29.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Portos do ES que mais exportaram em 2023

O Terminal de Tubarão ficou na liderança com a movimentação de quase 76 milhões de toneladas. Portos de Praia Mole e Ubu vêm na sequência; veja o Top 11

Por Daniel Hirschmann e Kikina Sessa

Desempenhando um papel fundamental na economia do Brasil, os portos impulsionam o comércio internacional, conectando o país ao mercado global desde os tempos coloniais. Essa importância é demonstrada pelos dados do Estatístico Aquaviário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), que registram um aumento de 6,9% na movimentação dos portos brasileiros em 2023.

- Continua após a publicidade -

Da mesma forma, os portos do Espírito Santo tiveram aumento de 8,40%, em relação a 2022, na movimentação de seus terminais. Dentre os portos localizados no estado, o mais demandado é o Terminal de Tubarão, que movimentou 75,996 milhões de toneladas em 2023, sendo 69,1 milhões de minério de ferro e 4,1 milhões de soja, além de valores menores em adubos (fertilizantes), petróleo e derivados e produtos químicos inorgânicos.

Segundo a Antaq, foi o terceiro maior volume entre os portos brasileiros. A movimentação do terminal caracteriza-se como de longo curso, embora haja uma pequena participação do transporte de cabotagem.

Operada pela Vale S.A., a instalação ocupa uma área de 18 km² em Vitória, com quatro terminais marítimos – minério de ferro, Praia Mole, produtos diversos e granéis líquidos – utilizados para transportar minério de ferro, pelotas, carvão, grãos, fertilizantes e líquidos a granel. São seis berços, 11 pátios, 14 armazéns e dois silos. A profundidade máxima do canal de acesso é de 25,30 metros. O navio de maior capacidade é o Valemax, de 400 mil TPB (toneladas de porte bruto).

O Terminal de Tubarão tem acesso ferroviário a suas instalações pela Estrada de Ferro Vitória-Minas (EFVM), que permite a conexão entre os polos produtivos de Minas Gerais e o Oceano Atlântico, principalmente por meio do porto de Vitória e do Terminal de Tubarão.

No mesmo complexo portuário, está o segundo porto que mais movimentou cargas em 2023 no ES: o de Praia Mole. Administrado pela ArcelorMittal, o terminal movimentou 10 milhões de toneladas (peso de carga bruta). Com calado de 14,60 metros, ele possui 700 metros de cais.

Vocação exportadora em Ubu

Porto de Ubu embarca 33 milhões de toneladas de pelotas de minério por ano. Foto: Jeferson Roccio
Porto de Ubu embarca 33 milhões de toneladas de pelotas de minério por ano. Foto: Jeferson Roccio

Em Anchieta, no litoral sul do Estado, o Terminal Marítimo Ponta Ubu, da Samarco, conhecido como Porto de Ubu, é destinado a embarcações de navios que transportam as pelotas e finos de minério de ferro produzidos pela empresa. O porto tem condições de receber navios de até 210 mil toneladas e o seu carregador (shiploader) tem capacidade de 12 mil toneladas por hora. A capacidade de embarque anual é de cerca de 33 milhões de toneladas. Por ser um porto abrigado, com quebra-mar, protege as embarcações da incidência direta das ondas e correntes.

O primeiro embarque no Porto de Ubu foi de pellet feed (finos de minério de ferro), em agosto de 1977, marcando o fim da fase de instalação da Samarco. Desde a retomada das operações, em dezembro de 2020,  até dezembro de 2023, foram embarcados 259 navios. A paralisação se deu por conta do rompimento da barragem da mineradora em Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015.

O Porto de Ubu assegura a vocação exportadora da empresa, viabilizando as embarcações e comercialização dos produtos para clientes nas Américas, Ásia, Europa, Oriente Médio e África, e também o atendimento ao mercado interno.

Movimentação em toneladas dos portos do ES

*Matéria publicada originalmente na revista ES Brasil 221, em maio de 2024. Leia a edição completa aqui.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA