26.6 C
Vitória
domingo, 19 maio, 2024

Estudo aponta que o trabalho noturno pode causar obesidade e diabetes

Além disso, os resultados destacaram um aumento nos níveis de glicose, triglicerídeos, circunferência da cintura e pressão arterial

Por Kebim Tamanini

Enquanto muitos de nós dormem tranquilamente durante a noite, há setores profissionais que não conhecem o repouso noturno. Da área da saúde à segurança pública e até mesmo aos espaços de alimentação que operam 24 horas por dia, existe uma força invisível de trabalhadores que mantém a sociedade funcionando enquanto o mundo descansa. No entanto, uma questão persiste: o trabalho noturno faz bem para a saúde?

- Continua após a publicidade -

Um estudo conduzido pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP mergulhou nessa questão, revelando descobertas preocupantes sobre os efeitos do trabalho noturno no organismo humano. O desalinhamento do ciclo circadiano, o ritmo biológico dos seres humanos, emerge como um dos principais vilões desse cenário, impactando negativamente o metabolismo e aumentando o risco de condições como obesidade e diabetes.

Além disso, os resultados destacaram um aumento nos níveis de glicose, triglicerídeos, circunferência da cintura e pressão arterial
A necessidade do funcionamento de serviços por 24 horas exige que muitos trabalhadores desempenhem sua função no período noturno. Foto: Governo Federal

“Verificamos uma alteração nos genes relacionados ao estresse do retículo endoplasmático, uma organela crucial nas células, induzida pela mudança nos padrões de sono dos trabalhadores”, relata o cientista biomédico da FMRP, Rafael Ferraz Bannitz. Essa alteração, segundo ele, pode comprometer as reações fisiológicas responsáveis pela proteção contra agentes oxidantes, acarretando efeitos adversos como o envelhecimento precoce.

Os resultados do estudo também destacam um aumento preocupante nos níveis de glicose, triglicerídeos, circunferência da cintura e pressão arterial entre os trabalhadores hospitalares noturnos, quando comparados aos seus colegas diurnos.

A pesquisa foi realizada com base em uma amostra de 20 trabalhadores diurnos e 20 noturnos, submetidos a uma jornada de trabalho de 12 horas por 36 horas de descanso, por pelo menos cinco anos em um hospital de Ribeirão Preto, apontando para um cenário alarmante.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA