22.1 C
Vitória
terça-feira, 22 setembro, 2020

Eleições municipais, pandemia e criatividade nas campanhas

Mais Artigos

Congresso Nacional

O que se observa hoje é que o tempo político, a necessidade de continuidade de posições políticas eleitoreiras de vários membros do Congresso e até da presidência da república

Eleições Municipais: Vereadores e Prefeitos

É fundamental, nas eleições, escolher e votar em candidatos que estejam comprometidos com nossas cidades

Liberalismo x populismo

A população como um todo sente a queda no poder de compra e isso tem consequências políticas imediatas

A maioria minorizada dos negros nas eleições

Diante da desigualdade racial nos poderes, é importante que o sistema político-eleitoral brasileiro crie mecanismos para evitar o tratamento arbitrário em relação a candidaturas de pretos e pretas

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Candidatos que se posicionam e interagem bem e nas mais variadas plataformas são capazes de apresentar uma comunicação mais assertiva, direta e clara com o público

Por Rodrigo Augusto Prando

Teremos, neste pleito que se avizinha, uma eleição atípica, ocasionada, obviamente, pela presença de uma pandemia que, desde março, nos obrigou a graus distintos de distanciamento social. Elegeremos cerca de 5.570 prefeitos e 57.930 vereadores. Eleições são festas cívicas da democracia, a escolha dos políticos por meio do voto, mas, jamais, pode-se reduzir a vida democrática apenas às eleições.

Será um período desafiador para os candidatos – a prefeitos e vereadores – que terão 45 dias para realizar suas campanhas. Até 2016, eram 90 dias, portanto, a Covid-19 não suprimiu os dias de campanha, mas alterou as datas da votação, pois o  primeiro turno será em 15/11 e, para os municípios que terão segundo turno, a ida à urna será em 29/11.

A pandemia e a consequente necessidade de evitar aglomerações e manter o devido distanciamento social, imporá desafios extras aos candidatos. Especialmente nas eleições municipais, o contato do candidato com o eleitor é bem próximo, cujos apertos de mãos, abraços, tapinhas nas costas, fotos com correligionários e eleitores, crianças nos colo, enfim, uma intensa agenda de eventos e reuniões públicas são parte de nossa cultura política.

A emoção e a razão compõem o roteiro das interações físicas e simbólicas no universo eleitoral. Neste ano, candidatos e suas equipes de marketing político e eleitoral deverão se desdobrar para chegar com suas mensagens até o eleitorado. Claro que aqueles que buscam a reeleição partem de um patamar superior, tendo uma vantagem competitiva em relação aos adversários, pois já são conhecidos e costumam ter a máquina pública a seu favor.

Da mesma forma, os candidatos “celebridades” (atores, apresentadores de televisão, esportistas, youtubers, etc.) não necessitam de grandes esforços para se tornarem conhecidos em relação à grande massa dos demais adversários. Mesmo os que não estão disputando a reeleição ou que sejam celebridades, mas que há tempos estão presentes nas redes sociais e interagem constantemente com seus seguidores apresentam diferenciais que lhes dão vantagens.

Candidatos que se posicionam e interagem bem e nas mais variadas plataformas são capazes de apresentar uma comunicação mais assertiva, direta e clara com o público. Escrever e falar bem são ferramentas fundamentais para um político, bem como ser capaz de dialogar, respeitar profundamente a democracia e os princípios republicanos.

Mais do que pedir voto, o candidato deverá ter sua narrativa, contar sua história, indicar o porquê de ser merecedor do voto e da confiança do cidadão. Esses candidatos a prefeitos e vereadores têm uma trajetória e esta não pode ser desconsiderada. Quem é o candidato? Quais suas realizações na vida privada ou pública? Faz parte ativa da comunidade?

Quais são os temas ou bandeiras que defendem? É neófito na política ou já está nela há décadas? E fundamental: é ficha limpa? Tem conduta ilibada? Outro aspecto que merece atenção nas eleições é a equipe do candidato, já que uma campanha política vitoriosa depende, geralmente, de um bom time.

Há que se considerar, na formulação da equipe, o especialista em marketing político e marketing digital (este, em tempos de pandemia, é indispensável para produção de conteúdo e gestão das redes sociais), o jornalista e assessor de imprensa, advogado especialista em Direito Eleitoral, os pesquisadores que gerarão e interpretarão dados quantitativos e qualitativos e, mais importante, os militantes que se engajarão na campanha, por acreditarem no candidato e em sua mensagem.

Um político incapaz de gerenciar uma boa equipe não será capaz de, no exercício do mandato, apresentar a liderança necessária e uma boa performance. As equipes de campanha – enxutas ou amplas – devem ser alicerçadas sobre conhecimento profissional e, especialmente num cenário de crise de saúde e de crise econômica, apresentar criatividade para firmar a imagem e a narrativa do candidato.

Você, leitor e leitora, será candidato? Pensou nisso tudo? E você, eleitor e eleitora, está preparado para avaliar criticamente aqueles que lhe pedirão o voto? Votar é fundamental, mas a cidadania não se limita e nem se encerra nas eleições; a cidadania ativa implica em acompanhar e cobrar o político eleito, participar da vida cívica e, principalmente, entender que vereadores e prefeitos devem servir ao público e, jamais, se servir daquilo que é público.

Rodrigo Augusto Prando é Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Valor Bruto da Produção Agropecuária deve ser recorde de R$ 823 bi, diz CNA

Outros fatores que podem influenciar o indicador do setor são o aumento de 4,3% na produção, a alta de 18,7% nos preços

OCDE melhora perspectiva para economia mundial e para o Brasil em 2020

A economia global parece estar se recuperando do baque provocado pelo novo coronavírus mais rápido do que se imaginava há apenas alguns meses graças...

Guedes diz que ‘cartão vermelho’ de Bolsonaro não foi direcionado a ele

O ministro lembrou que, desde início, o presidente disse que não queria consolidar programas sociais para criar o Renda Brasil, e que foi uma decisão política

Ainda acreditamos que é possível acoplar IVA federal com estadual, diz Guedes

O ministro ainda disse que é natural que os Estados façam esse movimento, com o maior peso de serviços na economia, mas "não podem espremer os municípios."

Vida Capixaba

Curso herdeiro ou sucessor?

Como os membros da próxima geração são desenvolvidos na empresa da sua família? Quando falamos em sucessão familiar, é preciso considerar três fatores fundamentais,...

Governo divulga novo imageamento da cobertura florestal do Espírito Santo

No dia em que se comemora o Dia da Árvore, o Governo do Estado, através da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) e...

Governo do Estado quer reformar e utilizar antiga sede do Saldanha da Gama

Reformar a construção para sediar a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), que atualmente funciona em salas de um...

Circuito Cultural homenageia as crianças em outubro

A 12ª edição do evento, que acontece em formato virtual, já atingiu público de mais de 8 mil pessoas Outubro é o mês das crianças...