21.6 C
Vitória
segunda-feira, 15 DE julho DE 2024

Igreja dos Reis Magos reabre como Centro de Intepretação

Após passar por restauro e readequações, complexo jesuítico em Nova Almeida vai funcionar como Centro de Interpretação a partir de quarta-feira (26)

Por Mariah Friedrich

A Igreja dos Reis Magos, em Nova Almeida, Serra, um dos únicos monumentos remanescentes do século XVII no Estado, recebeu obras de restauro e readequação para funcionar como um Centro de Intepretação que vai apresentar a história da passagem dos jesuítas no Espírito Santo e dos aldeamentos no Brasil. A visitação será gratuita até agosto, com funcionamento diário, de 9h às 17h30.

- Continua após a publicidade -

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1943, o complexo formado pela igreja e seu anexo, a residência dos jesuítas, passou por dois anos de obras de restauro e readequação, com investimento de R$ 10 milhões para oferecer diversas atrações para o turistas explorarem o novo museu interpretativo.

O projeto incluiu, ainda, café, loja, acervo de artistas capixabas, galeria para
exposições temporárias, ações educativas e capacitação dos artesões para
produção dos produtos para a loja. Além disso, o monumento possui acessibilidade,
placas de sinalização e conteúdos traduzidos para inglês e espanhol.

O prefeito da Serra, Sérgio Vidigal, afirma que a inauguração é um momento ímpar para o município mostrar sua relevância para a história do Brasil. “A Serra tem uma população de migrantes, 75% dos moradores não nasceram na Serra, então não conhecem muito sobre a história da cidade e a partir desse centro de interpretação contribuir com a história da cidade, que tem muitas potencialidades turísticas”, destaca.

Espaços oferecem experiências interativas;

Ao longo do percurso pelo Centro de Interpretação, o público é acolhido na recepção com uma mensagem de Santo Inácio de Loyola, conhece um pouco mais sobre a história da comunidade local na Sala de Pertencimento, confere objetos arqueológicos que contam a história dos indígenas da região na Sala de Arte Indígena e experiencia uma imersão de realidade virtual na Sala Indígena.

O Espaço de Aldeamento apresenta fachadas de templos jesuíticos do Brasil e conta com uma mesa digital interativa mostrando a influência das missões dos jesuítas na origem das cidades brasileiras. Na Sala do Patrimônio Arquitetônico, os visitantes conferem uma maquete digital que traz a história do aldeamento até os dias atuais e uma projeção de oito minutos sobre a história de Reis Magos.

Seguindo para a Sala dos Ofícios, é possível aprender mais sobre atividades indígenas, como a produção de algodão e outros trabalhos manuais. O local conta com uma roca de fiar e uma rede em buriti feita pelas mulheres indígenas e um tipipi, instrumento onde era extraído o sumo da mandioca, além de projeção de uma plantação de algodão, do plantio à colheita.

O Espaço dos Jesuítas, no corredor do andar superior, traz uma linha do tempo com a história da Companhia de Jesus e uma imagem restaurada de Santo Inácio de Loyola do século XVII. Primeira vez aberta à visitação, a torre sineira apresenta uma experiência sensorial com sons e textos sobre a comunicação através dos sinos. O pátio central aberto abriga a obra do escultor Vilar, representando uma ampulheta moderna e as constelações indígenas. A sacristia também pode ser visitada nos horários em que não acontecem as missas e possui arcaz e pia em pedra da época jesuítica.

O museu também reúne um acervo permanente com obras dos artistas plásticos capixabas Bruno Salvador, Luciano Feijão, Kyria Oliveira, Rosindo Torres e José Carlos Vilar, além de uma relíquia de 1596, uma pintura feita pelo primeiro artista plástico do Brasil, o jesuíta Belchior Paulo, feita durante a passagem do religioso por Reis Magos. A tela de grandes dimensões foi restaurada e apresenta o semblante de Nossa Senhora, entre outros elementos.

O público poderá se interessar por uma lenda urbana do local, o Banco Casamenteiro, trazido da praça para o segundo piso do monumento. Segundo a tradição, durante uma visita de Dom Pedro II a Nova Almeida, muitos soldados que acompanhavam o monarca se encantaram com as moças da região, tiveram encontros amorosos no banco e após partirem, retornaram para se casar com as jovens. Desde então, acredita-se que aqueles que se sentam no banco acabam sendo pedidos ou pedidas em casamento.

Também foi instalado um auditório Com capacidade para 30 pessoas, destinado a ações educativas, palestras, lançamentos de livros e atividades culturais.

Confira imagens do monumento e novos espaços na galeria a seguir:

Serviço

Centro de Interpretação Aldeia de Reis Magos
Travessa Reis Magos II, Nova Almeida Centro, Serra 
Igreja de Reis Magos: Aberta todos os dias, de 9h às 17h30
Centro de Pertencimento: Terça à domingo, de 9h30 às 17h30
Sala dos Indígenas: Entrada somente acompanhada pelo monitor. Horários das sessões: 10h, 10h30, 11h,14h, 14h30, 15h, 15h30, 16h, 16h30
Entrada gratuita nos meses de junho e julho. A partir de agosto, ingressos a R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia), para crianças de até 12 anos, estudantes e moradores de Nova Almeida

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

FIQUE POR DENTRO

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -