Gestão eficiente e reforma da previdência são temas de debates

Foto: Aline Pagotto / Next Editorial

As palestras foram realizadas nesta sexta-feira (29), no auditório da Findes, em Santa Lúcia

A Reforma da Previdência, que tem sido um assunto em evidência, e gestão eficiente foram temas abordados no evento realizado nesta sexta-feira (29), no auditório da Findes, em Santa Lúcia. As palestras foram organizadas pelo Grupo de Acompanhamento Empresarial do Espírito Santo.

Durante as palestras, a economista-chefe da Rosemberg, de São Paulo, Thais Zara, realizou um debate importante acerca do cenário econômico nacional e internacional. Por meio de uma palestra, ela destacou pontos como a desaceleração das economias centrais, visão do novo governo, perseverança do Banco Central, entre outras.

A economista da Rosemberg, Thais Zara. – Foto: Aline Pagotto / Next Editorial

Segundo a economista, o Brasil gasta quase 60% do nosso orçamento com a Previdência entre do INSS e dos servidores públicos. “Dado esse protagonismo dos gastos previdenciários, natural que a gente inicie com a proposta de reforma da Previdência que o ministério se propôs a fazer. Tem a questão política na negociação da reforma e é necessário que a articulação política avance para que possamos garantir a aprovação dela. A partir da aprovação, prosseguimos e tentamos dar continuidade aos outros pontos da agenda, como medida de modernização, medidas que vão ampliar nossa competitividade e que tem um caráter microeconômico. São medidas mais fáceis de serem aprovadas e que depois de estabelecidas boas articulação política para aprovação da reforma fica mais fácil tabular essa outra parte da agenda”, disse Thais.

O deputado-estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), Erick Musso, falou sobre sua gestão na Casa de Leis, como fazer uma gestão eficiente e como fazer a relação com o cidadão ser bem direcionada.

O presidente da Ales, Erick Musso, falou sobre gestão eficiente. – Foto: Aline Pagotto / Next Editorial

O ponto alto do evento foi a palestra do gerente geral de Estratégia Industrial e Metalurgia da ArcelorMittal que apresentou o “case” empresarial sobre o Projeto de Dessalinização da empresa.

O projeto, que é pioneiro no Brasil, surgiu após uma crise hídrica registrada em 2014, em que o governo solicitou às indústrias que reduzissem os consumos. Com o processo de dessalinização serão gastos cerca de 3MW de energia elétrica, produzida pela própria ArcelorMittal Tubarão, que é autossuficiente. Isso representa menos de 1% da sua geração total de energia.

A previsão é de que o projeto comece a ser construído ainda neste ano e o investimento é de cerca de R$ 50 milhões. Saiba mais sobre ele aqui.



Leia mais:

Conteúdo Publicitário