27.9 C
Vitória
sábado, 15 agosto, 2020

Varejo: comércio comemora recuperação e prevê um 2018 melhor

Leia Também

Campanha do TSE incentiva eleitores a serem mesários voluntários nas Eleições Municipais de 2020

A Justiça Eleitoral tradicionalmente conta com um importante contingente de aliados para garantir a segurança e o sigilo do voto nas eleições: os mesários. Com...

Sindiplast-ES articula a promoção de cursos para associados

Para promover cursos e treinamentos que possam contribuir com o aumento da competitividade das empresas, o sindicato buscou a parceria do Sebrae-ES, Sesi e...

PIX: ferramenta dos grandes bancos pra não perder pros novatos?

Conselheiro do Corecon avalia interesses que podem estar sendo preservados com o novo sistema, estruturado pelo BC, que passa a vigorar a partir de...

Após três anos contando os prejuízos, varejo respira e garante: o pior da crise já passou

O caminho ainda é longo, mas a recuperação do setor varejista no Espírito Santo já desponta como uma realidade palpável. O ano, que começou cercado de pessimismo – e que registrou praticamente um mês perdido, em fevereiro, devido à crise na segurança pública do Estado –, chega ao fim apontando que o pior da crise já passou.
Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE relativos a setembro mostraram um aumento de 1% no volume de vendas do varejo restrito no Estado e de 4,5% no varejo ampliado, ambos em relação a agosto.

Na comparação com o mesmo período de 2016, a PMC revelou crescimento de 8,7% no varejo restrito, índice que chegou a 15,6% no varejo ampliado. Com esse resultado, o acumulado negativo no ano ficou em -3,6% entre janeiro e setembro, contra -11,4% no mesmo período de 2016. Já a receita nominal de vendas, na mesma base de comparação, registrou aumento de 4,7% e de 11,4%, respectivamente, para o varejo restrito e para o ampliado. Em termos acumulados, a receita nominal do primeiro segmento variou negativamente -3,4% no ano e -2,2% nos últimos 12 meses, enquanto o varejo ampliado cresceu +2,8% no primeiro caso e +0,9% nos últimos 12 meses.

“A situação melhorou principalmente devido à queda da inflação e da taxa de juros, aliada à diminuição do desemprego”, avalia o presidente da Federação do Comércio do Espírito Santo (Fecomércio-ES), José Lino Sepulcri. Para 2018, a expectativa da Fecomércio é de crescimento acima dos 3%. E a projeção é fechar 2017 com crescimento real de 1,8% nas vendas do varejo restrito e 9% no varejo ampliado. “Diante do cenário negativo que vínhamos enfrentando antes, não é pouco”, salienta.

Varejo
Fonte: Pesquisa Mensal de Comércio – PMC/IBGE – Elaboração: Coordenação de Estudos Econômicos – CEE/IJSN

O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Vitória, Adriano Ohnesorge, destaca que um bom termômetro para atestar essa volta por cima é a geração de empregos temporários para o Natal, que em 2017 chegou a 5 mil postos, contra 3 mil em 2016. “A confiança do consumidor aumentou”, comemora. Entre as medidas que auxiliaram nessa retomada está a liberação do saque do FGTS das contas inativas, que injetou mais de R$ 600 milhões na economia do Estado.

Ohnesorge lembra, ainda, que a realização de feirões para recuperação do crédito deu a milhares de pessoas a chance de voltar a consumir. E, entre os fatores que geram otimismo para 2018, está a recém-aprovada lei trabalhista, que flexibilizou e facilitou contratações. O presidente do CDL cita a jornada intermitente como um exemplo salutar para a relação patrão/empregado no varejo. “O lojista agora pode contratar profissionais para atuar nos dias de maior fluxo, gerando mais postos de trabalho”, diz.

Supermercados driblam a crise

Um dos sinais do tamanho da perversidade da crise foi a retração observada na venda do setor de alimentos. Com o desemprego aumentando a cada dia, ficou difícil até comprar comida. Os supermercados sentiram o impacto, mas a boa notícia é que, em 2017, as vendas voltaram a crescer.
O superintendente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), Hélio Schneider, ressalta que o ano fechou com uma alta de 1,5% nas vendas. E observa que a expectativa do setor é crescer pelo menos 2,5% em 2018.

Para dar um drible na crise, foi preciso mudar. “Buscamos formas de atender a esse novo comportamento do consumidor diante da retração econômica, oferecendo produtos com menor valor, mas mantendo a qualidade”, conta, ressaltando que foi preciso diminuir a rentabilidade, devido à perda do poder aquisitivo da população, para manter os preços atrativos.
Para 2018, uma das grandes incógnitas é a eleição presidencial. Mas a turbulência política não afeta o otimismo do setor. “Paramos de piorar, o que já é um bom resultado, e estamos inovando para gerar emprego e renda”, comenta Schneider.

Shoppings abrem mais lojas

Além da crise na segurança pública, no início do ano, o varejo enfrentou, em 2017, os problemas da crise hídrica – que gerou aumento nos preços de produtos – e os efeitos da continuidade da paralisação das operações da Samarco, entre outros fatores que contribuíram para o aumento do desemprego na indústria. Mais motivos, portanto, para comemorar a recuperação no volume de vendas.
O diretor-geral do Shopping Vitória, Raphael Brotto, ressalta que o mall chegou ao fim do ano com todas as lojas locadas. Foram abertas 40 lojas, entre marcas nacionais e internacionais, ao longo de 2017, gerando 400 empregos. Em 2018 alguns fatores, como o grande número de feriados e a realização da Copa do Mundo e das eleições, tendem a gerar reflexos negativos no varejo, mas mesmo assim a previsão é de um ano generoso com o setor. “Acreditamos em um crescimento acima de 4,5% nas vendas”, comemora Brotto.

Varejo

 

O otimismo é compartilhado pelo superintendente dos shoppings Montserrat e Mestre Álvaro, do Grupo Sá Cavalcante, Marcelo Rennó. A empresa, da qual fazem parte também os shoppings Praia da Costa e Moxuara, abriu 63 lojas em 2017, com 1,2 mil postos de trabalho. “Até outubro, registramos 10% de crescimento nas vendas. A economia melhorou, mas também investimos em formas de gerar fluxo de consumidores”, diz Rennó, destacando a criação de uma ala gourmet no Praia da Costa e a abertura de um supermercado no Shopping Moxuara como iniciativas que deram resultado. “A nossa expectativa é que o grupo cresça de 12% a 15% em 2018”, ressalta.


LEIA MAIS

IBGE: 2017 tem melhor agosto para varejo desde 2013
Varejo capixaba começa a reagir
Varejo comemora alta de vendas em Dia dos Pais
Vendas no varejo capixaba aumentam pelo segundo mês consecutivo

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Com reação à pandemia, alta dos desembolsos do BNDES é a maior desde 2009

Na comparação dos desembolsos trimestrais com iguais períodos de anos anteriores, sempre corrigindo pela inflação, a alta de 61,6% foi a maior desde o terceiro trimestre de 2009

Com pandemia, Brasil tem queda recorde da atividade no 2º trimestre

Os dados do BC já levam em conta os ajustes sazonais, o que permite a comparação de um trimestre com os três meses imediatamente anteriores

Idaf realiza ação educativa na Ceasa/ES

Com o objetivo de conscientizar produtores rurais e compradores sobre a importância do Serviço de Inspeção Oficial nos produtos de origem animal, o Instituto...

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Vida Capixaba

Você sabia que dá para assinar a escritura de um imóvel ou se divorciar pela internet?

Do divórcio à escritura do imóvel: palestra mostrará o avanço dos atos jurídicos via internet. Apresentação, no próximo dia 17, será feita por Renato...

Frases ganham destaque na decoração

Mais do que decorar de forma harmônica os projetos, as frases revelam sentimentos e desejos dos seus moradores, pois a maioria são carregadas de histórias.

Novas passarelas de pedestres em Viana

A Eco101 iniciou as obras para a implantação de mais três passarelas de pedestres na BR-101/ES/BA, totalizando 19 estruturas ao longo da rodovia. Atualmente, existem...

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...
Continua após publicidade