24.9 C
Vitória
sexta-feira, 24 maio, 2024

Lula afirma que manterá relação com Nicolás Maduro

Além de Maduro, Lula passou a ser cobrado para interceder junto a Daniel Ortega e prometeu telefonar para o ditador da Nicarágua

O governo Luiz Inácio Lula da Silva pretende manter o diálogo com a ditadura de Nicolás Maduro, na Venezuela, apesar da cassação dos direitos políticos da opositora María Corina Machado. A ex-deputada era favorita na disputa presidencial de 2024, segundo as pesquisas mais recentes.

“Nossa posição não muda, de sempre buscar dialogar com a Venezuela, em favor de que no ano que vem haja eleições livres, transparentes e abertas. A gente continua trabalhando com base no diálogo. Essa é uma posição histórica do Brasil. Isolar não resolve, precisamos engajar”, disse a embaixadora Gisela Padovan, secretária de América Latina e Caribe do Itamaraty.

- Continua após a publicidade -

Representante da ala mais radical da oposição, María Corina foi inabilitada por 15 anos, segundo ofício da Controladoria-Geral. Ela se junta a outros dois nomes importantes que já haviam sido barrados da disputa: Juan Guaidó e Henrique Capriles. A candidata aparece com mais de 51,9% das intenções de votos nas primárias opositoras, segundo pesquisa Delphos.

A medida ocorre em meio a negociações para que a oposição participe das eleições. O veto a María Corina, porém, sinaliza que a ditadura não está disposta a concessões. A União Europeia criticou as inabilitações. Ontem, o Parlamento Europeu aprovou uma condenação à suspensão “arbitrária e inconstitucional” de opositores na Venezuela.

Críticas

A cassação da candidatura de María Corina provocou críticas até de aliados de Maduro, incluindo do presidente da Colômbia, Gustavo Petro, que se manifestou contra a inabilitação de opositores. “Está claro que nenhuma autoridade administrativa deveria retirar os direitos políticos de qualquer cidadão”, disse Petro, que sofreu uma proibição semelhante, em 2013.

O Itamaraty e o governo brasileiro, no entanto, não pretendem externar publicamente nenhuma posição mais crítica à cassação dos direitos políticos de María Corina.

O governo Lula vinha cobrando nos bastidores que Maduro garantisse igualdade de condições aos rivais. Em sua única manifestação sobre o caso, Lula disse que não conhecia os detalhes do processo – em vez de sair em defesa do regime. Foi na cúpula do Mercosul, na Argentina, quando ele admitiu “problemas”, dias depois de afirmar que o conceito de democracia era “relativo” e afirmar que a Venezuela organizava mais eleições do que o Brasil.

“Não conheço os pormenores do problema com a candidata da Venezuela, pretendo o conhecer. Temos de conversar. O que não pode é isolar e levar em conta que os defeitos estão apenas de um lado. Os defeitos são múltiplos”, disse o brasileiro.

Existe um consenso de que a retomada de laços com a ditadura venezuelana é necessária, com a reabertura da embaixada em Caracas, para defesa de interesses diversos. Mas setores do Itamaraty veem a aproximação com o chavismo como uma experiência ainda sem projetos concretos, com base em improviso, a expressão de uma diplomacia presidencial analógica, que abraça o ônus de ter de lidar com os governos mais ideológicos de esquerda da América Latina.

Nicarágua

Além de Maduro, Lula passou a ser cobrado para interceder junto a Daniel Ortega e prometeu telefonar ao ditador da Nicarágua para libertar o bispo de Matagalpa, Rolando Álvarez, preso e condenado a 26 anos de cadeia por suposta traição à pátria.

David Smilde, especialista em política venezuelana da Universidade Tulane, nos EUA, disse que Maduro e seus aliados gostariam de evitar a repressão tão descarada contra rivais, como ocorre na Nicarágua, onde Ortega mandou prender candidatos para eliminar a concorrência antes da eleição do ano passado. “Eles preferem não se tornar a Nicarágua”, disse Smilde. “Mas preferem ser a Nicarágua do que perder o poder.”

Divergência sobre apoio à Ucrânia marcará cúpula UE-América Latina

Líderes da América Latina e da União Europeia divergem sobre o apoio à Ucrânia na declaração final da cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) com o bloco. Um texto prévio vem sendo negociado pelos dois lados, mas enfrenta resistências pelo teor da mensagem favorável aos ucranianos, em guerra com a Rússia.

Negociadores envolvidos na cúpula devem se reunir novamente hoje em Bruxelas para discutir o rascunho do documento. A cúpula Celac-UE não ocorre há oito anos e reunirá chefes de Estado e de governo de 60 países. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou presença.

“Era um projeto maior. Houve uma dificuldade de consenso e o texto diminuiu. Haverá uma sessão final de negociação em torno de princípios comuns e temas específicos”, explicou ontem a embaixadora Gisela Padovan, secretária de América Latina e Caribe, do Itamaraty.

Sobre a menção à Ucrânia, a embaixadora disse que a posição do Brasil vai depender da linguagem. “Não é um encontro para discutir o mundo inteiro. É um encontro de duas regiões com temas e interesses comuns.”

O próprio presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, afirmou durante entrevista em Kiev, no dia 30, que foi convidado pelo primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, para participar da cúpula. Mas, segundo ele, “alguns países latino-americanos barraram sua presença”. Ele não citou quais.

Aproximação

Zelenski busca uma aproximação diplomática com países latino-americanos e do Sul Global, com os quais a Rússia tem mais proximidade política e econômica.

Lula e sua comitiva desembarcam em Bruxelas no domingo. No dia seguinte, o brasileiro encontrará a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e depois discursa na abertura de um fórum de negócios entre União Europeia e Celac.

Arquitetura financeira

O brasileiro terá encontros bilaterais com presidentes do Parlamento Europeu e do Conselho Europeu. Entre os pedidos de reuniões paralelas com outros líderes, Lula já tem confirmadas conversas com o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, e com o rei Felipe.

É provável que Lula se reúna também com a premiê da Dinamarca, Mette Frederiksen. A agenda inclui uma reunião plenária da cúpula Celac-UE, na terça-feira, sobre a reforma da arquitetura financeira internacional, na qual Lula deve discursar. Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA