18.3 C
Vitória
terça-feira, 23 DE julho DE 2024

Obras da barragem de Pinheiros – Boa Esperança são retomadas

Obras da barragem de Pinheiros - Boa Esperança são retomadas

O investimento feito pelo Governo do Estado é de R$ 4,9 milhões e o prazo para o término das obras é de 240 dias

As obras da barragem de Pinheiros – Boa Esperança, localizada no Rio Itauninhas, foram retomadas no final do mês de maio, após ficarem mais de dez anos paradas. A represa, que começou a ser implantada em 2003, em uma parceria entre a Prefeitura de Pinheiros e o Governo Federal, é a maior do Espírito Santo e tem capacidade de armazenamento de 17 bilhões de litros de água.

- Continua após a publicidade -

A retomada das obras se deu neste ano por meio do Programa de Construção de Barragens, coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag). “Essa barragem é uma ação muito importante, principalmente para os períodos de forte estiagem como estamos vivenciando. Porém, é necessário alertar a população, pois mais importante que os reservatórios é a preservação da cobertura florestal e proteção das nascentes. Temos que mudar nossa relação de consumo com a natureza”, destacou o governador Paulo Hartung.

Obras da barragem de Pinheiros - Boa Esperança são retomadas

O secretário de Estado da Agricultura, Octaciano Neto, reforçou a importância da conclusão da obra para a população dos municípios que estão à volta da barragem. Ele também destacou a importância da preservação e do reflorestamento da mata nativa da região para auxiliar a reservação hídrica. “Antigamente, a política do Estado para abrir portas para a agropecuária era desmatar. Hoje, com o avanço das tecnologias e das pesquisas, nossa política é reflorestar e reservar água”. 

Fotos: Fred Loureiro/Secom-ES

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA