Janot rescinde acordo de delação com Joesley e Saud

PGR afirma que Temer incentivou Joesley a pagar, por meio de Ricardo Saud, vantagens a Roberta Funaro, irmã de Lúcio Funaro. 

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decide rescindir acordo de colaboração de Joesley Batista e Ricardo Saud e oferecer denúncia contra eles por obstrução de Justiça. Os delatores da JBS estão presos provisoriamente na carceragem da Polícia Federal em Brasília.

A decisão está nos documentos apresentados ao STF (Supremo Tribunal Federal) que integram a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Desa vez, pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia se baseia nas delações premiadas de executivos da JBS e do corretor de valores Lúcio Funaro, apontado como operador do PMDB.

Razões contra Joesley e Saud

Segundo a Procuradoria, Temer incentivou Joesley a pagar, por meio de Ricardo Saud, vantagens a Roberta Funaro, irmã de Lúcio Funaro. Posteriormente, Funaro firmou um acordo de colaboração que serviu como base para a denúncia.

“Com relação à organização criminosa, os fatos praticados pelos ora denunciados
remontam à atual gestão do presidente da República Michel Temer. Nesse sentido,
há fatos envolvendo diretamente o presidente na cobrança de propina a executivos
da J&F, que ensejaram o oferecimento da denúncia encartada nos autos
4517/STF”, afirma.

Janot pediu ao Supremo que as acusações contra Joesley e Ricardo Saud sejam
desmembradas e enviadas à primeira instância da Justiça Federal no Paraná.
No texto, Janot afirma que uma parte das provas que dão sustentação às denúncias
foi obtida a partir dos acordos de colaboração firmados com Joesley Batista e
Ricardo Saud e devidamente homologados pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo o texto da denúncia, Janot “concluiu que houve omissão deliberada, por parte dos referidos colaboradores, de fatos ilícitos que deveriam ter sido apresentados por ocasião da assinatura dos acordos”. Por isso, a rescisão destes ajustes. “… mas isso não limita a utilização das provas por eles apresentadas”, inclui o procurador.

PMDB

Além de Temer, são acusados outros seis peemedebistas. Os ministros
Eliseu Padilha (casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da República); os ex-deputados Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures e Henrique Alves. Além do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

A apresentação da denúncia é um dos últimos atos de Rodrigo Janot à frente da
PGR (Procuradoria Geral da República). Ele deixará o cargo no domingo (17),
quando será oficialmente substituído por Raquel Dodge.

“Enquanto houver bambu, lá vai flecha”. No dia 1º de julho, o procurador havia afirmado que mesmo no final do mandato, continuaria ofertando denúncias se as investigações conduzidas assim exigissem.

Conteúdo Publicitário

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome