Casos de tuberculose são registrados no Espírito Santo

Foto: Omar Paixão/Saúde é Vital

A tuberculose está entre as doenças que estão reaparecendo no Estado. Em 2019, já foram identificados 243 novos casos

Algumas doenças que pareciam eliminadas começaram a reaparecer no Espírito Santo, como é o caso da tuberculose. Uma família que reside no bairro Bela Vista, em Vitória, foi internada com a doença, mas agora segue em observação.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em 2019, houve o registro de 243 novos casos. Em 2018, foram registrados 1.305 novos casos, com coeficiente de incidência de 32,9 casos por 100 mil habitantes, sendo que 68 pessoas morreram vítimas de tuberculose no Estado nesse ano. Não há dados fechados de cura no ano, pois ainda há pacientes em tratamento.

Já em 2017, o número de novos casos foi de 1.155, correspondendo a um coeficiente de incidência de 28,8 casos por 100 mil habitantes. Foram registradas 68 mortes por tuberculose. O Estado registrou 76,9% de cura da doença (853 pessoas), mas o índice de abandono do tratamento foi de 9,5% dos pacientes.

Campanhas

Para evitar o retorno de doenças altamente contagiosas, como a poliomielite (paralisia infantil), a rubéola, o sarampo, dentre outras, já eliminadas ou controladas no Brasil, a Sesa adotou um modelo de campanha de multivacinação e reforçou a importância de acompanhar os calendários de imunização das faixas etárias estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo, afirmou que essas doenças são prevenidas com vacinas disponibilizadas gratuitamente nas unidades básicas de saúde do Estado, de acordo com as campanhas de imunização previstas pelo governo federal.

Ela destacou que a melhor forma de manter a defesa do organismo contra as doenças, consiste na proteção do corpo por meio de resistências às doenças que o atingiriam. “As vacinas são produzidas por substâncias e microrganismos inativados ou atenuados que são introduzidos no organismo para estimular a reação do sistema imunológico quando em contato com um agente causador de doenças”, explicou Danielle.

Fonte: Sesa
Casos

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de incidência da doença tem aumentado e isso preocupa, e muito, a população. Só em 2017 foram 72 mil infecções, média de mais de 200 por dia.

De acordo ainda com a pasta, o Brasil ocupa o 18º lugar entre os 22 países responsáveis por 82% do total de casos de tuberculose no mundo. Embora seja uma doença passível de ser prevenida, tratada e curada, ainda mata cerca de 4,4 mil pessoas todos os anos.

Tuberculose

Transmitida por via aérea, como tosse, espirro e fala, a tuberculose é uma doença infectocontagiosa que pode ser fatal e que progride silenciosamente. O sintoma principal da doença é tosse por mais de três semanas, com ou sem catarro.

No entanto, o paciente também deve ficar atento a outros sintomas como febre baixa, geralmente à tarde; suor noturno; falta de apetite; perda de peso; cansaço fácil; fraqueza e dor no peito e nas costas. Se observados esses sinais, a pessoa deve buscar a unidade de saúde mais próxima de sua residência.

Tratamento

O diagnóstico da tuberculose é feito por meio do exame Baciloscopia de Escarro. O resultado fica pronto no mesmo dia e pode ser feito em todas as unidades de saúde do Estado. Em Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica é oferecido o Teste Rápido Molecular para a doença, que identifica o bacilo em até duas horas.

O Teste de Sensibilidade Antimicrobiana (TSA) também possibilita diagnosticar a quais medicamentos o bacilo desenvolveu resistência.

Após o diagnóstico, o tratamento também é realizado na própria unidade de saúde, em que o paciente realiza o acompanhamento e retira os medicamentos de forma gratuita. O tratamento é feito por poliquimioterapia (uso de vários comprimidos) com antibióticos. Esses medicamentos devem ser tomados todos os dias, sem interrupção.

Conteúdo Publicitário