28.3 C
Vitória
domingo, 19 maio, 2024

Carlos Bolsonaro critica investigação sobre ‘Abin paralela’

A apuração da PF aponta que o órgão, durante o governo Bolsonaro, espionou ministros, integrantes do STF, parlamentares e ex-governadores

O vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira, 11, que a investigação da Polícia Federal (PF) contra ele sobre as supostas espionagens ilegais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) é “uma covardia extrema”. Para o vereador, a ação rende “um trauma desnecessário” à família do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), ex-chefe da agência e pré-candidato à prefeitura da capital fluminense, também investigado.

A declaração ocorreu durante a entrega da maior honraria do Legislativo do Rio, a medalha Pedro Ernesto, ao deputado federal No discurso na Câmara Municipal, o vereador afirmou não ter mantido relação com Ramagem enquanto ele exercia a função de diretor da Abin. “Foi nenhuma (relação). É curioso, chega a ser engraçado. Tive uma preocupação inicial de jamais demonstrar qualquer tipo de proximidade profissional”, afirmou o filho do ex-presidente.

- Continua após a publicidade -

De acordo com Carlos, o afastamento do amigo se deu para evitar que fizessem “maldade” com os dois. “E culminou os senhores sabem com o quê”, disse o vereador se referindo a investigação que tem como alvo os dois parlamentares e apura a existência de ligação entre eles e as ações da “Abin paralela”. Carlos e Ramagem foram alvos de mandados de busca e apreensão pela PF e negam ter participado de monitoramento de autoridades no órgão.

Carlos disse ainda que jamais pensou que essa situação poderia ocorrer. “Uma covardia extrema. Jamais pensei que o Ramagem, como presidente da Abin e então deputado federal, fosse passar pelo que passou”, afirmou o vereador, afirmando que “essas coisas acontecem não por acaso, mas certamente para nos fortalecer”.

A apuração da PF aponta que o órgão, durante o governo Bolsonaro, espionou ilegalmente ministros, integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF), deputados, ex-governadores e senadores que compuseram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. O ex-presidente negou a existência de uma “Abin paralela” e afirmou que o caso é uma “narrativa”.

Durante o evento, Jair Bolsonaro também homenageou Ramagem. Em vídeo exibido na Câmara, o ex-chefe do Executivo, chamado de “maior líder político do País” pelo deputado, disse que o pré-candidato à prefeitura do Rio exerceu “um excelente trabalho em todas as funções que ele desempenhou” e que tem “tudo para dar certo”. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA