22.7 C
Vitória
terça-feira, 16 abril, 2024

Peru: sobe para 17 número de mortos em confrontos entre manifestantes e policiais

No momento, o aeródromo está sob proteção policial e militar. Uma tentativa de aquisição semelhante ocorreu no sábado, mas sem mortes

O número de mortos nos confrontos entre policiais e manifestantes opositores da presidente do Peru, Dina Boluarte, subiu para 17 no final da noite desta segunda-feira, 9 Os conflitos ocorrem na cidade de Juliaca, sul do país. O grupo pede a convocação de novas eleições gerais após o ex-presidente Pedro Castillo ser destituído do cargo por tentar um golpe de Estado.

A série de violências começou após os manifestantes tentarem ocupar o aeroporto da cidade. O número de óbitos passou de 12 para 17 nas últimas horas depois da morte de cinco dos quase 40 feridos registrados. De acordo com o responsável de saúde do Hospital Carlos Monge, para onde foram transferidas as vítimas, elas foram socorridas com marcas de projéteis no corpo.

- Continua após a publicidade -

“O que está acontecendo é um massacre entre os peruanos, peço que se acalmem, não se exponham”, exclamou o prefeito de Juliaca, Oscar Cáceres, em um apelo desesperado à população por meio da rádio La Decana, daquela localidade. Com o novo balanço, o quantitativo de pessoas mortas nas manifestações chega a 39 em quase um mês de protestos.

As ações violentas desta segunda-feira ocorreram quando uma multidão de cerca de duas mil pessoas tentou invadir o aeroporto da cidade de Juliaca, localizada 1,3 mil quilômetros ao sul de Lima, na região de Puno. “Hoje, mais de nove mil pessoas se aproximaram do aeroporto de Juliaca e aproximadamente duas mil delas iniciaram um ataque impiedoso contra a polícia e as instalações, utilizando armas improvisadas e cargas duplas de pólvora, gerando uma situação extrema”, disse o chefe de gabinete Alberto Otárola.

No momento, o aeródromo está sob proteção policial e militar. Uma tentativa de aquisição semelhante ocorreu no sábado, mas sem mortes. “Os policiais estavam atirando em nós (…) pedimos que a senhora Dina (Boluarte) renuncie (…) aceite que o povo não te ama”, disse um manifestante à AFP.

Repercussão

Ministros peruanos lamentaram as mortes ocorridas em Juliaca. Em declaração no Palácio do Governo, o ministro da Defesa, Jorge Chávez, lamentou “a morte de gente que ocorreu hoje em Juliaca nesta inútil briga de violência”, em referência aos 17 mortos no dia. Ele afirmou que “hoje a violência foi exacerbada a níveis criminais” e que os manifestantes usaram armas de fogo e explosivos contra a Polícia Nacional, que até agora registrou 75 policiais feridos, segundo indicou.

protestos_peru_ESBrasil
Protestos anti-golpe manifestam contra pessoas assassinadas pela Polícia – Foto: Reprodução/twitter

“Durante cinco dias, a Polícia Nacional sofreu todos os tipos de ataques, os cidadãos foram presos no aeroporto de Juliaca, privados de sua liberdade diante de um ataque fora do aeroporto”, disse o ministro da Defesa. No entanto, Chávez assegurou que “as forças de ordem têm atuado no âmbito de seus poderes” e têm se mantido “firmes”, mas com “prudência”.

Por sua vez, o ministro do Interior, Víctor Rojas, garantiu que “o objetivo de quem protesta é chegar a Lima” e “criar o caos”. Ele informou que cerca de 9 mil pessoas começaram, nesta segunda-feira, a perseguir a polícia em Juliaca, usando coquetéis molotov e explosivos caseiros conhecidos como “avelãs” “O aeroporto foi controlado. O objetivo de entrar no terminal aéreo não foi alcançado”, disse o ministro, mas acrescentou que espera que “este assédio pare” porque “o objetivo é chegar a Lima”.

Rojas lamentou que “há compatriotas mortos. Esse é o objetivo deles, criar caos após caos”. Ele ainda afirmou que, na recente viagem que fez a Puno, região onde fica Juliaca, tentou se reunir com os líderes dos protestos e com o governador regional, mas eles “fecharam a porta”.

Como resultado das manifestações de protesto no país, atualmente existem 44 pontos interrompidos e nove restritos, que incluem rodovias e ferrovias, além do fechamento dos aeroportos de Juliaca e Ayacucho, conforme indicado, por sua vez, pelo Ministro dos Transportes , Paola Lazarte.

A chefe da Saúde, Rosa Gutiérrez, pediu aos manifestantes que permitissem a chegada de uma ambulância aérea a Juliaca para transferir 28 pacientes que precisam ser operados em Lima devido à complicação de seus ferimentos. Gutiérrez informou que mais de 15 ambulâncias foram danificadas desde o início dos protestos, em dezembro passado, até o momento.

Evo Morales

Enquanto o país mergulha em uma grave crise institucional e política com manifestações e bloqueios de estradas, o governo de Boluarte proibiu, na segunda-feira, o ex-presidente boliviano Evo Morales de entrar no Peru até segunda ordem por “intervir” nos assuntos políticos internos do país. “Foi decretado o registro do impedimento de entrada no país, através de todos os postos de controle de imigração, de nove cidadãos de nacionalidade boliviana, incluindo o senhor Juan Evo Morales Ayma”, disse o Ministério do Interior.

Morales expressou seu apoio aos protestos contra o governo Boluarte, que eclodiram após a destituição e prisão de seu antecessor Pedro Castillo. Puno, a região peruana de Aymara, na fronteira com a Bolívia, tornou-se o epicentro dos protestos com uma greve por tempo indeterminado desde 4 de janeiro. De lá, é organizada uma marcha até a capital peruana que deve chegar por volta de 12 de janeiro, segundo diversas convocações de grupos sociais, que reúnem principalmente camponeses.

O anúncio contra Morales coincide com novos protestos e bloqueios de estradas em seis das 25 regiões do país, onde os manifestantes exigem a renúncia de Boluarte, a convocação de uma Assembleia Constituinte e a liberdade do presidente deposto Pedro Castillo. “Nos últimos meses, foram identificados cidadãos estrangeiros de nacionalidade boliviana que entraram no país para realizar atividades de proselitismo político, o que constitui uma clara afetação à nossa legislação migratória, à segurança nacional e à ordem interna do Peru”, acrescentou o ministério para justificar a decisão.

Morales, que presidiu a Bolívia entre 2006 e 2019, tem presença ativa na política peruana desde que o ex-presidente Castillo chegou ao poder em julho de 2021 até sua destituição em 7 de dezembro. Castillo foi deposto após um golpe fracassado e cumpre 18 meses de prisão decretada.

Morales lamentou no Twitter a decisão do governo peruano de impedi-lo de entrar no país e alegou que a medida busca “distrair e evitar” as responsabilidades pelas “graves violações” dos direitos humanos.

Por outro lado, as autoridades peruanas sustentam que Morales pretende dividir o território do Peru, promovendo a secessão por meio da criação de “Runasur”, região andina que supostamente incluiria parte dos Andes peruanos do sul com a Bolívia.

“O único separatismo no Peru é causado pelo racismo, exclusão e discriminação dos grupos de poder de Lima contra seu próprio povo. No fundo, a direita não aceita que os indígenas, vilipendiados por sua cor, sobrenome ou local de origem chegaram ao poder”, respondeu Morales no fim de semana.

No ano passado, o parlamento controlado pela direita declarou Morales persona non grata. A proibição de sua entrada no Peru foi exigida pelo Congresso, que se tornou o principal ponto de apoio a Dina Boluarte. Os protestos contra o atual governo recomeçaram no dia 4 de janeiro, após uma breve trégua nas férias de final de ano.

Nesta segunda-feira, os manifestantes mantiveram bloqueios de estradas em seis dos 24 departamentos do país, incluindo áreas turísticas como Puno, às margens do Lago Titicaca; Cuzco, Arequipa, Madre de Dios, Tacna e Apurímac.

Embora se considere de esquerda, Boluarte é vista como uma “traidora” pelas comunidades e militantes que apoiam Castillo. Os setores da direita que antes promoviam sua queda agora a apoiam.

Com informações de Agência Estado e agências internacionais

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA