19.9 C
Vitória
sábado, 8 agosto, 2020

Precisamos falar (sempre) sobre democracia

Mais Artigos

LAVA JATO: correção de rumos ou ataque frontal?

O tabuleiro da política nacional incorporou no jogo os resultados da Operação Lava Jato, isso é inegável

A reforma tributária no Congresso Nacional

A reforma tributária é dos temas mais complexos a ser abordado pelos parlamentares

Dividendos “isentos” são taxados em 34%

No Brasil, com mais de 60 tributos federais, estaduais e municipais, uma empresa gasta, em média, 62,5 dias ou 1.501 horas ao ano para pagar impostos

Roleta russa na educação

Em Vitória, a Câmara de Vereadores discute a proibição da volta às aulas nas redes pública e privada, enquanto vigorar o decreto de calamidade pública devido à Covid-19

É interessante notar que a população tem pouco conhecimento a respeito do que realmente foi o regime militar no Brasil

“A democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais”. A frase do primeiro-ministro inglês Winston Churchill, proferida em 1947, continua atual. A partir de meados da segunda década do século XXI, uma onda populista ganhou força em todo o planeta. Esse movimento inevitavelmente chegou ao Brasil, e teve como ponto alto a eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

Hoje sob pressão, a democracia voltou ao centro do debate. Vasta literatura em ciência política tem sido produzida a respeito do tema, e também institutos de pesquisa de opinião pública têm se debruçado sobre ele. No caso brasileiro, em plena vaga bolsonarista e com o presidente e seus apoiadores ameaçando instituições como a imprensa, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional, a questão ganha ainda mais relevância.

Pesquisa do DataFolha, realizada nos dias 23 e 24 de junho último, mostra que o apoio à democracia cresceu no país. De acordo com o levantamento, 75% dos brasileiros consideram o regime democrático o melhor, contra 10% defendem uma ditadura. Em dezembro, na última pesquisa a abordar o tema, os índices eram de 62% e 12%, respectivamente. Ao que tudo indica, os ataques do titular do Planalto às instituições, que ganharam corpo em 2020, reforçaram o apreço popular à democracia.

Apesar dos arroubos presidenciais e do tensionamento do ambiente político, uma minoria acredita que o Brasil tem grandes chances de se tornar uma ditadura – 21%. Outros 49% veem nenhuma chance e 25%, um pouco de chance. Números idênticos aos de dezembro passado.

As fake news, por outro lado, geram mais apreensão. Para 81% dos entrevistados, a disseminação de notícias falsas contra o Judiciário e o Legislativo coloca em risco a democracia. Já manifestações de rua são tidas como um perigo por 68%. Assim, a CPMI das Fake News no Congresso Nacional e as investigações sobre a veiculação de notícias falsas pelo STF ganham respaldo popular.

É interessante notar que a população tem pouco conhecimento a respeito do que realmente foi o regime militar no Brasil, entre 1964 e 1985 – isso apesar do amplo apoio declarado à democracia. Por exemplo, 58% dos entrevistados desconhecem o assassinato do jornalista Vladimir Herzog, ocorrido em meados dos anos setenta e um episódio simbólico da ditadura. O caso Riocentro igualmente é pouco lembrado – 60% nunca ouviram falar.

A principal exceção, aqui, é a Guerrilha do Araguaia, com um ligeira maioria tendo conhecimento do evento (52%). Uma hipótese a ser considerada é a de que esse baixo grau de informação se deve, em larga medida, ao fato de que a população brasileira ainda é majoritariamente jovem e, portanto, não tem na memória informação suficiente a respeito dos chamados “anos de chumbo”.

É necessária uma ressalva teórica à pesquisa. Ao ser questionado, o eleitor responde o que está no topo de sua cabeça e, nos últimos tempos, os chamados formadores de opinião e as elites em geral têm reforçado os valores da democracia. Independente disso, é inegável o apoio majoritário ao regime democrático.

“Se Hitler invadisse o inferno, eu faria uma referência favorável ao diabo na Câmara dos Comuns”. Encerramos citando novamente Churchill. Em 1941, quando da invasão alemã à União Soviética, ele defendeu Stalin contra o nazi-fascismo. Hoje, essa posição precisa ser, mais do que nunca, reforçada, e a população parece disposta a apostar nela. Qualquer regime de exceção não condiz com os tempos que correm.

André Pereira César é Cientista Político e sócio da Hold Assessoria Legislativa

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Balança comercial tem superávit de US$ 8,060 bilhões em julho

O resultado de julho foi mais do que o dobro registrado no mesmo mês do ano passado, quando foi positivo em US$ 2,391 bilhões

Educação é a maior despesa dos municípios capixabas

Levantamento da 26ª edição do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, da Aequus Consultoria, publicado em julho de 2020, traz um apanhado detalhado da gestão...

Iluminação de Vila Velha: confira resultado do leilão

O parque de iluminação pública de Vila Velha (ES) será ampliado e modernizado pelo Consórcio SRE – IP Vila Velha, pelos próximos 20 anos.

Dia dos Pais: 47,8% das pessoas comprarão presentes on-line

De acordo com uma pesquisa, 57,6% das pessoas entrevistadas pretendem celebrar o Dia dos Pais; 21,5% ainda estão na dúvida sobre comemorar ou não.

Vida Capixaba

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...

Curso gratuito de gestão

Empresa de tecnologia lançou o treinamento para formação de gestores com foco ERP devido a carência de bons gestores com capacidade para desenvolver o...

Espaço Baleia Jubarte reaberto

O Projeto Baleia Jubarte e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, junto com o Projeto TAMAR, prepararam um protocolo de segurança específico para o Espaço Baleia Jubarte e Centro de Visitantes

Novas pinturas do Homero Massena são descobertas

Uma equipe que trabalha na reforma e conservação do Museu Homero Massena, teve uma supresa! Por trás de várias camadas de tinta de uma...