20.9 C
Vitória
quarta-feira, 12 junho, 2024

Milei critica Senado por rechaçar decreto com reformas

Ao comentar o revés sofrido pelo governo no Senado, Milei afirmou que a votação deixou claro ‘quem são os que estão contra os argentinos’

O presidente da Argentina, Javier Milei, criticou o Senado por ter vetado, na noite desta quinta-feira, 14, seu Decreto de Necessidade e Urgência (DNU), mas lembrou que o texto segue válido. Para que não vigore, a Câmara dos Deputados também teria de rechaçá-lo. Durante entrevista à rádio La Red, Milei disse que a derrota no Senado era esperada, mas ele criticou os legisladores pelo que considera um “padrão de obstrução” a seu governo.

Segundo Milei, alguns pontos de sua plataforma não são negociáveis, como o déficit fiscal zero. Questionado sobre a derrota no Senado, por um lado ele comentou que “essas são as regras do sistema democrático” e é natural que ocorra alguma “lentidão” nesses processos. Ao mesmo tempo, o presidente considerou que a votação deixou claro “quem são os que estão contra os argentinos”. Não há data para a Câmara votar o tema.

- Continua após a publicidade -

Milei ainda comentou que há negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para um eventual novo acordo. O presidente confirmou que isso poderia incluir novos fundos para o país. Milei disse que poderia haver o recebimento de dinheiro outras fontes, como outras nações, para ajudar a estabilizar a economia argentina. Ele reafirmou que, caso consiga US$ 15 bilhões, poderia acabar com os controles cambiais no país.

Sobre a inflação, Milei disse que março é “um mês extremamente complicado” para a trajetória dos preços, com reajustes previstos em várias frentes. Ao mesmo tempo, afirmou que o país está “cada vez mais perto” de uma inflação em apenas um dígito, na leitura mensal. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA