Escolhas de Mãe

A difícil decisão da maioria das mulheres que se tornam mães: voltar a trabalhar ou ser mãe em tempo integral?

Decidi parar de trabalhar por um tempo logo após o nascimento dos meus filhos. No primeiro, o Arthur, hoje com 6 anos, a decisão foi bem difícil, levei alguns meses para ter certeza. Sou jornalista, tinha quase 13 anos de empresa e amava o que fazia. Mas a decisão veio, pesando emoção e razão, e fiquei dois anos totalmente dedicada ao meu garotinho. Logo percebi que, tanto para mim quanto para ele, foi a escolha mais acertada. Não que eu pudesse abrir mão tranquilamente daquele dinheiro ou fosse confortável ficar fora do mercado de trabalho.

Precisamos, eu e meu marido, gerir melhor o orçamento familiar, abrir mão de alguns gastos, renunciar muitas vezes. Precisei também administrar bem a questão profissional, assimilar a pausa e aceitar a necessidade que senti de estar 100% com meu filho.

Voltei ao trabalho, convicta de terem sido excelentes os dois anos de maternidade em tempo integral e de que era hora de me dedicar um pouco ao que estudei anos para fazer. Retornei em meio expediente e, aos poucos, o pequeno se adaptou à nova fase. Tudo se ajeita. Uma das grandes verdades da vida.

Apenas você saberá o que realmente é melhor para si, para seus filhos, para sua família.

 

Engravidei novamente e veio minha menininha, hoje com 2 anos e 7 meses.
Dessa vez, não houve dúvida: mais dois anos de dedicação integral, sem babá ou ajudinhas extras (somente o marido colaborava como podia). Cansativo, mas muito enriquecedor. De quebra, pude estar mais perto também do Arthur. Agora, de volta ao jornalismo, me sinto bem, no trabalho e como mãe.

Vou me dividindo entre as funções, e está dando certo. Há cansaço, correria, cobranças, principalmente comigo mesma (mães sempre carregando o mundo nas costas. Quem nunca?). Mas, se a gente escolhe caminhar com mais leveza, olhando para a vida e para si com generosidade e paciência, tudo flui melhor.

É preciso saber o que a faz feliz. As pessoas lhe falarão muitas coisas.
Mas tenha certeza de que apenas você saberá o que realmente é melhor para si, para seus filhos, para sua família. Para mim, a escolha de parar funcionou. Funcionou também voltar ao trabalho no tempo que julguei adequado. Não há regra. Não se martirize por suas decisões.

Quer ser mãe em tempo integral para sempre? Seja.
Quer mudar de trabalho para ter mais tempo com o filho? Mude.
Quer parar por um período? Pare. Quer continuar trabalhando como sempre? Que seja. O importante é fazer suas escolhas (as possíveis, claro) com consciência, pesando perdas e ganhos.

Na minha vida, o que se aplica é entender com serenidade o tempo de cada coisa, saber que há ciclos a serem vividos. E o bom é que toda escolha pode ser revista. Se não está bom, simplesmente refaça os planos e vá atrás de algo melhor. Coragem. Há sempre novas possibilidades.

A autora

Meu nome é Fabrícia Kirmse, uma jornalista apaixonada pelo ofício de escrever. Trabalhei em redações, passando por rádio, jornal e internet, e hoje estou na área de Educação. Sou mãe de dois pequenos. Esta, com certeza, a parte mais doce da minha vida. Tenho especial interesse em assuntos relacionados a comportamento, sociedade, filosofia, maternidade e tudo mais que possa trazer boas reflexões. A partir deste mês, estarei por aqui falando um pouco sobre tudo. Compartilhando vivências e observações como mulher, mãe, profissional e ser humano. Meu objetivo maior nesta vida é buscar o caminho do equilíbrio e da leveza e, quem sabe, de alguma forma, contribuir para um mundo melhor. Quero dividir isso com vocês!


A matéria acima é uma republicação da Revista ES Brasil. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.