17.7 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

‘Meu desafio no Brasil é arrumar estrutura do futebol feminino’, diz Pia Sundhage

Pia comenta sobre seu trabalho à frente da seleção, sobre as perspectivas para a Finalíssima diante e, principalmente, sobre Copa do Mundo

Prestes a completar quatro anos à frente da seleção brasileira feminina, a sueca Pia Sundhage está cautelosa, mas otimista quanto ao potencial do time para a Copa do Mundo, que acontece no meio do ano na Austrália e na Nova Zelândia.

A treinadora assumiu o Brasil após o último Mundial com a missão de fazer a transição entre a velha guarda – que contava com Formiga, Andressa Alves e Cristiane – e a nova geração. O time se renovou, ganhou um novo padrão de jogo, conquistou a Copa América e, nas próprias palavras de Pia, tem o céu como limite.

- Continua após a publicidade -

Nesta entrevista exclusiva ao Estadão, a treinadora comenta sobre seu trabalho à frente da seleção, sobre as perspectivas para a Finalíssima diante da Inglaterra e, principalmente, sobre Copa do Mundo e o futuro da seleção feminina.

De quebra, ela ainda rende muitos agradecimentos por poder trabalhar com Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo. “Sou totalmente grata pelo que ela pode nos ajudar, realmente Marta é única. Eu me dou o direito de aproveitar cada momento, cada dia com ela.”

Como a Finalíssima diante da Inglaterra e o amistoso com a Alemanha servem de parâmetro para a Copa do Mundo?

Com certeza, teremos algumas respostas. Se você joga com os melhores times, você saberá onde está tendo sucesso e com certeza saberá onde precisa trabalhar ainda mais para melhorar em busca do objetivo. Jogar contra dois bons times, especialmente a seleção inglesa, nos deixa felizes e será uma boa experiência para todos nós. Creio que qualquer um que viu o jogo entre Alemanha e Inglaterra, na decisão da Eurocopa feminina, dirá que foi um grande jogo de futebol. Isso significa que teremos duas chances de receber respostas e avaliá-las para saber se precisamos trabalhar mais ainda, ou se podemos nos concentrar em coisas novas. E teremos avaliações individuais. Eu estou realmente feliz e agradecida de poder jogar com duas grandes seleções antes da Copa do Mundo.

Qual o potencial da seleção brasileira para a Finalíssima?

Penso que a Inglaterra tem uma conexão de equipe muito forte. Eu não vou lhe dizer, mas existem coisas que nós também somos muito boas fazendo e você verá no jogo. Nós precisamos lidar com as principais jogadoras delas, com organização, para bloquear as jogadas de ataque. Acredito que temos confiança para isso, não permitindo que elas entrem na nossa área. Se conseguirmos isso, temos uma boa chance de vencer. No ataque, existe uma pequena diferença que leva a jogadas geniais ou a jogadas ruins. Precisamos ter um controle, um equilíbrio nas decisões. Penso que se isso acontecer temos boas chances nas duas partidas, diante de Inglaterra e Alemanha.

E para a Copa do Mundo?

Eu gostaria muito que tivéssemos um pouco mais de tempo. Existe uma série de coisas que gostaria de trabalhar um pouco mais. Outro fator que preciso dizer sobre a Finalíssima é que na partida com a Inglaterra elas não terão ‘jet lag’. Nós teremos jogadoras do Brasileirão e dos Estados Unidos, e isso significa ter ‘jet lag’. Precisamos ter muito cuidado em ver quem vai jogar. No caso da Copa do Mundo, isso não existirá, porque todos estarão iguais. Quando eu treinei a Suécia, nunca tive este problema porque todos os jogos eram perto. Com o Brasil, é um fator quase sempre. Precisamos ser inteligentes nos jogos com a Inglaterra e a Alemanha. Na Copa, temos uma chance. Sou uma pessoa que tem pensamento positivo e vou fazer com que as atletas também acreditem nisso. Vamos tentar botar para quebrar na Austrália.

Como você vê a seleção brasileira do momento em que você chegou e agora?

É bem diferente agora por causa das mudanças. Não temos mais Bárbara, Formiga, Cristiane e Andressa Alves, que eram experientes. Mas temos Nycole, que vem jogando em Portugal, Kerolin, Adriana. Penso que estamos jogando de uma maneira parecida defensivamente, em um 4-4-2 que lembra a forma como a seleção sueca se defende. Jogando dessa forma, conseguimos fazer um bom papel defensivo na Olimpíada (de Tóquio) mesmo com jogadoras mais jovens, em que tivemos de acelerar os processos. No ataque está um pouco diferente por causa da técnica, das combinações e da dinâmica, principalmente no nosso meio de campo

Você comentou sobre não termos Formiga, Andressa Alves e Cristiane. Hoje, a seleção brasileira é muito mais nova do que quando você chegou. Como você vê esse processo de renovação?

Olhando para o plano de jogo da seleção, quando nós renovamos a equipe, pensamos, analisamos e, na minha opinião, acabamos encontrando respostas pelo centro do campo. Vimos jogadoras jovens, sem experiência, mas com boa condição técnica e que realmente eram muito boas. Além disso, conseguimos Rafaelle e Tamires na defesa, o que fez um mix de idades. Penso que, neste momento, seja qual for a escolha técnica para o time, nós temos uma ideia de jogo, um planejamento do que queremos. A partir de agora, qualquer jogo ou treino que teremos será para que as jogadoras tenham ainda mais confiança para fazer o que sabem. Se você acredita em algo, não importa o que seja, pode acontecer. Nós vamos para os dois próximos jogos sabendo que podemos vencer e vamos buscar isso, mesmo com a dificuldade. O mesmo acontecerá na Copa do Mundo. Sabemos que podemos vencer o primeiro jogo (diante do Panamá), o segundo jogo será contra a França… O limite é o céu. Teremos dificuldades, mas todas as equipes e todas as pessoas têm dificuldades. Acredito que se jogarmos o nosso melhor futebol, vamos ganhar uma medalha. Acredito que meu trabalho é fazer cada atleta não só acreditar em si, mas acreditar em todas as companheiras e também na comissão técnica. O que eu posso dizer para todos é que tenham atenção no Brasil, porque existe a chance.

Quando você chegou, o Brasil tinha a Marta, ainda tem, mas existe vida na seleção sem ela?

Cedo ou tarde ela vai ter de parar ou diminuir um pouco. Eu tenho de dizer que, durante a minha carreira, eu me machuquei como ela. Quando voltei da lesão, estava agradecida, e ela, na minha opinião, parece estar totalmente cheia de energia. Ela é uma atleta que joga para o time. Hoje ela não é tão rápida ou intensa quanto era em 2008, quando enfrentei o Brasil como treinadora, mas ela está ainda mais rápida no pensamento e ainda mais inteligente. No jogo em si, dar o último passe é uma das coisas mais difíceis hoje em dia, por causa da velocidade e dinâmica, e ela é uma das que podem ajudar o time com esse passe nesse momento do jogo. Sou totalmente grata pelo que ela pode nos ajudar, realmente Marta é única. Eu me dou o direito de aproveitar cada momento, cada dia com ela.

Olhando para o time brasileiro, temos dois problemas de lesão com a Lorena e a Ludmila. Como você imagina a seleção sem essas duas peças?

Eu lamento muito a lesão da Ludmila e o tempo que ela ficará fora. Ela não domina completamente todas as funções de sua posição, mas ela é totalmente dominante em uma característica importante para nós, que é a velocidade. Ela mostrou isso na Olimpíada diante da Holanda, e agora não teremos isso na Copa do Mundo. Espero ter na Olimpíada (de Paris-2024). Olhando para o elenco, apesar de não ter essa característica dela, conseguimos ter atletas que nos ajudam de outras formas e precisamos nos adaptar para isso. Sobre a Lorena, ela vai voltar a tempo. O bom quando falamos de goleiras é que sempre teremos mais de uma e todas trabalham da mesma maneira. Eu estou muito feliz pela forma como o nosso preparador de goleiras tem trabalhado com todas. Sim, é verdade que não teremos Lorena para esses dois jogos de agora, mas temos a Lelê, que está conosco há muito tempo e vai nos ajudar na função.

Você é a primeira técnica estrangeira a comandar a seleção brasileira. Agora, provavelmente, acontecerá o mesmo na seleção masculina. Quais são as dificuldades, os desafios de se treinar no Brasil?

Treinar no alto rendimento é difícil. Não é só a língua, mas a cultura também interfere. Claro que existe uma razão para que a CBF tenha escolhido um estrangeiro, que é o fato de que buscam uma mudança e diferentes tipos de experiência. Esse é um dos motivos pelos quais eu estou aqui. Eu preciso compartilhar as minhas ideias e minha experiência. Mas, da mesma maneira que eu preciso buscar as atletas e fazer isso, preciso me colocar no lugar dos brasileiros. Isso leva tempo, com toda a certeza leva tempo. Eu não sou mais a mesma treinadora que fui na Suécia e nos Estados Unidos, está tudo diferente. Tudo isso acontece bem se as jogadoras abrirem a mente e eu também abrir a mente. Essa é uma das coisas que eu penso que foi muito bem na Suécia, nos Estados Unidos e também aqui no Brasil.

Qual é o seu maior desafio na seleção brasileira?

Sempre disse que o maior desafio para mim e para minha comissão técnica aqui no Brasil era arrumar a estrutura e a organização, não só no campo, que está indo muito bem, mas também fora dele. Me preocupo como faremos para ir de palavras para ações. Eu não tenho dúvidas de que é necessário avanços para se ter certeza que as coisas estão acontecendo, porque tudo leva tempo. Eu venho da Suécia e somos experts em organização. Acredito que a treinadora da Suécia hoje tem tudo muito mais planejado para a Copa do Mundo e para a Olimpíada do que eu tenho hoje. Lá eles planejam para ter sucesso, e é uma expressão que eu gostaria de usar aqui também, mas é preciso ter paciência. Com paciência as coisas acontecem, cedo ou tarde.

O que você gosta de fazer em seu tempo livre?

Eu me considero uma pessoa sortuda. Um dos meus primeiros presentes foi um violão, e eu sempre estive com ele. Onde eu moro é próximo do mar, da praia, então eu consigo ver o mar. Todas as manhãs eu vou para a academia para fazer meus exercícios e consigo passar na praia. Depois da praia, eu me sinto pronta para o dia, e é muito importante para mim essa rotina. O Brasil é um país quente, com pessoas que são quentes, e meu trabalho envolve uma pressão muito grande. Então, eu preciso ter meus momentos para desligar. Isso acontece quando tenho meu violão e minhas idas para a praia.

Suécia e Brasil são muito diferentes. O que é mais diferente entre os dois países?

Diria que é o trânsito e o barulho. Quando eu vou para a Suécia é bem mais silencioso e tem muito menos trânsito. Aqui o trânsito é muito barulhento e é preciso ter muito cuidado quando estou na rua ou vou até a CBF. São coisas que são difíceis de se acostumar.

Se a Pia treinasse a Pia jogadora, o que ela acharia?

Eu teria momentos muito difíceis com a jogadora Pia. A Pia atleta era sempre a primeira a chegar aos treinos, a última a sair do campo nos treinamentos e sempre tinha milhares de perguntas sobre o que aconteceu, quase que desafiando a treinadora. Conversava sobre a tática, sobre os treinamentos. Algumas vezes, hoje em dia, eu me pego pensando que preciso me desculpar com meus antigos treinadores.

Você gostaria de seguir no Brasil após a Copa do Mundo e a Olimpíada de Paris?

Uma das coisas que eu sou muito boa é viver o aqui e agora. Sou a melhor sonhadora que já existiu, mas estou tão focada na caminhada até a Copa do Mundo neste momento, que não consigo nem imaginar a Olimpíada. Eu sei que meu contrato acaba em 31 de agosto de 2024, mas não tenho planos para o futuro. Vai acontecer o que tiver que acontecer. A única coisa que eu posso dizer é que se eu não gostar do que estiver sentido, vou voltar para a Suécia para ficar com a minha família e amigos.

Você sonha com o título da Copa do Mundo?

Eu estou aqui para isso. A caminhada é maravilhosa até lá.

Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA