que a filha nasceu, ela começou a passar mal, a sentir falta de ar. Foi testada e confirmou que estava com coronavírus. Foi muito triste e chocante.”

O empresário Rodermil Pizzo, de 54 anos, trabalhou durante 12 anos com a agente de viagem que morreu e participou da mobilização para ajudar a criança. Também colaborou para que a mãe dela, que mora em Florianópolis, se despedisse da filha. “Fizeram de tudo para salvar a vida dela. A mãe dela achava que a veria, mas só mostraram um caixão lacrado no cemitério da Vila Formosa. Como ela trabalhou por muitos anos na mesma empresa, as pessoas começaram a se movimentar para ajudar. Muita gente já ajudou com sacolas de roupas e de fraldas. A gente está separando o que é repetido para doar para outra criança que esteja precisando.”

Isolamento

Assim como na edição anterior, as pessoas se preocupam mais em não contaminar outras pessoas (69%) do que em serem infectadas pelo vírus (53%), mas os índices são menores do que os de março, quando os números eram 76% e 55%, respectivamente. Por região, a que mais tem preocupação é a norte do Brasil, que já apresenta colapsos no sistema de saúde. “A situação de Manaus assusta muita gente”, avalia o presidente da Demanda.

Em relação ao isolamento social, 36% dos entrevistados consideram as medidas rigorosas e adequadas. Para 35%, elas são brandas e deveriam ser mais rígidas. No recorte por idade, 59% das pessoas até 29 anos estão neste último grupo. “O que as pessoas estão dizendo é que querem medidas rigorosas. Apenas 2% afirmaram que são contra todas as medidas.”

Ocorre que as pessoas continuam saindo de suas residências. “Apenas 10% afirmaram que não estão saindo de casa e 85% disseram que só saem para atividades essenciais, como ir ao mercado.” Os demais informaram que vão à rua com a mesma frequência de antes. Entre as medidas de proteção, estão as visitas. O comportamento dos entrevistados muda quando o quesito é convidar pessoas para suas casas ou visitá-las.

“Mais que o dobro de pessoas que não convida para a própria casa, vai, às vezes, para a casa de outras pessoas. A pesquisa mostra que 10% evitam, mas ainda convidam. Mas 23% afirmam que estão frequentando a casa de outras pessoas.” Sobre os idosos, 76% dos entrevistados afirmaram que evitam visitá-los e 26% ainda se encontram com pessoas com mais de 60 anos.

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_176
Continua após publicidade

Fique por dentro

Pesquisa revela que o empresas capixabas de TI apostam na superação da crise causada pela pandemia

O foco foi identificar as principais dificuldades, sugestões e expectativas diante os desafios que a pandemia, provocada pela Covid-19, impôs ao mercado de tecnologia do Espírito Santo.

Marcos Troyjo é eleito presidente do Banco do Brics

Troyjo sucederá o indiano Kundapur Vaman Kamath, primeiro a comandar o NDB, criado na reunião de cúpula do Brics de Fortaleza, em 2014

Aneel tenta reduzir reajustes tarifários para ex-distribuidoras da Eletrobras

Os contratos de concessão dessas distribuidoras, que foram vendidas em leilões realizados há dois anos, previa a possibilidade de que os novos operadores pedissem Revisão Tarifária Extraordinária (RTE) para reconhecer os investimentos realizados na área de atuação das empresas

Com crise, mercado financeiro projeta rombo fiscal recorde este ano

Dados divulgados nesta segunda-feira, 25, pelo Banco Central mostram que a expectativa de déficit primário do setor público para o ano subiu de 7,80% para 8,00% do Produto Interno Bruto (PIB).

Vida Capixaba

Golden Tulip Porto Vitória inaugura espaço exclusivo para lives

O objetivo é disponibilizar infraestrutura tecnológica de ponta para encontros virtuais, como shows e transmissões corporativas, além de ensaios de grupos musicais. 

“Blitz do Bem” entrega kits de limpeza e máscaras, na Serra

Nesta quarta-feira (27), uma equipe do Departamento de Operações de Trânsito (DOT), em parceria com a Guarda Civil Municipal e a Secretaria de Saúde do município, distribuiu kits de limpeza e máscaras de proteção.

Observatório online ajuda a fortalecer a gastronomia regional

Com coordenação e execução da instituição, o Observatório busca realizar ações de pesquisa e de documentação sobre as cadeias produtivas, os sistemas alimentares, e demais temas referentes à culinária.

“Chapeuzinho Vermelho” é a próxima atração do Diversão em Cena ArcelorMittal

Produzido pela Companhia O Trem, o espetáculo terá música ao vivo, brincadeiras e muita interação: o elenco precisará da ajuda do público para contar a história.
Continua após publicidade