23.3 C
Vitória
sábado, 20 abril, 2024

1º satélite espião da Coreia do Norte está pronto

Os satélites espiões estão entre uma série de grandes sistemas de armas que Kim Jong-un jurou desenvolver em janeiro de 2021

O líder norte-coreano Kim Jong-un disse que o seu país construiu o seu primeiro satélite espião militar e que planeja lançá-lo em breve, informou a imprensa estatal nesta quarta-feira, 19. Testes anteriores com mísseis e foguetes demonstraram que a Coreia do Norte pode enviar satélites para o espaço, mas muitos peritos questionam se o país tem câmeras suficientemente sofisticadas para serem utilizadas para espionagem a partir de um satélite – já que apenas imagens de baixa resolução foram vistas após lançamentos passados.

Durante a sua visita à agência aeroespacial do país na terça-feira, 18, Kim disse que ter um satélite de reconhecimento militar operacional é crucial para que a Coreia do Norte utilize com eficiência seus mísseis com capacidade nuclear. Kim citou o que descreveu como graves ameaças à segurança colocadas pela “retórica mais hostil e ação explícita” dos Estados Unidos e da Coreia do Sul este ano, segundo a Agência Central de Notícias oficial da Coreia. Ele espera pressionar os seus rivais em questões que incluem exercícios militares conjuntos e sanções econômicas internacionais contra a Coreia do Norte.

- Continua após a publicidade -

Kim disse que “o satélite de reconhecimento militar número um” já tinha sido construído e ordenou aos oficiais que acelerassem os preparativos para o seu lançamento. Também afirmou que a Coreia do Norte deve lançar vários satélites para recolher informações.

A Coreia do Norte afirma que os seus testes de armas em curso, incluindo o seu primeiro lançamento de um míssil balístico intercontinental usando combustível sólido, concebido para atingir o continente americano na semana passada, são uma resposta aos exercícios militares conjuntos entre os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão. A Coreia do Norte realizou cerca de 100 testes de mísseis desde o início do ano passado, e 30 neste ano.

As Forças Armadas dos EUA e da Coreia do Sul expandiram exercícios combinados em resposta às crescentes ameaças da China e à capacidade nuclear da Coreia do Norte. Esta semana, os aliados lançaram um exercício aéreo de 12 dias envolvendo cerca de 110 aviões de guerra e encenaram um exercício de defesa antimíssil naval de um dia com o Japão.

Os satélites espiões estão entre uma série de grandes sistemas de armas que Kim jurou desenvolver em janeiro de 2021. Kim também se comprometeu a construir outros sistemas de armas, incluindo mísseis balísticos de combustível sólido, submarinos de propulsão nuclear, mísseis hipersônicos e multimísseis de ogivas. Desde então, a Coreia do Norte tem conduzido testes de tais armas, mas não é claro se elas são operacionais.

Depois de a Coreia do Norte ter lançado um satélite de teste em dezembro último, o país divulgou fotografias em preto e branco mostrando uma vista espacial das cidades sul-coreanas. Peritos civis da Coreia do Sul disseram que as fotos eram muito rudes para finalidade de vigilância e provavelmente só seriam capazes de reconhecer grandes alvos como navios de guerra no mar ou instalações militares no solo.

O alto funcionário norte-coreano Kim Yo-jong disse que o satélite de teste transportava uma câmera comercial porque não havia razão para utilizar uma de alta resolução para um teste de disparo único. Kim Jong-un afirmou que um dos objetivos do seu satélite espião é adquirir uma capacidade de “utilizar força militar preventiva quando a situação exigir”.

Kim Dong-yub, professor na Universidade de Estudos da Coreia do Norte em Seul, disse que a Coreia do Norte irá provavelmente informar as autoridades marítimas e de telecomunicações internacionais dos seus planos de lançamento, provavelmente entre maio e setembro.

Colocar um satélite de reconhecimento em órbita exigiria um foguete de longo alcance. A ONU proíbe tais lançamentos pela Coreia do Norte porque eles poderiam ser uma cobertura para testar a sua tecnologia de mísseis balísticos de longo alcance.

A Coreia do Norte colocou dois satélites de observação da Terra em órbita em 2012 e 2016, mas especialistas estrangeiros dizem que nenhum deles transmitiu imagens de volta ao país. As Nações Unidas emitiram sanções sobre esses lançamentos.

A Coreia do Norte conseguiu evitar novas sanções da ONU para os seus recentes testes de mísseis balísticos em 2022 e este ano porque Rússia e China, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, não apoiaram as tentativas dos EUA e de outros países para endurecer as sanções contra o país.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA