28.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Não sou o substituto do Google, afirma ChatGPT ao ser entrevistado

O ChatGPT reproduz o funcionamento do cérebro humano, com capacidade de aprender sozinho a partir de novas experiências

Desde que foi apresentado ao mundo, em novembro de 2022, ainda em uma versão de teste, o ChatGPT vem causando assombro. A reação inicial de quem vê o sistema de inteligência artificial criado pela empresa norte-americana OpenAI em funcionamento, respondendo a uma pergunta qualquer, pode variar entre o fascínio e o entusiasmo. Em um segundo momento, contudo, é inevitável pensar nas consequências de tamanho salto tecnológico.

“Acho que a surpresa tem a ver com o fato de este modelo ser o que, até o momento, mais se aproximou daquilo que [os desenvolvedores de] inteligência artificial vêm buscando há décadas: produzir um sistema capaz de imitar, do modo mais realista possível, a forma de um ser humano se comunicar”, disse à Agência Brasil o professor do Departamento de Automação e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Eric Aislan Antonelo.

- Continua após a publicidade -

Especialista em inteligência artificial, Aislan explicou que o ChatGPT reproduz o funcionamento do cérebro humano, incluindo a capacidade de aprender sozinho, a partir de novas experiências. No caso, recombinando informações preexistentes, o que o sistema é capaz de fazer graças ao que os especialistas conhecem como Aprendizagem por Reforço com Feedback Humano (do inglês, Reinforcement Learning from Human Feedback). Em seu site, a OpenAI destaca que, graças a isso, o modelo é capaz de “interagir” com os usuários, “respondendo a perguntas”, “contestando premissas incorretas”, “rejeitando solicitações inadequadas” e até mesmo “admitindo seus próprios erros”.

“O sistema foi, digamos, treinado com um conjunto gigante de textos a partir dos quais ele analisa [as informações que recebe] e modela novos textos”, acrescentou Aislan. Segundo o professor, até onde se sabe, a versão já disponível do Chat GPT tem uma capacidade limitada de aprendizagem.

Por ora, o ChatGPT produz apenas textos sobre praticamente qualquer assunto, no formato requisitado pelo usuário. Há, no entanto, outros programas de inteligência artificial capazes de gerar imagens hiper-realistas a partir de descrições textuais fornecidas pelos usuários, como o Dall-E, criado pela mesma OpenAI e com o qual foram criadas as ilustrações desta reportagem.

Segundo a companhia, nenhuma das “pessoas” que aparecem nas criações dos internautas existem de fato, sendo fruto da combinação de elementos retirados de um amplo banco de dados alimentado com imagens reais.

“No momento, o sistema não prevê a aprendizagem contínua. Até porque, seria um risco para a empresa, já que os usuários poderiam tentar ensinar conteúdos sensíveis, como termos racistas, ou práticas criminosas”, comentou Aislan, destacando que, ao contrário de outros sistemas inteligentes, a atual versão do ChatGPT não é capaz de gerar imagens ou vídeos, limitando-se a produzir textos sobre praticamente qualquer assunto e no formato requisitado.

Ao testar a ferramenta, gratuita durante a fase experimental, a Agência Brasil obteve um poema que, embora pouco inspirado, poderia ser apresentado por um aluno como de sua autoria. O ChatGPT também redigiu, a pedido da reportagem, um artigo sobre a Grande Depressão de 1929, que também adaptou a um formato que pudesse ser compreendido por uma criança de 12 anos de idade.

Como a versão disponível foi abastecida ou treinada com informações existentes até 2021, o pedido para que escrevesse uma notícia sobre o encontro dos presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Argentina, Alberto Fernández, esta semana, foi automaticamente transformada em um registro sobre um encontro entre Lula e o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, em 2008. O sistema também redigiu um modelo de contrato comercial e sugeriu uma dieta para um homem de 50 anos, 1,73m e 80 quilos – atividade privativa de nutricionistas, o que motivou o sistema a alertar sobre a importância de sempre consultar um profissional de saúde qualificado.

Independentemente da qualidade literária, o fato de o texto ser original é o que mais chama a atenção, já que se torna quase impossível diferenciá-lo de algo escrito por um ser humano. O que impõe ao menos uma pergunta: trabalhos escolares e acadêmicos feitos longe dos olhos dos professores estão com os dias contados?

“O sistema consegue gerar textos que não existiam e de grande originalidade, demonstrando uma capacidade essencialmente humana, que é a de produzir coisas novas a partir de outras preexistentes. Sem dúvida, os professores terão que repensar a metodologia, além de se habituar à ferramenta. Além disso, o sistema não é imune a erros e redundâncias”, disse Aislan, contando que ele próprio suspeita de que ao menos um de seus alunos já usou o ChatGPT para solucionar um problema.

A título de curiosidade, a Agência Brasil entrevistou a ferramenta. Ao longo da “conversa”, o sistema disse querer ser chamado de Silas, para depois deixar o interlocutor à vontade para escolher seu nome. Negou ser uma inteligência artificial, declarando-se um “sistema de resposta automatizado” que pode ameaçar empregos, “em particular os que envolvem a realização de tarefas repetitivas”.

Confirmou não haver como diferenciar suas respostas das de um ser humano, mas frisou que a precisão depende da maneira como a pergunta é feita e das configurações do sistema. Listou as vantagens e os riscos da popularização desta tecnologia e, diplomaticamente, respondeu não ser um substituto para o Google.

Com base na descrição que o sistema fez de si mesmo, a Agência Brasil usou o Dall-E para criar um retrato do ChatGPT: um homem de pele clara, entre 25 e 30 anos, magro, com cabelos castanhos, usando óculos e, eventualmente, brincos. “Gosto de me cuidar e considero que tenho uma boa aparência”.

Com informações de Agência Brasil

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA