22.1 C
Vitória
quarta-feira, 22 maio, 2024

Capixabas são selecionados em projeto de cinema comunitário

3ª edição do Curta Vitória a Minas selecionou dez moradores da região atravessada pela estrada de ferro para transformar histórias em filmes

Por Mariah Friedrich

Três capixabas estão entre os dez autores selecionados pelo Concurso de Histórias que Viram Filmes, que convocou moradores de municípios próximos à Estrada de Ferro Vitória a Minas para transformar suas narrativas em curtas-metragens.

- Continua após a publicidade -

O projeto do Instituto Marlin Azul chega a sua terceira edição neste ano e tem como objetivo capacitar os selecionados em técnicas audiovisuais, envolvendo as comunidades locais no processo de produção e exibição dos filmes.

Foram escolhidas histórias vindas de Ibiraçu, João Neiva e Colatina, no Espírito Santo, e de Conselheiro Pena, Governador Valadares, Belo Oriente, Ipatinga, Coronel Fabriciano, Nova Era e João Monlevade, em Minas Gerais.

Para a coordenadora do projeto, Beatriz Lindemberg, a iniciativa se destaca por sua abordagem comunitária, envolvendo os moradores das cidades ao longo da Estrada de Ferro.

Os selecionados passarão por uma oficina intensiva de 15 dias, onde receberão formação em roteiro, direção, produção, direção de arte, entre outras áreas do cinema. Esta etapa, que ocorrerá em março, será realizada em conjunto com professores experientes do meio cinematográfico e televisivo, proporcionando aos participantes um ambiente de aprendizado colaborativo e imersivo.

De Colatina, a Agente Comunitária de Saúde Marisa Almeida da Silva, selecionada com a história “A Casa Sinistra”, disse que ficou emocionada ao ser selecionada entre centenas de histórias. Ela descreve que sua família tem a tradição de se reunir para contar histórias sinistras, e quando viu a oportunidade de participar do projeto, decidiu inscrever sua narrativa sobre uma experiência vivida em sua casa.

“Era uma história de fantasma que a gente contava em roda, com alguém que chegava e diferente, então eu escrevi com a minha irmã sobre essa casa onde moramos e aconteciam fenômenos que não compreendíamos, como barulhos, coisas que caíam num cômodo onde ninguém estava. Começamos a sentir medo de ficar ali e a investigar com a dona da casa, que contou várias histórias que nos deixaram ainda mais impressionadas”, conta Marisa.

O professor e policial federal Otávio Luiz Maioli também partiu de uma experiência real e da história oral para escrever sobre um conflito entre duas famílias que viviam um impasse sobre a fronteira entres os terrenos onde moravam.

“Meu avô era um grande autodidata de historiador e conhecia muito da história e gostava muito de contar. Essa é bem marcante aqui no município e eu resgato essa conexão com o desenvolvimento do município de Ibiraçu, com a vinda da ferrovia”, relata o autor, que também é vereador do município de Ibiraçu, onde o caso se passa.

Após a oficina, os autores retornarão às suas cidades de origem para a fase de pré-produção, onde mobilizarão suas comunidades e darão vida às suas histórias nas telas. Com o apoio de uma equipe técnica fornecida pelo Instituto Marlin Azul, os selecionados terão a oportunidade de gravar seus filmes, participando ativamente de todas as etapas do processo criativo.

“Ao incentivar a produção audiovisual local e valorizar as histórias e tradições dessas comunidades, o Curta Vitória a Minas contribui para o fortalecimento da identidade cultural e social dessas regiões”, ressalta Beatriz Lindemberg, coordenadora do projeto.

Sem experiência anterior em produção cinematográfica, a colatinense Marisa compartilhou seu entusiasmo por fazer parte de um projeto que envolve sua comunidade e compartilhar um caso marcante de sua vida com as pessoas. “Essa participação é algo que vai ficar marcado na minha vida”, declarou a autora.

As obras resultantes serão exibidas gratuitamente em telas de cinema itinerantes montadas nas próprias cidades dos participantes, proporcionando um momento de celebração e reconhecimento para os realizadores e suas comunidades.

Confira os selecionados:

Trilhando Entre as Cercas
de Otávio Luiz Gusso Maioli – Ibiraçu/ES

Morro do Cruzeiro, Nosso Quilombo
de Wagner Henrique Rosa – João Neiva/ES

A Casa Sinistra
de Marisa Almeida da Silva – Colatina/ES

Um Rio de Histórias
de Marcia Cristina Candido Cruz – Conselheiro Pena/MG

Os Amigos da Água
de Pedro Vinicius Siqueira Batista – Governador Valadares/MG

Boi Balaio
de Mauro dos Santos Junior – Belo Oriente/MG

O Pássaro
de Luzia de Resende Mendes – Ipatinga/MG

O Trem, a Farofa, a Kombi e a Família Constantino
de Ana Paula Gonçalves Pires – Coronel Fabriciano/MG

Revelações de Carnaval
de Sandra Maura Coelho – Nova Era/MG

Me Disseram que Sou Negra?
de Alexandra Mara Felipe Fernandes – João Monlevade/MG

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

FIQUE POR DENTRO

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -