27.1 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto, 2022

Projeto inovador para dessalinização da água

Foto: Divulgação / ArcelorMittal Tubarão

Além de garantir a segurança hídrica, será uma fonte de geração de energia elétrica

A situação hídrica está cada vez mais em questão em vários setores indústrias. Visando a garantir a segurança desse recurso natural, a ArcelorMittal Tubarão lançou um projeto para dessalinizar a água dos mares.

O projeto, que é pioneiro no Brasil, surgiu após uma crise hídrica registrada em 2014, em que o governo solicitou às indústrias que reduzissem os consumos.

“A ArcelorMittal desenvolveu um Plano Diretor de Águas e passou a utilizar mais águas de recursos sustentáveis. Estamos na vanguarda. O projeto é inovador e trará soluções para evitar novas crises”, disse o CEO de Aços Planos da América do Sul, Benjamin Batista Filho.

A previsão é de que o projeto comece a ser construído ainda neste ano e o investimento é de cerca de R$ 50 milhões. Já a conclusão será em 2021. Com a construção, serão gerados 220 novos postos de trabalho.

Foto: Divulgação / ArcelorMittal Tubarão

Também serão produzidos até 500m³/h de água. Inicialmente, a água não será utilizada para consumo, apenas para indústria. A planta será instalada próxima às Centrais Termelétricas da unidade e ocupará aproximadamente 6.000 m², o que representa a maior parte de dessalinização do país.

Segundo o vice-presidente de operações, Jorge Luiz Ribeiro de Oliveira, o projeto terá sistemas de captação e bombeamento de água;  pré-tratamento com filtração; dessalinização por osmose reversa;  armazenagem e distribuição da água dessalinizada.

Atualmente, a ArcelorMittal Tubarão utiliza água doce do Rio Santa Maria da Vitória, distribuída pela Cesan, representando 3,5% de água consumida na empresa. Além disso, 97,8% são reutilizados internamente.

Energia elétrica                                                             

Com o processo de dessalinização serão gastos cerca de 3MW de energia elétrica, produzida pela própria ArcelorMittal Tubarão, que é autossuficiente. Isso representa menos de 1% da sua geração total de energia.

O licenciamento ambiental da obra já foi solicitado ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). Também estão em andamento o Termo de Referência (TR) e do Plano de Controle Ambiental (PCA).

O vice-presidente de operações afirmou que “o processo não irá gerar impactos ambientais significativos. Essa tecnologia já é utilizada em países como Israel, Espanha, Austrália, Estados Unidos, Argentina, entre outros.”.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade